Terrores noturnos: o que são, como reagir e prevenir - Pumpkin.pt

Terrores noturnos: o que são, como reagir e prevenir

Terrores Noturnos

Vamos descobrir um pouco mais sobre este tema que tanto aflige os pais por todo o mundo!

Os terrores noturnos são uma das grandes preocupações dos pais, mas não há motivo para se alarmarem. É uma fase pela qual as crianças passam e, apesar de parece causar sofrimento na criança, é um acontecimento que acaba por passar com o tempo.

Terrores noturnos

O que são os terrores noturnos?

Os terrores noturnos são uma perturbação do sono sendo – como explicam Mafalda Leitão e Nuno Lobo Antunes no livro “Sentidos – O grande livros das perturbações do desenvolvimento e comportamento” – despertares incompletos no sono profundo, acompanhados de movimentos e gritos.

As crianças estão de olhos abertos, o que leva os pais a pensar estão acordadas, mas o olhar é distante. Se [os pais] a tentarem acalmar não serão bem recebidos, pois o comportamento é semelhante ao de uma birra intensa, esperneando, torcendo-se e parecendo recusar qualquer tentativa para ser acalmada“.

Os especialistas acrescentam ainda que não vale a pena tentar acordá-la, pois quanto mais estimulada mais tempo poderá durar a crise.

Perante um episódio destes, não há muito a fazer. Deve procurar-se falar calmamente com a criança para que ela se volte a deitar e acabe por serenar. Porque na verdade ela sempre esteve a dormir e acabará por retomar o sono tranquilo, explica Teresa Moreno, neuropediatra do Hospital Lusíadas Lisboa.

Estas crises são mais comuns entre os 3 e os 5 anos de idade (apesar de poderem acontecer antes, por volta do 1º ano de idade), uma fase de grande desenvolvimento cognitivo e linguístico que provoca uma hiperativação dos neurónios e os episódios podem cerca de 5 minutos, o suficiente para os pais ficarem em pânico.

Quais as suas causas?

Os terrores noturnos podem aumentar quando a criança está doente, dorme pouco, fica muito entusiasmada durante o dia, mas também quando está mais stressada, se tiver rotinas irregulares de sono, devido à toma de algum medicamento ou à muda de casa.

No fundo, tudo o que envolva grandes mudanças pode destabilizar o padrão de sono da criança.

Como reagir aos terrores noturnos?

Em declarações à antiga revista Pais & Filhos, Mário Cordeiro, conhecido pediatra, faz questão de frisar que a melhor forma de reagir é deixar a criança voltar a adormecer por si própria de forma natural:

“Tentar acalmar não resulta, para desespero dos pais – mas nunca se esqueçam que, por mais paradoxal que pareça, aquela figurinha a mexer-se, a gritar e a espernear, não está a sentir medo”.

Ao invés de acordar a criança, os pais ou as pessoas que estiverem com a criança quando isso acontecer podem (e devem) ficar ao seu lado, mas, contrariando a resposta automática de a aconchegar e acalmar, devem permanecer em silêncio e tentar não intervir muito, visto que em vez de acalmar a criança pode sim perturbá-la.

É importante referir que estará a zelar pela segurança da criança, garantindo que não se magoa durante os períodos de maior agitação.

Caso a criança, no meio do sonho, acordar e reconhecer os pais, é perfeitamente normal que pareça confusa e assustada, podendo até ter medo de voltar a dormir, apesar de estar ainda com sono.

Vale ainda a pena ter noção de que não vale a pena abordar o assunto no dia seguinte, porque a criança não se vai lembrar e pode ser que tenha sido um caso isolado.

É possível preveni-los?

Esta é uma grande questão. Não há ainda uma fórmula para evitar os terrores noturnos, no entanto existem várias formas de proporcionar à criança um ambiente mais tranquilo na hora de ir dormir, como:

  • Estabelecer (aos poucos) uma rotina regular de sono, na qual a criança durma as horas necessárias para a sua idade e atividades do dia seguinte;
  • Estipular ou tentar que, antes de ir para a cama, a criança tenha atividades tranquilas, como ler, cantar um canção;
  • Evitar contar histórias que possam conter elementos que, de alguma forma, os possa assustar.

De acordo com a neuropediatra Teresa Moreno, os terrores noturnos ocorrem geralmente nas primeiras horas da noite e podem surgir esporadicamente de forma irregular. A criança pode ter mais do que um episódio na mesma semana e depois estar vários meses sem qualquer episódio. Os casos mais tardios passam, geralmente, até aos 6 anos.

Contudo, se os episódios de terrores noturnos forem muito frequentes, durarem várias semanas seguidas e forem muito violentos, consultem o pediatra ou um especialista em distúrbio do sono.

Também vos pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Ainda não tem votos)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *