Família > Crescer > Pais em crescimento

A ansiedade da entrada na escola é dos filhos ou dos pais?

ansiedade escola

Como preparar a criança para a entrada na Escola?

A forma como os pais encaram a separação do seu filho é muito importante para a forma como a criança se irá adaptar à escola. Saiba como se preparar, com as dicas da Dr.ª Sara Loios, Psicóloga Clínica de Crianças, Adolescentes e Famílias na CRESCER – Centro de Psicologia Infantil


É natural que se sinta ansioso e preocupado em relação a um grande número de questões, nomeadamente questões associadas à relação com os colegas e ao comportamento da professora. No entanto, todas estas questões estão associadas com os próprios receios de separação dos pais! Como se a entrada na escola fosse o iniciar da separação pais-filhos, como uma quebra da ligação especial que até então se manteve. E, para isso, é essencial que os pais enfrentem os seus próprios medos em relação à separação para poderem ajudar os filhos a enfrentarem os deles. Se se mostrar inseguro na despedida, o seu filho poderá pensar que o está a deixar num sítio que não é seguro, em que os próprios pais não confiam.

Se preparar antecipadamente a criança para a separação e para as exigências do jardim infantil ou da escola, tudo se tornará mais fácil:

– Fale-lhe de tudo o que sabe acerca do que vai encontrar;

– Leve-a lá primeiro para conhecer a professora e a sala de aula. Deve ter em atenção que esta é uma visita da criança e não dos pais. Não aproveite esta visita para tratar de outros assuntos, como por exemplo, da secretaria;

– Deixe que nos primeiros dias a criança leve de casa algo especial (um boneco, um urso de peluche, uma fralda, uma fotografia,…);

– Quando chegar à escola, apresente-a à professora e leve-a a ver o recreio;

– Mostre-lhe que confia na professora. Deverá tratar a educadora pelo nome próprio, transmitindo confiança à criança como se de uma pessoa conhecida se tratasse;

– Quando se for embora diga-o à criança. Dê-lhe um beijo de despedida, não muito prolongado e diga-lhe quando voltará. Não chegue atrasada. Depois de se ter despedido vá-se embora e não se volte para trás. Isto irá reduzir a ansiedade da criança;

– Quando a for buscar, felicite-a pela maneira como se comportou. Devolva que este foi um grande passo no seu crescimento. Oiça-a contar como foi o seu dia.

É normal que a partida dos pais, nos primeiros dias, seja angustiante para a criança, deixando a dúvida sobre quem irá tomar conta dela. No entanto, à medida que as situações de separação se vão tornando habituais e que a criança percebe que as suas necessidades continuam a ser satisfeitas, que outras pessoas são também capazes de tratar dela, bem como o facto de saber que ao final do dia os pais acabam por regressar, a ansiedade começa a diminuir porque a certeza de que tudo está bem ajuda a tranquilizar os seus sentimentos e deste modo, a sentir-se bem e feliz.

Muitas crianças adaptam-se perfeitamente ao princípio, mas depois em casa mostram sinais de regressão. Podem repetir-se problemas aparentemente não relacionados com a escola, mas ao nível do sono, alimentação ou birras que já haviam sido ultrapassadas. Estas regressões poderão demonstrar o tipo de energia que a criança tem de reunir para enfrentar este novo desafio. Como se estivesse a reunir energias para essa importante adaptação. Ou seja, ao regredir, ela pode voltar a uma fase do seu desenvolvimento, onde obtém o apoio de que necessita por parte dos pais, reorganizando-se.

Nesta fase o papel dos pais será o de apoiarem na compreensão do motivo desses sintomas e de a ajudarem a compreender-se a si própria no seu esforço para vencer os novos desafios que a escola representa. Quando ela começar a ter sucesso, digam-lhe como se sentem orgulhos com isso.

O período de adaptação à escola pode ser difícil. No entanto, deverá lembrar-se que cada criança se adapta segundo o seu próprio ritmo.

A vossa casa deverá ser o vosso porto de abrigo, um local de segurança e afeto. Deixe que o seu filho consiga o equilíbrio, extravasando em casa as tensões provocadas pela escola. Não o pressione para conseguir tudo de uma só vez, dê-lhe tempo. Apoie a sua autoestima – a base é dada em casa. As capacidades específicas e as aquisições académicas virão a seu tempo.

Uma certa dose de recompensa positiva, bem como de elogios, reforça a consciencialização que a criança tem do seu próprio sucesso.

E recorde-se: Uma criança apenderá sempre, desde que se sinta bem consigo própria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *