Depressão Infantil: quais os sinais?

E a depressão nas crianças? Um texto de Eduardo Sá.

depressão infantil

O grande desafio de todos os pais passa por, não deixando de proteger os filhos, permitir-lhes as dores estritamente necessárias para que conquistem a autonomia e robustez que os tornem fortes e audazes.

Eduardo Sá é psicólogo clínico, psicanalista, professor e escritor – e uma voz poderosa na quebra de tantas ideias pré-concebidas sobre felicidade, famílias, educação e amor. Partilhamos um texto seu sobre a depressão infantil, e o quão importante será permitir às nossas crianças espaço emocional para o seu crescimento. 


É verdade que as dificuldades apuram, muitas vezes, o engenho. Não tanto porque o sofrimento que elas não deixam de trazer seja recomendável mas, antes, porque quando a dor não é nem excessivamente aguda nem extensa em demasia acaba por mobilizar os recursos saudáveis que temos ao nosso dispor.

É claro que nunca há males que vêm por bem! E é verdade que uma formulação como essa tem qualquer coisa de triunfal que acaba por ser um bocadinho batoteira. Em primeiro lugar, porque a sabedoria nos ajuda a compreender, por antecipação, os perigos que nos ameaçam, levando a que os evitemos. E, em segundo lugar, porque sempre que agradecemos as dores menos as aproveitamos com a humildade de quem vê nelas uma oportunidade para aprender.

Seja como for, também para muitos pais, os males do seu crescimento nunca terão vindo por bem. Mas sem eles, muito provavelmente, nunca teriam reunido as competências com que a “escola da vida” lhes deu garra e perseverança, e os terá ajudado a ser acutilantes e afoitos para se tornarem mais guerreiros, mais aventureiros e vencedores.

Se é verdade que a vida nunca é cor-de-rosa para ninguém é de esperar que, apesar disso, todos os pais queiram poupar aos filhos as experiências mais cinzentas do seu crescimento, por mais que essas experiências possam ter dado um empurrãozinho fundamental para que eles sejam, hoje, como são. Mas, sendo assim, o grande desafio de todos os pais passa por não deixarem de dar colo, por não deixarem de proteger os filhos (nomeadamente, das dores mais preponderantes da sua própria infância) e, ao mesmo tempo, por lhes criarem as condições para que desenvolvam competências para o insucesso – sem as quais talvez não se conquiste nem a autonomia nem a robustez que os tornem fortes e audazes.

Por outras palavras: como se pode conquistar aquilo que algumas dores trarão sem que se tenha de sofrer com elas? Será esta, provavelmente, a quadratura do círculo que torna a educação dum filho desafiante e complexa. E a pergunta que fica será: como é que isso se faz? Com regras claras, com um permanente incentivo à autonomia e com uma relação mais verdadeira com os insucessos, por exemplo.

depressão infantil

Esta ideia tão protetora que os pais acabam por ter em relação ao crescimento das crianças é compreensível. E ajuda-nos a perceber que, se as protegem (quase) demais, talvez eles tenham tido muito mais experiências infantis de sofrimento do que as suas dores declaradas levariam a supor. Mas onde nos leva este ideal tão anti-depressivo de crescimento? Será razoável para o crescimento duma criança? E, por mais que a aspiração dos pais nos toque a todos, pode uma criança crescer à margem dos riscos ou das dores? E será que quanto mais as protegemos da dor mais as tornamos felizes? Receio que não.

Voltemos à “fórmula” anterior: a mim parece-me que quanto mais somos omissos nas regras (e esquecemos que os pais bonzinhos são pais suficientemente maus), quanto mais condescendemos com a falta de autonomia das crianças (a que os pais chamam preguiça, como se fosse ela um “defeito de fabrico”), e quanto mais pomos “pó-de-arroz” nos seus erros e nas suas falhas (como se qualquer dor parecesse um traumatismo) mais acabamos a criar condições para que as crianças se deprimam.

Porquê? Porque apesar de lhes darmos recursos fantásticos para o seu crescimento, talvez as poupemos às oportunidades de, com pequenas dores, elas os lapidarem e desenvolverem. Chegamos, assim, a um dilema: por falta de “dores do crescimento”, talvez não deixemos de lhes criar uma “imunodeficiência adquirida à dor”. E − sim! − em vez de as tornarmos robustas, ajudamos, mais do que seria o nosso desejo, para que se tornem frágeis.

