Museu do Dinheiro: 5 razões irresistíveis para visitar com crianças - Pumpkin.pt

Patrocinado por museu do dinheiro

Museu do Dinheiro: 5 razões irresistíveis para visitar o Museu do Banco de Portugal com crianças

Evento gratuito!
Museu do dinheiro visitar com criancas o Museu do Banco de Portugal

Das experiências interativas às atividades pedagógicas, passando por tocar numa barra de ouro, descubra porque deve visitar o Museu do Dinheiro com os miúdos!

Visitar o Museu do Dinheiro com crianças é uma experiência muito enriquecedora: o museu combina diversão e aprendizagem para proporcionar uma experiência única e interativa sobre o mundo financeiro. Conheça 5 razões para visitar o Museu do Dinheiro com os miúdos e a experiência da Família Pumpkin.

A Família Pumpkin partilha: o Museu do Dinheiro proporciona uma experiência riquíssima para famílias com crianças, sobretudo a partir dos 6 anos. O Museu ensina de forma simples, interessante e interativa conceitos que podem ser complicados, e é uma experiência divertida para toda a família. Além da visita ao Museu, vale a pena aproveitar atividades que organizam em torno das exposições, desde concertos a oficinas para os mais novos. É um Museu com entrada livre e imenso valor!

1. Vão conhecer a história do dinheiro

O Museu do Dinheiro oferece uma oportunidade única para as crianças aprenderem sobre a evolução do dinheiro ao longo dos séculos. Podem explorar uma exposição interativa que conta a história do dinheiro, e como ele evoluiu ao longo dos séculos, desde as primeiras trocas mercantis até às moedas e notas modernas como o Euro.

Uma das nossas experiências preferidas foi o mapa-múndi interativo que permite às crianças “viajarem” no tempo e no espaço e descobrir factos relevantes sobre a história do dinheiro no mundo.

Museu do Dinheiro - Mapa-mundi

Exposições de moedas antigas, notas e outros artefatos históricos ajudarão as crianças a entender a importância cultural e social do dinheiro. Destacamos a sala do tesouro, onde, numa floresta tubular, encontramos exemplares raros que nos permitem descobrir episódios da história.

Também destacamos a sala cronológica de notas e moedas, que os pais apreciam sobretudo ao ver os escudos da sua infância.

2. Receber educação financeira (e sem pagar!)

O Museu do Dinheiro, cuja entrada e atividades são gratuitas, é um lugar fantástico para ensinar às crianças sobre o valor do dinheiro, a importância da poupança, e como administrar o dinheiro de forma responsável. As crianças podem aprender sobre planeamento financeiro, orçamento e a importância de poupar desde cedo.

Visitar o Museu do Dinheiro pode ajudar as crianças a desenvolverem uma compreensão mais profunda da importância do dinheiro nas nossas vidas diárias. Elas podem aprender sobre trabalho, salário, comércio e até mesmo sobre a importância de doar ou partilhar dinheiro com os outros.

Com uma exposição interativa e atividades práticas, o Museu do Dinheiro também permite compreender o funcionamento dos bancos e outros conceitos financeiros importantes.

aprender sobre finanças e sobreo Banco de Portugal no Museu do dinheiro

3. Participar em oficinas e atividades educativas

O museu oferece uma variedade de oficinas e atividades educativas gratuitas para crianças de diferentes idades. Os miúdos podem participar em workshops onde aprendem de forma lúdica sobre as exposições temporárias do Museu e conhecer mais sobre o dinheiro e o seu papel na sociedade. Para participar basta marcar previamente.

Podem consultar o programa de visitas e atividades do Museu do Dinheiro.

4. Abrir os horizontes

Na visita ao Museu do Dinheiro, começamos por pensar no conceito de dinheiro, com uma citação de Charles Dickens, e conversando com a estátua interativa de Hermes, que dialoga com o público propondo a troca de bens por outras formas de dinheiro.

Partimos do conceito para a descoberta da sua história e influência na sociedade. Viajamos no tempo, acompanhando a história do dinheiro e da sua evolução até aos dias de hoje.

Podemos também viajar até ao passado, descobrindo a Muralha de D. Dinis e aprendendo como a Baixa da cidade de Lisboa se transformou desde o século XIII ao século XIX.

Em finais do século XIII, Lisboa era um importante centro económico e de comércio, sujeito a ataques vindos do mar. Para defender pessoas e bens, D. Dinis mandou construir uma muralha na zona ribeirinha da cidade. Anterior à Cerca Fernandina, a Muralha de D. Dinis esteve em uso durante cerca de 75 anos e junto a ela desenrolava-se o dia-a-dia das gentes e sentia-se o bulício próprio da capital do reino.

Em 1755, o Terramoto de Lisboa danificou quase por completo a estrutura, que permaneceu soterrada mais de 250 anos. Em 2010, escavações arqueológicas realizadas durante a remodelação da sede do Banco de Portugal trouxeram o monumento de novo à luz do dia.

No Museu do Dinheiro, podemos visitar um troço da muralha original e descobrir objetos encontrados durante as escavações arqueológicas.

O Museu do Dinheiro permite-nos viajar também no espaço, descobrindo notas de outros países. Na sala dedicada às notas do Mundo, encontramo-las expostas em lâminas de vidro assentes num mapa-múndi desenhado no pavimento, que nos permite descobrir a riqueza da ilustração e a variedade dos elementos gráficos das notas, que refletem a diversidade cultural dos vários países.

Notas do Mundo

As crianças têm assim oportunidade de explorar as diferenças e semelhanças entre as notas de diferentes países e aprender sobre a diversidade cultural.

Também podem viajar espreitando num miradouro virtual que aponta, sobre a cidade de Lisboa, a localização dos bancos centrais da Zona Euro e dos países de expressão portuguesa.

5. Experiências únicas

O museu oferece várias atividades e experiências interativas únicas que as crianças (e adultos) vão adorar.

Na receção do Museu são entregues os bilhetes gratuitos que permitem participar e registar algumas das experiências interativas. No final da visita podem aceder no site do Museu do Dinheiro, para ficar com uma recordação da vossa visita.

O bilhete também permite interagir com várias experiências interativas que permitem testar os nossos conhecimentos ao longo da exposição – e às quais podemos aceder depois da visita.

Logo no início da sua visita, no piso 0 vão poder tocar – e se conseguirem, levantar – uma barra com mais de 12.6kg de ouro refinado, quase puro (99.9%)! Podem ver também de perto a porta da casa forte.

É ainda no piso 0, que conhecem as duas esculturas multimédia do deus Hermes, falando com os visitantes sobre trocas comerciais e mostrando o filme Memória do Sítio sobre a evolução de Lisboa desde o tempo medieval.

No piso 1, vão viajar pelo tempo e espaço com o mapa-múndi interativo e com a sala interativa que permite compreender o Banco de Portugal, a sua missão, responsabilidades e o impacto que tem na vida dos cidadãos.

No piso 2, vão poder aprender como são fabricadas as moedas e as notas e testar as vossas habilidades como especialistas em dinheiro, tentando identificar notas e moedas falsas ou até mesmo “criando” a vossa própria nota e moeda personalizadas.

Depois da visita, com o código e pin que podem encontrar no bilhete de entrada, podem aceder e descarregar a vossa nota ou moeda personalizada no site do Museu do Dinheiro.

O bilhete permite também interagir com uma instalação de realidade aumentada em que podemos apanhar moedas para “levar” no bolso.

Reunimos 5 razões para visitar o Museu do Dinheiro e vão certamente encontrar muitas mais – na receção partilham as 15 peças imperdíveis do Museu do Dinheiro, 15 tesouros que os mais pequenos podem ir caçando durante a visita.

As perguntas mais frequentes sobre o Museu do Dinheiro

Onde fica o Museu do Dinheiro?

O Museu do Dinheiro situa-se na antiga Igreja de S. Julião, no Largo de S. Julião, Lisboa

Qual é o horário de funcionamento do Museu do Dinheiro

O Museu do Dinheiro está aberto de quarta a domingo das 10h00 às 18h00

Qual o preço da entrada no Museu do Dinheiro?

A entrada no Museu do Dinheiro é gratuita.

Como chegar ao Museu do Dinheiro

Autocarro

Cais do Sodré:
208, 732, 736, 758, 760, 208

Praça do Comércio
206, 210, 706, 711, 728, 735, 759, 774, 781, 782, 783, 794

Metro

Estação da Baixa-Chiado
Estação do Terreiro do Paço

Barco

Terminal Fluvial da Praça do Comércio
Terminal Fluvial do Cais do Sodré

Elétrico

15E, 25E (Praça do Comércio)

Comboio

Estação do Cais do Sodré
Estação do Rossio

O Museu do Dinheiro tem estacionamento?

O Museu do Dinheiro não tem estacionamento próprio mas podem estacionar no Parque da Praça do Município, mesmo em frente ao Museu e no Parque da Boa Hora, que fica próximo.

O Museu do Dinheiro tem programas para escolas?

Sim, o Museu do Dinheiro tem atividades dinamizadas por mediadores profissionais que se adequam aos objetivos dos diferentes ciclos escolares. Podem consultar a oferta do serviço Educativo para escolas.

Contactos do Museu do Dinheiro

Também lhe pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votes, average: 4,50 out of 5)
Loading...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

<