Desperdício Alimentar: 6 dicas para fazer melhor - Pumpkin.pt

Desperdício Alimentar: 6 dicas para fazer melhor

desperdício alimentar

Sabiam que 1/3 de toda a comida produzida é desperdiçada? Fiquem a saber como cada um de nós pode evitar deitar alimentos fora.

O nosso planeta é a maior herança que deixamos aos nossos filhos. Nestes artigos partilhamos inspirações para conhecer e proteger o nosso planeta. Desta vez, falamos do desperdício alimentar, do impacto que ele tem e de como podemos fazer melhor.

O desperdício alimentar é um dos principais problemas ambientais que o nosso planeta enfrenta. Para além da elevada quantidade de recursos necessários para produzir os alimentos que consumimos, aqueles que não comemos acabam em aterros, a emitir gases prejudiciais para o ambiente.

Em Portugal, falamos de um milhão de toneladas de comida desperdiçada por ano. Assustador, não é? Vamos mudar estes números!

Prestem atenção a estas dicas que nos vão ajudar a evitar o desperdício alimentar. É mais simples do que parece 😉

6 dicas contra o desperdício alimentar:

Salvar refeições

Grande parte dos alimentos desperdiçados não vêm de nossa casa: vêm dos restaurantes e supermercados, que estão sujeitos a regras para a venda dos produtos e refeições. Como? Todos sabemos que um pastel de nata feito ontem está bom para ser consumido. Mas uma pastelaria não pode vendê-lo porque não é um bolo “fresco”, por exemplo.

Felizmente, existem várias formas de intervir nestas situações e de comer os pastéis do dia anterior. É o caso dos projetos e apps de combate ao desperdício como a TooGoodToGo, que se alia aos negócios para permitir que vendam produtos que sobram a preços acessíveis. Para começar a salvar refeições, basta instalar a aplicação, ver que restaurantes nas redondezas têm caixas disponíveis (as chamadas Magic Boxes), reservar e ir buscar. Super prático, não é? Outras aplicações do género são a Phenix (refeições e frescos) e a OLIO (permite trocar excedente de produtos entre vizinhos).

Uma outra forma de contrariar este problema no momento das compras é escolher os alimentos com pior aspecto, a “fruta feia” ou os cereais que vêm num pacote amolgado. Muitas vezes, são alimentos em perfeitas condições e que, se ninguém os comprar, vão parar ao lixo.

Transformar restos

É normal que não nos apeteça comer a mesma carne assada por três refeições. Para aproveitar estes restos, podemos optar por receitas simples que receitam a comida que já temos no frigorífico.

Algumas das opções mais populares são a omelete e a quiche, e nós adoramos o arroz de forno, mas há lugar para imensa criatividade nas transformações! Fruta madura é ideal para batidos, compotas ou bolos, um peixe seco pode dar um ótimo arroz ou e um bolo duro é apenas uma deliciosa torrada à espera de acontecer. Antes de desistirem de um resto de comida, pensem um pouco ou perguntem ao Google o que podem fazer com ele.

Mas atenção – guardem sempre a comida no frigorífico e garantam que está em bom estado antes de a cozinharem novamente. Também convém comer estes pratos reciclados no próprio dia, uma vez que a comida usada acaba por ser aquecida duas vezes.

Ter uma caixinha do “Come-me primeiro”!

Foto do Instagram @joanaguerratadeu

Esta é uma ideia simples e genial que conhecemos através da ambientalista Joana Guerra Tadeu. Segundo a Joana, o esquecimento é a principal razão para deixarmos comida estragar-se nos confins do frigorífico.

Para contornar este problema, a dica é super fácil: arranjem uma taça ou caixa (pode ser aquele tupperware cuja tampa foi viajar pelo mundo e nunca mais voltou) e escrevam nela “Come-me primeiro!”. Coloquem-na bem à vista com aqueles alimentos que precisam de ser comidos primeiros: uma banana ou um fiambre já abertos, um iogurte que está quase a passar do prazo… Perto da vista, perto do coração!

Nas palavras da Joana, esta caixa “É uma maneira de saberes a que recorrer quando te dá aquela fomeca antes de ir para a cama ou o que acrescentar à “massa com tudo” que desenrascaste para o almoço. Também funciona bem com crianças, para que facilmente identifiquem o que comer primeiro, sobretudo no que toca a artigos com datas de validade.”

Dica extra: organizarmos semanalmente o frigorífico e termos tupperwares e recipientes transparentes na cozinha também ajuda a combater o desperdício. Deste modo, sabemos sempre o que está lá dentro e “lembramo-nos” de comer antes que se estrague.

Pensar bem a lista de compras

Sim, todos nós pensamos antes de ir ao supermercado. Mas entre a pressa e a fome, será que pensamos bem?

O combate ao desperdício de comida em casa começa na lista de compras. É importante termos atenção à quantidade de frescos que vamos comprar, pois são comidas que, quando não congeladas, se estragam muito rápido.

Na dúvida, é melhor comprar uma quantidade menor para garantir que nada apodrece. Até na alimentação se aplica a velha regra: menos é mais! Na maior parte dos casos, acaba por compensar comprar frescos suficientes para uma semana, e voltar à mercearia semanalmente para reabastecer.

O mesmo se aplica à pastelaria: ao evitarmos comprar pão a mais, estaremos a poupar imenso no desperdício. Afinal, este é um alimento que só está bom para consumo durante dois dias. Se derem por vocês com pão muito duro em casa, experimentei fazer pão ralado caseiro – tudo se aproveita!

Planear as refeições

A sério, faz toda a diferença. Juntem a família ao fim de semana e conversem sobre os ingredientes que têm em casa e os vários pratos que podem fazer com eles. Esta é uma ótima forma de passar algum tempo em família, de fazer com que o planeamento das refeições não pese como uma tarefa e até de ensinar aos mais novos que ingredientes são necessários para fazer as receitas de que tanto gostam!

Tenham em atenção que pode haver restos, pelo que este plano deve funcionar como uma orientação e não como um guia a ser cumprido à risca. Se quiserem mesmo fazer um prato novo, mas existir comida de sobra, experimentem transformar os restos do dia anterior! Evitar o desperdício alimentar e cumprir com as necessidades nutricionais de toda a família deve ser o foco desta organização.

Aproveitar tudo

Muitas partes de alimentos que deitamos fora por acharmos não terem utilidade nenhuma são, na realidade, super úteis! É o caso das cascas de frutas e legumes, por exemplo, que são frequentemente negligenciadas. As cascas das cenouras são comestíveis, as das bananas dão ótimos bolos ou fertilizantes para plantas, as dos legumes fazem belos caldos caseiros e as dos citrinos são perfeitas para fazer chá, bolos ou dar um aroma diferente a qualquer prato.

Outra opção é fazer compostagem em casa ou usar os restos das frutas e legumes para adubar as plantas. Se ainda não têm uma hortinha em casa, este talvez seja o pretexto que estava a faltar.

Inspirados para começar a aproveitar melhor todo o tipo de alimentos? Contem-nos nos comentários quais são os vossos truques para combater o desperdício alimentar!

Também vos pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votes, average: 4,33 out of 5)
Loading...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

<