Mas será que a fragilidade das crianças é uma fatalidade, como se elas estivessem condenadas a estar tristes? Claro que não! E é aqui que nos devemos centrar: por mais que erremos, muitas vezes, como pais, as crianças só parecem… crianças, em relação a tudo aquilo que se passa nas suas vidas, não tanto porque vivam distraídas mas, antes, porque os recursos saudáveis que os pais lhes vão fornecendo as torna autênticos “todo-o-terreno”. Não que sejam invulneráveis ao sofrimento mas, apesar das nossas falhas, não se partem. Mais: os erros dos pais serão, até, o sal do crescimento das crianças.

depressão infantil

Mas, se é assim, porque é que se fala, como nunca se falou, da depressão infantil? É verdade que todos os anos se registam muitos milhares de novos casos psiquiátricos de depressão nas crianças? E que isso se deva ou ao número de divórcios, ou à falta de famílias alargadas ou ao consumo excessivo de videojogos, ou à relação precoce com as novas tecnologias como há quem afirme?

Ora, não é verdade que hoje as crianças se deprimam mais! O que se passa é que a abordagem psiquiátrica do sofrimento das crianças, isso sim, tem ganho a preponderância que noutros tempos não existia. E, com mais rigor, que a medicalização psiquiátrica das crianças tem manifestado “saltos” exuberantes que parecem não merecer ponderação e que a hospitalização psiquiátrica de crianças começa a merecer uma aragem cada vez mais assustadora.

Como se, hoje, o sofrimento das crianças existisse como uma realidade surpreendente e enigmática (quase ao nível duma epidemia atípica), sem que se meçam as consequências que a dor depressiva foi tendo em todas as gerações anteriores (dos seus avós e dos seus pais, por exemplo) e que fez com que muito deles a expressassem por perturbações de comportamento graves e por inibições cognitivas claras (o que levou, por exemplo, ao longo dos anos, a presumir-se que existiriam crianças inteligentes e crianças burras, sem nunca se perguntar em que medida as dores que elas iam enquistando não terão representado uma verdadeira “força de bloqueio” para as competências afetivas e cognitivas que não deixavam de ter).

Por outras palavras: é verdade que há muitas crianças que se deprimem; é verdade que os pais são, hoje, mais competentes como pais do que as suas próprias famílias terão sido (e, por isso, há menos crianças a deprimir); é verdade que os pais são os verdadeiros anti-depressivos dos filhos (mas não deixa de ser verdade que as famílias mais alargadas de antigamente, por mais que fossem preciosas, não resolviam a dor depressiva da omissão e dos maus-tratos de muitos pais, muitas vezes mais graves do que aqueles que observamos hoje); e é verdade que as crianças se “estragariam” menos se trabalhassem menos e vivessem com menos stress e com menos compromissos (e que, até nisso, os pais podem dar uma ajudinha preciosa).

Mas, apesar disso, deixem-nas em paz! E lembrem a quem fala da depressão como um “perigo que se cura com gotinhas” que a tristeza é um formidável anti-depressivo. Não a tristeza crónica, claro. Mas aquela que todas as pessoas de coração grande, de sangue quente e de sensibilidade à flor da pele não deixam de ter. A tristeza que precisa de ser falada, e a que precisa do corpo, em silêncio, de quem gosta de nós, bem perto do nosso (por dez minutos, que seja). A tristeza que resulta de tantas pequenas-coisas dum dia-não que, quando se tenta descrever, dá um jeito precioso que haja quem nos sinta em si e que fale por nós.

Queremos, então, filhos capazes de estar tristes e menos deprimidos? Deixemos, por favor, de ser pais assustadiços. Vamos fazê-los filhos únicos, por meia hora, todos os dias. Não comecemos todas as conversas, em que vamos à procura de os conhecer melhor, com um “como foi a escola?”! Vamos deixá-los brincar, deixá-los correr, deixá-los sujar-se, deixá-los falar e deixá-los fantasiar! Lutemos para que sejam crianças em vez de jovens tecnocratas de sucesso. Que se permita que errem e zanguemo-nos sempre que façam de “certinhas”. Sentimo-los, primeiro; e imaginamo-los, depois. E arriscamos (arrisquem!) nos palpites que temos acerca do que se passa com eles quando se trata de falar. Mas falemos, por favor!

E, já agora, convém não esquecer: se há aspetos preocupantes na vida de muitas crianças o maior de todos será o lado medricas (e depressivo, até) de muitos pais.

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *