Como criar crianças anti-racistas? - Pumpkin.pt

Como criar crianças anti-racistas?

criar crianças anti-racistas

É de pequenino que se torce o pe… preconceito.

Temos lido e discutido muito, estas semanas. E uma frase que nos ficou na cabeça foi precisamente a que defende que, em temas como este, não chega apenas não se ser racista – é necessário ser anti-racista. É necessário levantar-nos, defender as causas em que acreditamos, saltar de cima do muro e tomar uma posição.

Não temos voz para falar sobre o racismo da forma mais direta – nunca o sofremos, nunca o entenderemos por completo, porque somos uma família branca – mas temos voz para nos levantarmos e dá-la a quem a sente presa na garganta. Dá-la a quem já não consegue respirar.

Podemos, e temo-lo como dever, ainda assim, fomentar a mudança através das nossas crianças, para que as gerações futuras não precisem de debater, mais, temas como este, sem sentido mas tão estruturais que se arrastam há séculos na nossa espinha dorsal.

Como criar crianças abertas, tolerantes, conscientes e anti-racistas? Temos algumas sugestões.

1. Educando-nos

educar sobre racismo

Nada podemos ensinar aos outros senão começarmos por mergulhar de cabeça, nós mesmos, nos temas sobre os quais queremos falar. Reconhecer a nossa ignorância, estudar, ler livros de autores pretos sobre o racismo, conhecer a perspectiva que como brancos nos ultrapassa – esse é o primeiro passo.

Educar-nos passa por reconhecer os nossos erros, os discursos racistas que reproduzimos sem intenção, os pequenos gestos que nos foram passados pela sociedade e que, como reflexo de defesa, ainda temos. Educar-nos passa por perceber que nem sempre os manuais de História contam a história dos dois lados, e que existe um perigo muito grande em ler as coisas apenas pela perspectiva que nos toca.

Quando, por exemplo, utilizamos a palavra “denegrir” para nos referirmos à atitude de falar mal de alguém, estamos a equiparar a crítica ao ser negro – sublinhando indiretamente que nada é pior do que essa condição de ter a pele escura.

Expressões como “a fome é negra”, “a coisa está preta”, “ovelha negra da família” e “mercado negro”, para citar algumas, atribuem uma conotação negativa a tudo o que é preto.

Glorificar os Descobrimentos portugueses sem analisar a fundo todo o sofrimento e massacre que eles supuseram nas ex-colónias é fechar os olhos à vergonha do nosso passado.

É normal. A sociedade ensina-nos e molda-nos assim. Daí que o primeiro passo seja precisamente o de beber informação de fontes não convencionais. Sigam mais pretos nas redes sociais, leiam livros sobre racismo, na nossa ou noutra língua, vejam documentários e filmes de consciência racial.

Deixamos algumas sugestões:

Uma última nota: ao conversar com vários pretos sobre o assunto, decidimos dirigir-nos a eles assim, da forma tida como menos politicamente correta, respeitando a sua vontade. Mais do que a palavra escolhida, aquilo que ofende é o tom com que as frases são ditas.

Muitos são os que nos dizem “eu não sou de cor, eu sou preto”. E nós respeitamos essa vontade e essa verdade utilizando e normalizando o termo, fugindo ao “negro” como politicamente correcto, e ajudando assim a espalhar a palavra.

2. Educando-os

racismo e intolerância 
Como criar crianças inclusivas: filmes e livros infantis sobre racismo

É óbvio que abobrinhas que cresçam num ambiente onde pessoas de diferentes raças e etnias são respeitadas e integradas serão adultos muito mais empáticos, respeitadores e inclusivos, porque absorvem como esponjas tudo aquilo que de bom e de mau lhes oferecemos no seu desenvolvimento emocional e cognitivo.

No entanto, não basta ensinarmos aos nossos filhos que “somos todos iguais” – não somos. Não basta dizer aos nossos filhos que não se aponta para pessoas de outra cor na rua ou que todos devemos respeitar da mesma forma.

Não basta as crianças terem amizades diferenciadas ou conviver com outras culturas. Isso torná-la-á respeitadoras e não-racistas, mas não as ajudará a ser conscientes da necessidade de mudança.

Apesar da dificuldade que também na Pumpkin tivemos em preparar esta lista, porque a visibilidade negra é de facto ínfima quer na literatura quer nas produções audiovisuais, cabe-nos a nós, adultos, contorná-la e desconstruí-la, para não dar espaço ao preconceito.

Filmes, séries e livros infantis sobre racismo: fizemos uma seleção de recursos que consideramos importantes para o desenvolvimento de uma sociedade inclusiva a partir das raízes, as crianças.

3. Integrando-os

integrar educar racismo

É fundamental não vivermos presos à nossa bolha de privilégios. É importante que as crianças cresçam com a noção de que existem diferenças nas oportunidades, no acesso e na forma de serem avaliadas, consoante a sua cor de pele ou etnia.

Incentivem-nas a aproximarem-se das crianças pretas na escola, por norma também aí mais marginalizadas ou obrigadas a juntarem-se num grupo de iguais. Procurem que os vossos filhos sejam inclusivos, educados, que defendam os colegas em possíveis momentos de discriminação e que se afastem de quem os perpetua.

Promovam também uma maior diversidade no vosso dia a dia, na vossa rotina e no vosso estilo de vida. Se tiverem amigos pretos, peçam-lhes que cozinhem para vocês um prato típico e vos contem histórias da sua cultura. Visitem restaurantes étnicos, conheçam costumes diferentes, conversem com pessoas com identidades baseadas em conceitos muito além dos que damos como adquiridos (e, por vezes, inquestionáveis).

Podemos simplificar até a um nível mais óbvio: ofereçam-lhes nenucos pretos. Forcem a representividade que pouco existe. Vejam desenhos animados diferentes. Fujam dos estereótipos.

4. Sendo honestos

educar racismo honestidade

As crianças não nascem racistas, mas também não são indiferentes às diferenças que, de facto, existem. Não falar sobre elas permite que as abobrinhas criem as suas próprias conclusões – o que é muito perigoso.

Não há uma idade certa para falar sobre racismo. Quanto mais cedo melhor. Reconheçam as diferenças, explicando-as de forma simples e assertiva: tal como uns somos altos e outros baixos, uns temos olhos verdes e outros castanhos, uns temos a pele mais clara e outros a pele mais escura. Não são as características físicas que nos definem. É o carácter. Aquilo em que acreditamos, aquilo que fazemos pelos outros, aquilo que nos guia. Sejam modelos, exemplos a seguir. Reconheçam os vossos erros.

Nesse sentido, é importante também reforçar a existência de outras minorias que também sofrem com preconceito em Portugal: os asiáticos, os indianos e os ciganos, por exemplo. Podem falar dos portugueses que são vítimas de xenofobia e preconceito em França ou em países de leste, por exemplo. É uma referência que pode ajudar as crianças a compreender melhor a injustiça. “Se o preconceito que podem ter contra ti é injusto, então contra os outros também é.”

E podemos apostar que, em casa, terão crianças que vão crescer com a igualdade como valor.

Links relacionados

2 comentários em “Como criar crianças anti-racistas?

  1. Sofia Junho 15, 2020

    um livro engraçado para os mais novos é o “Somos Todos Diferentes” da Emma Damon.

    1. Dani Gonçalves - Equipa Pumpkin Junho 15, 2020

      Obrigada pela recomendação, Sofia!
      Vamos acrescentar à nossa listinha 🙂

      Saudações abobrinhas!

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1  votos, média:   5,00  em 5)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *