Família > Crescer > Pais em crescimento

Natal em família… Após o divórcio?

Natal família... Após divórcio?

O divórcio é um acontecimento que pode afectar bastante o espírito natalício. É possível que volte a haver um Natal em família depois de um divórcio? Saiba tudo com a Oficina de Psicologia.

A época natalícia simboliza a reunião da família, sendo um momento de união e de partilha entre todos os seus elementos. Havendo cada vez mais novos tipos de família – famílias “desmembradas” e famílias reconstruídas após uma separação ou divórcio – torna-se importante pensarmos um pouco sobre a forma como estas famílias podem tornar este momento o mais harmonioso possível, especialmente para as crianças.

As rupturas familiares podem nem sempre ser pacíficas, sendo muitas vezes marcadas por sofrimento, ressentimento e incompreensão, pelo que a época natalícia pode revestir-se de contornos difíceis, que implicam uma maior gestão emocional e das rotinas.

O mais frequente nas famílias de pais separados é a alternância anual da noite de Natal dos filhos em casa de cada um dos pais. Claro que é difícil não estarmos junto dos nossos filhos num dia tão marcante para todos, especialmente quando o divórcio/separação é ainda muito recente, pelo que é normal que possa ser penoso para o pai ou mãe ter de abdicar da presença do(s) filho(s) neste dia.

Imaginar este dia sem os filhos pode criar um sentimento de vazio, de tristeza e de perda. Na maioria das vezes, porém, esta situação é mais difícil para os próprios pais do que para os filhos pois, em geral, estes aceitam e lidam bem com esta mudança.

No fundo, o que faz com que a época natalícia seja vivida de forma positiva ou negativa pelas crianças é efectivamente a forma como os pais lidam com a situação.

Se as crianças têm, de facto, duas casas e duas famílias, é preciso normalizar as coisas e encarar também o Natal nesta perspectiva. É importante para todos que estes momentos sejam partilhados de igual modo por ambas as partes da família.

O que fazer, então, para que todos possam tirar o melhor partido desta situação? Se este ano não passa a noite de Natal com o(s) seu filho(s), deixamos-lhe algumas dicas práticas:

  • Antecipadamente (e mesmo que não sinta muita vontade…), façam juntos as decorações de Natal, criando momentos de intimidade e partilha. Esta pode ser uma excelente oportunidade para conversarem acerca dos medos e dúvidas do seu filho em relação à situação.

  • Se possível, tentem negociar a noite de Natal com um dos pais e o dia 25 com o outro. Esta divisão deve ser feita anualmente, para que seja mais organizador para a criança.

  • Na noite de Natal, permitam que o vosso filho entre em contacto telefónico com o pai/mãe ausente. Este contacto tornará a distância menos pesada. Fale com ele de forma alegre e securizante, de forma a não demonstrar que fica sentido com a situação. Deste modo, a criança não se sentirá dividida entre estes dois cenários.

  • Pode optar por dar as suas prendas ao(s) filho(s) quando estiver presencialmente com ele(s), para que possam partilhar este momento juntos. Porém, não tente substituir a sua ausência por uma maior quantidade de prendas.

  • Após a noite de Natal, questione com naturalidade acerca da consoada, mas sem interrogatórios ou críticas. Mostre-se interessado, mas sem segundas intenções.

Tente manter uma relação cordial e de respeito com o(a) seu(sua) ex-companheiro(a), mesmo que existam mágoas e ressentimentos. Aquilo que vos magoou enquanto casal não deve misturar-se com a postura que deverão ter enquanto pais.

Ao transmitir segurança ao seu filho de que tudo irá correr bem estará também a promover a sua estabilidade emocional. E todos podem ter um Natal feliz!

Casa é onde está o nosso coração, é onde nos sentimos amados, queridos e desejados, é o nosso porto seguro, o nosso abrigo. Se os pais conseguirem garantir que a criança se sente amada e protegida onde quer que esteja e com quem esteja, a criança irá sentir-se sempre ‘em casa’ “ (Ana Varão, psicóloga e mediadora familiar)

 

 

 

Susana Matos Duarte

Psicóloga Clínica – Oficina de Psicologia