Desconfinamento: perguntas e respostas sobre a reabertura do país - Pumpkin.pt

Desconfinamento: perguntas e respostas sobre a reabertura do país

estado de emergência

Saímos do Estado de Emergência e entramos em reabertura do país. O que muda a partir de 4 de maio?

Portugal está em Estado de Emergência desde dia 19 de março. O decreto da medida governamental de prevenção contra a pandemia do COVID-19 já foi renovado duas vezes e não o será uma terceira. A partir de 4 de maio, terá início o plano de reabertura de país, um desconfinamento dividido em 4 fases.

Como vão funcionar as creches? E as escolas? E as lojas? Nesta página, vamos procurar responder a todas estas questões de forma simples, correta e sem alarmismos, para que as famílias permaneçam informadas e em segurança.

NOTA: Esta página foi atualizada a 30 de abril de 2020.

Para mais informações oficiais ou questões relacionadas com a proteção contra o COVID-19 e as medidas do Estado, não deixe de consultar o site COVID-19 Estamos On do Governo Português.

Plano de Reabertura do País: perguntas e respostas sobre o Desconfinamento

Afinal, o que muda para as famílias a partir de 4 de maio, data de início da primeira fase do plano de reabertura, e nas seguintes fases do desconfinamento, cujas datas dependerão de reavaliações da situação pandémica? Procurámos responder às perguntas mais frequentes.

Antes de mais, importa referir que o confinamento continua sempre a ser obrigatório para doentes e pessoas em vigilância ativa de sintomas do COVID-19.

É também importante lembrar que a partir de 4 de maio mantêm-se a proibição de eventos ou ajuntamentos com mais de 10 pessoas. Todas as medidas serão avaliadas pelo governo em cada uma das 3 fases de desconfinamento, a saber: 1ª fase a partir de 4 de maio; 2ª fase a partir de 18 de maio; 3ª fase a partir de 1 de junho – estas são as datas previstas, se tudo correr bem.

Estado de Emergência Criança Janela -

A partir de 4 de maio, já podemos sair de casa para…

Ir trabalhar?

Não necessariamente. Todos os trabalhadores que possam continuar a exercer as suas funções em teletrabalho, devem fazê-lo. Os restantes podem deslocar-se até aos seus locais de trabalho, caso assim seja anunciado pelos empregadores.

Prevê-se que o regresso às empresas se faça em junho, na terceira fase de desconfinamento (se tudo correr bem), com medidas excepcionais como teletrabalho parcial, horários desfasados e equipas em espelho – por cada trabalhador no escritório há um em casa, e vão alternando.

Ir à escola?

Por agora, não. Após estas duas semanas de desconfinamento, o governo vai avaliar se o país segue para a 2ª fase de desconfinamento ou se é necessário fazer um ajuste das medidas.

Se seguirmos para a segunda fase de desconfinamento a 18 de maio, os alunos de 11º e 12º ano do ensino secundário voltarão às aulas presenciais. Quando isto acontecer, as escolas vão fornecer máscaras de uso obrigatório e desinfetante para professores, auxiliares e alunos.

Também na segunda fase, os pais que precisarem poderão deixar as abobrinhas nas creches que têm opção de apoio à família. Nas creches e jardins de infância as crianças não terão de usar máscaras. No entanto, se assim entenderem, os pais podem ficar com eles em casa durante mais duas semanas.

O ensino pré-escolar e os ATLs só deverão abrir na fase 3 que, se tudo correr bem, será a partir de dia 1 de junho.

Fazer exercício?

A partir de dia 4 de maio, é permitida a prática de desportos individuais ao ar livre. Está interdita a utilização de balneários e piscinas.

Já a reabertura dos ginásios, está apontada para a 3ª fase de desconfinamento.

Cá por casa, preferimos não arriscar por enquanto. Afinal, existem tantas opções giras para fazer exercício em casa!

Visitar os parentes/amigos?

O distanciamento social continua a ser recomendado. Assim, devemos continuar a manter uma distância de segurança e os convívios e ajuntamentos não são aconselhados. Por falar nisso, já ligaram àqueles que amam hoje?

Ir ao médico?

As consultas vão começar a ser reagendadas a partir de dia 4 de maio.

Fazer compras?

desconfinamento

Os supermercados continuarão a funcionar com medidas de segurança.

O comércio local vai reabrir portas gradualmente: as lojas com porta aberta para a rua até 200m2 abrirão a 4 de maio, com uso obrigatório de máscaras e funcionamento a partir das 10h. Os cafés, restaurantes, pastelarias e esplanadas apontam a abertura para a segunda fase, prevista para 18 de maio.

Os centros comerciais, as grandes superfícies e as lojas com mais de 400 metros quadrados só abrirão na terceira fase (se tudo correr bem, a partir de 1 de junho), com uso obrigatório de máscaras e horário de funcionamento a partir das 10h .

Ir de férias?

Por agora, a ideia de ir de férias está muito longe do nosso pensamento. Não existem indicações para o Verão, uma vez que as medidas dependerão da evolução da situação, mas é possível que as viagens veranis das famílias portuguesas fiquem limitadas ao interior do país. Também não há data para a reabertura das praias.

Comer fora?

Por agora, não. A abertura dos restaurantes está apontada para dia 18 de maio, com a segunda fase de desconfinamento. Quando estes estabelecimentos reabrirem, também será com medidas de segurança extra.: lotação a 50%, funcionamento apenas até às 23h e condições específicas.

No entanto, até lá continua a ser possível recorrer ao take-away e às apps de entregas ao domicílio para disfrutar de uma boa pizza ou do sushi de que temos tantas saudades.

Ir ao cabeleireiro?

Os cabeleireiros também vão reabrir na primeira fase, a partir de 4 de maio. Funcionarão por marcações e com um número reduzido de pessoas no interior, assim como outras condições especiais.

Atividades de lazer e cultura?

As bibliotecas, livrarias e arquivos vão abrir a partir de 4 de meio, com o início da primeira fase.

Na segunda fase, espera-se a reabertura de museus, monumentos e palácios, galerias de arte e similares.

Quanto aos cinemas, teatros e auditórios, a reabertura prevê-se na terceira fase, com medidas especiais de proteção como lugares marcados, lotação reduzida e distanciamento entre as pessoas.

Outras questões:

Transportes públicos: estarão em funcionamento a partir de 4 de maio com uma lotação máxima de 2/3 e impondo o uso de máscara e a higienização frequente das superfícies.

Serviços Públicos: é obrigatória a marcação prévia e o uso de máscaras nos estabelecimentos dos serviços públicos. Os balcões descentrados de atendimento ao público abrirão a 4 de maio, enquanto as lojas de cidadão terão de aguardar até 1 de junho.

Funerais: serão realizados com a presença de familiares a partir de 4 de maio. É de lembrar que estão proibidos ajuntamentos com mais de 10 pessoas e que há uma lotação máxima de 5 pessoas por cada 100m2 em espaços fechados.

E o uso de máscara, é obrigatório?

desconfinamento compras

O uso de máscara passa a ser obrigatório em transportes públicos, comércio, escolas e locais fechados com elevado número de pessoas.

António Costa garantiu que as máscaras de uso comunitário vão estar acessíveis a todos os cidadãos através dos super e hipermercados, mas também é possível comprá-las online.

Saibam mais sobre os tipos de máscaras de proteção, formas de utilização e onde comprar máscaras certificadas no nosso artigo.

E se verificar sintomas de infeção?

Caso verifique todos os sintomas de infeção pelo Coronavírus (febre, dificuldade de respiração e tosse, a DGS instrui que se mantenha o mais isolado possível e que entre em contacto com a linha de saúde 24: 808 24 24 24 ou contactar o 112.

Devido ao elevado número de chamadas em tempo de pandemia, o tempo de espera poderá ser longo – não desista até conseguir falar com os profissionais, e não se desloque ao hospital por iniciativa própria.

Depois, devem seguir as indicações que forem dadas, nomeadamente a de serem encaminhados para um dos hospitais portugueses de referência (hospitais de São João, Curry Cabral e D. Estefânia), sinalizados em Portugal para o tratamento dos casos de Coronavírus.

O que sentir perante estas medidas de prevenção?

Segurança. Estas decisões foram tomadas para nos proteger e, embora tenham consequências negativas de outro tipo, nomeadamente económicas, são entendidas como necessárias para a melhor gestão da pandemia.

Expliquem às abobrinhas que o facto de estarem todos em casa está a ajudar a resolver o problema. Acalmem-nos e acalmem-se vocês também: o que está ao nosso alcance é cumprir com as medidas de prevenção, e por esta altura já estamos todos mestres da lavagem das mãos ao som dos Parabéns e do fazer o dab ao espirrar.

Se estão em casa com a família, aproveitem o tempo juntos e dêem-se também algum espaço para respirar, cada um em seu canto. Se estão sozinhos em casa, leiam muito, apanhem sol na varanda, cantem e façam muitas chamadas de vídeo.

Fiquemos em casa, olhemos e valorizemos as coisas de todos os dias de forma diferente e respiremos: não tarda, tudo estará bem e estaremos a brincar nas ruas e nos jardins lindos de que temos saudades.

Também vos pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2  votos, média:   5,00  em 5)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *