Família > Crescer > Aprender

Mindfullness e o desafio da atenção na escola

mindfullness na escola

Atenção e Concentração, tarefa impossível?

Susana Rocha, Professora de Mindfulness e Educação Emocional para Crianças e Adolescentes, explica-nos o que é a concentração e como ajudar as abobrinhas a alcançá-la, em contexto escolar. 

A atenção é um processo cognitivo em que o cérebro dirige a consciência para um estímulo ou objeto específico, em detrimento de outros estímulos que recebe, ao mesmo tempo.

Estes estímulos podem ser exteriores, recebidos através dos sentidos, ou estímulos interiores com origem naquilo que pensamos ou sentimos.

A atenção é um recurso valioso que apoia a organização da informação que chega até nós e ajuda a orientar as nossas ações.

Se não existisse esta seleção, a quantidade de informação que nos rodeia é tão grande, que ficaríamos desorientados, sem conseguir agir de uma forma organizada e estruturada.

A atenção é assim um processo inato e involuntário do ser humano, que nos acompanha desde que nascemos.

À medida que a criança vai crescendo, o mecanismo da atenção passa a ser desenvolvido de forma voluntária. E a criança vai aprendendo sobre o meio ambiente, vai classificando e atribuindo importância aos elementos que a rodeiam. Assim vai construindo as suas referências que estabelecem a prioridade com que escolhe seletivamente os objetos da sua atenção.

Quando a criança inicia o seu percurso escolar, a atenção torna-se uma capacidade primordial para que tenha êxito no seu processo de aprendizagem.

No entanto, atualmente, aquilo que é uma capacidade inata e natural no ser humano, parece ter-se tornado em algo difícil de alcançar.

Pais e professores enfrentam desafios na educação dos seus filhos e alunos, respetivamente. As crianças estão cada vez mais desatentas e desmotivadas. Frases como “presta atenção” ou “ouve o que estou a dizer” parecem repetir-se exaustivamente, a maioria das vezes sem alcançar o sucesso desejado.

O contexto familiar e social das crianças tem uma grande influência na forma como elas desenvolvem a capacidade da atenção. É a partir do exemplo dos adultos que as rodeiam que vão construindo o seu modelo de referências, que serve de guia para a seleção dos objetos que são alvo da sua atenção.

As crianças não vivem separadas da realidade social global que se vive atualmente. Tudo acontece ao mesmo tempo. E a nossa atenção é solicitada para diversos assuntos, em simultâneo, constantemente.

Parece que acontecem mais coisas a cada momento, porque a informação chega até nós em tempo real ou quase real. Mudou a noção de espaço e tempo.

Vivemos numa era em que a informação e o conhecimento são superficiais, com pouco aprofundamento e a entrega às atividades mais complexas parece desmotivante e difícil.

A curiosidade e a vontade de aprender é natural nas crianças, mas na velocidade a que estamos a viver, parece não haver espaço para a observação e para o aprofundamento do conhecimento.

A informação chega em quantidades e velocidade vertiginosas, e as crianças não têm meios para gerir este fluxo. Não sabem o que fazer a tanta informação, e vão saltando de um estímulo para o outro, sem se fixar, nem aprofundar.

As crianças têm dificuldade em manter o interesse numa só atividade, por muito tempo. Estão sempre a procurar novos focos de interesse e motivação. É um desafio manter a mente focada de forma produtiva. Não conseguem viver o momento presente de forma plena.

É difícil que consigam estar conscientes dos seus comportamentos, daquilo que dizem e do que pensam.

Apesar de todos estes desafios, há boas notícias.

A atenção é uma capacidade que pode ser desenvolvida. É uma competência que pode ser ensinada e incentivada desde a infância. É possível melhorar e fortalecer a atenção e a concentração.

É necessário ensinar às crianças o que é prestar atenção; muitas vezes elas não sabem como devem fazer para estar atentas. É preciso ensiná-las a parar, para ser possível observar o mundo que as rodeia. Despertar o interesse, a vontade de explorar e aprender mais sobre ele.

A prática de Mindfluness (Atenção Plena) tem-se revelado uma das melhores ajudas nesta área, para fortalecer a atenção e a concentração.

Esta prática permite passar de estados de desorganização e desorientação, para um estado de clareza mental e tranquilidade. Com este estado é possível, de uma forma natural, desenvolver atividades com maior concentração, paciência e consistência.

Os benefícios da prática da Atenção Plena são sentidos ao nível físico, mental e emocional o que proporciona maior estabilidade e tranquilidade, com maior capacidade para desenvolver a vida de forma mais autónoma, responsável e feliz.

Torna-se então possível utilizar a mente de uma forma mais organizada e focada, o que facilita a realização de atividades e permite melhorar as capacidades de aprendizagem e aumentar o rendimento escolar. A organização e a clareza mental refletem-se na vida escolar e nas atividades diárias, em geral.

Por outro lado, a Atenção Plena proporciona maior capacidade para gerir as emoções e o stress, o que permite que as crianças estejam mais calmas e confiantes, raciocinem melhor, e lidem de forma mais eficiente com os momentos de avaliação, testes ou exames.

Com uma mente mais tranquila, organizada e com maior lucidez, as crianças tornam-se mais atentas e também mais entusiasmadas e motivadas para a concretização dos objetivos escolares e até de outros projetos em que estejam envolvidas, seja na área do desporto, das artes ou outras.

A mente mais organizada estuda melhor e isso reflete-se no rendimento escolar e numa vida mais realizada e preenchida de forma construtiva.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *