Gravidez > Engravidar > Antes de Engravidar

Como ter gémeos: fatores que aumentam as probabilidades

gémeos

Fatores que aumentam a probabilidade, risco, tipo de gémeos... Tudo aqui em baixo!

Existem muitos mitos que dizem como pode aumentar as probabilidades de ter gémeos. Apesar de não haver provas científicas de como conceber gémeos, existem alguns fatores que podem aumentar essa probabilidade.

Gémeos

Os gémeos resultam da fertilização de dois embriões em dois óvulos distintos no útero da mulher ou quando um único óvulo se divide em dois embriões, que, posteriormente, darão origem a dois bebés.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), organismo norte-americano, os nascimentos de gémeos quase duplicaram nos últimos 40 anos. Uma mulher tem maior probabilidade de ter gémeos se se submeter a tratamentos de fertilidade ou se tiver 35 ou mais anos.

Porque acontecem as gravidezes gemelares?

Não existe uma resposta para esta pergunta, uma vez que medicamente ainda não se tem sabe a razão pela qual este fenómeno ocorre. Contudo, existem alguns fatores que podem aumentar essa probabilidade.

Tipos de gémeos

Existem dois tipos de gémeos:

  • Gémeos idênticos

Acontece quando um óvulo fertilizado divide-se em dois embriões separados, os chamados embriões monozigóticos (que têm genes idênticos). Este tipo de gémeos costumam ser do mesmo sexo e têm muitas muitas parecenças físicas.

  • Gémeos não idênticos ou falsos

Os chamados gémeos falsos formam-se quando existem dois óvulos presentes no útero no momento da fertilização e os espermatozoides fertilizam os dois. A esses embriões dá-se o nome de dizigóticos, porque não têm genes idênticos e podem não ser do mesmo sexo.

Fatores que aumentam a probabilidade de ter gémeos

  • Historial clínico da família

As mulheres cujos familiares tiveram gémeos tem maior probabilidade de replicar este acontecimento. O que pode não saber é que aumenta ainda mais a probabilidade de ter gémeos caso haja gémeos na família materna. Mas, esse fator aplica-se apenas no caso da mulher engravidar de forma natural, ou seja, sem ter realizado tratamentos para a infertilidade.

Segundo a American Society Reproductive Medicine (ASMR), as mulheres que são gémeas não-idênticas têm a probabilidade de gerar 1  gémeo a cada 60 nascimentos. Já no que toca aos homens, a probabilidade é ainda menos, podendo estes contribuir para 1 caso de gémeos em cada 125 nascimentos.

Existe o mito de que os gémeos vêm ao mundo de duas em duas gerações, mas não existem evidências científicas suficientes que apoiem essa teoria.

  • Tratamentos de fertilidade

De acordo com o guia dos gémeos múltiplos da ASRM, o fator mais preponderância na gravidez gemelar são os tratamentos de Fertilidade, sendo importante considerar que cada um pode aumentar a probabilidade de ter gémeos de formas diferentes.

Por exemplo, existem formas medicamentosas de estimular os ovários da mulher e que faz com que esta, muitas vezes,  liberte mais do que um óvulo. Se o esperma fertilizar dois ou mais óvulos, a mulher terá, à partida, gémeos – isto porque depende sempre se o óvulo se fixa na parede do útero, se está bem posicionado, etc.

A Fertilização In Vitro (FIV) é um dos tratamento que potencia esta realidade, uma vez que os profissionais de saúde extraem os óvulos da mulher e fertilizam-no com os espermatozoides do homem, originando vários embriões que são continuamente vigiados durante certo período de tempo, uma vez que alguns acabam por parar de se desenvolver, e depois, sim, são transferidos para o útero da mulher. No entanto, uma gravidez gemelar pode originar riscos e complicações tanto para a mãe como para o bebé, pelo que existe um número limite de embriões a transferir para o útero da mulher, de forma a que não se gere uma gravidez com três ou quatro gémeos.

  • Idade

Mulheres com 30 ou mais anos estão mais propensas a conceber gémeos. Isto porque é mais provável as mulheres acima dos 30 libvertem mais do que um óvulo durante a ovulação.

  • Altura e peso

Na publicação da ASMR, os gémeos são mais comuns em mulheres mais altas e saudáveis do que em mulheres mais baixas e com um pouco mais de peso. Contudo, não se sabe ao certo qual a razão, mas aponta-se para uma melhor nutrição da mulher.

Como aumentar a probabilidade de ter gémeos

Os tratamentos de fertilidade podem aumentar bastante a possibilidade de ter gémeos, em particular a FIV e os estimulantes de ovários.

Contudo, há que ter em conta que as gravidezes gemelares acarretam mais riscos do que as restantes, tantos para as gestantes como para os bebés. Por esse motivo, algumas clínicas de fertilidade não recomendam o implante de múltiplos embriões durante os tratamentos.

Como reporta o Medical News Today, os tratamentos de de fertilidade nos EUA estão a ter tanto sucesso que existe, cada vez mais, uma menor necessidade de transferir mais do que um embrião para o útero da mulher – de tal forma que, entre 2007 e 2016, registou-se numa diminuição nas transferências de três ou quatro embriões. Convém ressalvar que a transferência de apenas um ou dois embriões reduz a probabilidade de haver uma gravidez múltipla.

Riscos da gravidez gemelar

Este tipo de riscos pode ser encarado por muitos como uma benção, mas tem algumas consequências, como por exemplo, aumentar o risco de:

  • baixo peso ao nascimento;
  • nado morto;
  • problemas no parto que podem dar origem a problemas como paralisia cerebral e autismo;

Acima de tudo, o que importa é, como se ouve por aí (e desta vez não podia estar mais certo) é que venha bem e com saúde!

Veja também:

Se encontrar alguma incorreção contacte-nos por favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *