O meu filho não tem de partilhar (e o vosso também não) - Pumpkin.pt

O meu filho não tem de partilhar (e o vosso também não)

O meu filho não tem de partilhar (e o vosso também não)

Porquê?

Vejam o cenário: chegam ao parque com o vosso rebento; ele leva o seu triciclo/bola/boneca fantástico e colorido e super especial; um ou mais miúdos no parque também querem brincar com o triciclo/bola/boneca e querem que o vosso filho partilhe. Pior, os pais desses miúdos esperam que o vosso partilhe. Afinal, partilhar é bonito. Ou não é? Conheça a perspectiva da Susana, do blog Ervilhas e Cenouras.

Partilhar pode ser muito bonito, se não estivermos a falar de doenças contagiosas, claro. Mas noto que há uma obrigatoriedade em cima das crianças de cederem os brinquedos que estão a usar quando uma outra criança chega e joga a carta da partilha. E há sem dúvida um peso enorme em cima dos pais para que ensinem os filhos a partilhar. Porque partilhar é bonito.

Entretanto, o pai/mãe desorientado obriga o filho a ceder os seu fantástico brinquedo interrompendo a brincadeira individual e qualquer história que esteja a ser imaginada e deixando no miúdo a sensação de que partilhar deixa-nos miseráveis. Mesmo que seja para brincar a dois, não era isso que ele estava a fazer e agora tem de se conformar com os desejos do outro só porque o outro assim o quis.

Outro cenário: chegam ao café; compram uma sandes e uma sopa, sentam-se e abrem o vosso portátil para ver o facebook e responder a uns e-mails; um ou mais adultos no café também querem o ver o facebook e quiçá responder a uns e-mails e pedem-vos que cedam o uso do vosso computador. E talvez um trinca da sandes. Estou a fazer-me entender? Porque é que esperamos comportamentos por parte das crianças que seriam ridículos nos adultos? Não estamos a ensinar e modelar como se comportam as pessoas?

É claro que eu empresto algumas coisas a algumas pessoas. Já aconteceu até emprestar o meu telemóvel a transeuntes perdidos que precisam de telefonar a alguém. Mas ninguém me obriga. É esse comportamento que eu quero que o meu filho adopte, que partilhar é muito bonito sim, mas que não temos de ceder as nossas coisas assim que alguém nos pede. Ou nunca, se não estivermos para aí virados. “Não” é uma resposta perfeitamente adequada quando alguém nos pede alguma coisa nossa.

Isto serve também para ensinar barreiras pessoais. É importante para mim que o meu filho saiba respeitar o espaço e os pertences do outros e que não sinta que tem direito a tudo aquilo que cobiça. Por outro lado, também acho importante ensiná-lo a lidar com as frustrações de querer muito brincar com uma coisa que é de outra criança sem vontade de partilhar. Já tive situações constrangedoras de pais a forçarem os filhos a partilhar coisas com o Simão e disse vezes sem conta que não era necessário, que o Simão tem de aprender que o mundo não é todo dele. Mas o estigma do miúdo que não partilha está mesmo arreigado e ninguém quer ser o pai do miúdo que não partilha com um bebé.

Compreendo os pais e educadores que tentam fazer de árbitro e dizem coisas do estilo “Já brincaste x minutos com o carrinho, agora brinca o Joãozinho x minutos”. Não. Não mesmo. É mau porque não é o adulto que sabe se o miúdo acabou a brincadeira em que estava imerso e é mau porque não temos de micro-gerir as interacções de partilha entre crianças. Por mim, até ao momento em que haja alguém a bater noutro ou miúdos mais crescidos a imporem-se nos mais pequenos, eu não vejo grande utilidade em intervir. Mais ou menos como ajo com os adultos.

Também é de valorizar vê-los a perceber que se partilharem com os outros, os outros irão partilhar com eles. Se calhar isto é uma visão um bocado egoísta da lindeza que é a partilha, mas não deixa de ser importante percebermos que os outros tratam-nos como nos os tratamos e que não podemos esperar gentilezas que nós próprios não fazemos.

Idealmente, espero criar um miúdo que queira brincar com os outros e partilhar aquilo que tem a maior parte das vezes; mas espero mesmo, mesmo, mesmo criar um miúdo que entenda que a aprovação do mundo não depende dele próprio ceder aquilo que lhe dá prazer para o prazer alheio. 

Posto isto, não, o meu filho não tem de partilhar os brinquedos se não quiser. E o vosso também não. Mas se alguma vez estiverem perdidos na rua, podem usar o meu telemóvel para fazerem uma chamada, ok?

3 comentários em “O meu filho não tem de partilhar (e o vosso também não)

  1. Ana Rodrigues Junho 14, 2020

    Compreendo e partilho da mesma visão. Tento intervir o menos possível e fazer com que a minha filha compreenda que o mundo não é todo dela.
    Mas há uma questão que surgiu ontem que foi difícil gerir. A minha pequena de 3 anos adora brincar com a amiguinha vizinha de 3 anos e meio. Ela veio até nossa casa, ficam felizes mas a minha filhota estava em modo “é meu”. Não estava a outra menina brincar com nada. Então puxavam, gritavam … tentei várias vezes falar com elas, tentei falar com a minha filha para saber se ela ainda queria brincar com a outra menina. Disse sempre que sim, ainda assim depois 90% do tempo estiveram a arrancar brinquedos e aos gritos. Até que estavam demasiado frustradas e decidi levar a nossa vizinha a casa dela. A minha filhota não gostou desta decisão, depois falei com ela e logo se acalmou. A menina vizinha aceitou pacificamente a minha decisão.
    A mãe da outra menina já me disse que quando elas vão para casa dela acontece o mesmo e que a minha filha diz palavras de calma à outra menina “calma, respira ” mas quando são os seus brinquedos tudo muda.
    Foi uma decisão difícil a que tomei … se foi a mais correta não sei mas naquele momento senti que sim.

    1. Dani Gonçalves - Equipa Pumpkin Junho 15, 2020

      Olá, Ana.

      Obrigada por partilhar a experiência connosco.
      Não são situações nada fáceis, e acreditamos que não há uma única forma de lidar com elas.
      Ficamos entre o muito que lemos e aquilo que vamos aprendendo. Decerto tudo correrá bem.

      Beijinhos abobrinhas 🙂

  2. Susana Junho 16, 2020

    Olá Ana! Quando eu digo que o meu filho não tem de partilhar, isto não se aplica a todas as situações. Se convidamos amiguinhos para virem brincar, ele pode tirar algum brinquedo do quarto que não queira partilhar ANTES deles chegarem, mas depois tem de partilhar o resto. Se não, convidou para quê? Isto é deixado bem claro com ele antes e até agora não tem havido problemas ;D Acho que é tudo uma questão de equilibrar o respeito pelos os limites das crianças ao mesmo tempo que ensinamos regras básicas de convivência (nem que para tal seja preciso um bocado de autoridade parental). Força!

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *