Corações com Coroa: combater a desigualdade! - Pumpkin.pt

Corações com Coroa: combater a desigualdade!

corações com coroa causas que apoiamos

Já ouviram falar da Corações com Coroa, uma associação empenhada em combater a desigualdade de género e a defender as meninas e mulheres?

Mais do que nunca, sentimos a necessidade de nos unirmos, apoiar iniciativas com as quais alinhamos os nossos valores, dar espaço para que todas as vozes cheguem a quem precisa de as ouvir.

Por isso, a Pumpkin vai dar a conhecer o trabalho incrível que tantas associações fazem no nosso País, e dizer-vos como podem contribuir, às vezes sem qualquer custo, para alimentar os sonhos de todos. Estas são as Causas que Apoiamos!

Causas que Apoiamos: Corações com Coroa

corações com coroa catarina furtado

Qual é a importância e a missão da associação Corações com Coroa?

Na CCC acreditamos que podemos aplicar todos os dias o maior de todos os poderes, o de mudar vidas. Em Portugal, a desigualdade de género ainda é uma realidade, as mulheres têm menor possibilidades de acesso aos seus objetivos, mas sabemos que é possível transformar realidades, sem as eternas desculpas das questões culturais.

É isso que fazemos, em todos os nossos projetos, seja na área da saúde, da não-discriminação, da violência doméstica ou no namoro, do racismo ou da xenofobia.

Faz igualmente parte da nossa missão alertar os responsáveis e agentes de decisão técnica e política para questões dos direitos humanos, fazer “advocacy”.

Lemos que todos os dias morrem 20 mil adolescentes no parto e que 200 milhões de meninas e mulheres vivem com as consequências de uma Mutilação Genital Feminina, mas tendemos a olhar os números como uma realidade distante. Não é. Além de que uma em cada três mulheres é vítima de violência ao longo da sua vida — e isto é tão verdade num país em vias de desenvolvimento, como na Suécia ou em Portugal.

Como é que começou a vossa história? 

A CCC nasce da experiência da fundadora e presidente, Catarina Furtado, que enquanto Embaixadora do UNFPA e documentarista tem viajado regularmente pelo mundo, para retratar realidades que impedem uma efetiva igualdade de género e prejudicam a vida e a dignidade das raparigas e mulheres.

Somos uma Associação Sem Fins Lucrativos e Organização Não Governamental para o Desenvolvimento, que promove a solidariedade, a inclusão e que contribui para uma sociedade mais justa, igualitária, sustentável e saudável, onde ninguém é deixado para trás.

Quais são as vossas principais áreas de intervenção? Que projetos estão a desenvolver neste momento?

A saúde materna, as desigualdades, a violência doméstica ou no namoro, o racismo e xenofobia são as nossas principais áreas.

Desde a fundação, atribuímos bolsas de estudo a raparigas em risco de abandono escolar (já demos até hoje 30 bolsas) e disponibilizamos atendimento diário, gratuito, nas áreas da psicologia e serviço social, facultamos apoio dentário, consultoria jurídica, etc.

Levamos às escolas uma peça de teatro/debate sobre a violência no namoro. E temos o nosso negócio social, o CCC Café, em Belém, cujas receitas revertem na íntegra para os projetos da Associação — um espaço mágico, uma esplanada, onde se consome com responsabilidade social e onde cada cliente se sente em causa.

Anualmente, promovemos também conferências temáticas e atribuímos os Prémios Corações Capazes de Construir, que distinguem trabalhos de jornalistas e publicitários
na área dos direitos humanos.

A atuação da associação é sobretudo feita em Portugal, mas o trabalho da CCC chegou já também à Guiné-Bissau, através do projeto “Tamo Junto!”, que permitiu já equipar uma nova ala da maternidade do Hospital Simão Mendes, na capital.

E daqui a 20 anos? Acreditam que a Igualdade de Género, como estratégia eficaz para combater a pobreza e a exclusão social, já terá sido alcançada? 

Temos de acreditar, é por isso e para isso que trabalhamos todos os dias, com os dados do passado, para construir o futuro. Ainda que muito demoradamente, as coisas vão evoluindo, não podemos é correr o risco de andar para trás nas conquistas conseguidas.

As meninas, as raparigas e as mulheres são quem mais sofre as discriminações de diferentes formas. E, com a pandemia, sabemos que as desigualdades sociais e de género foram acentuadas. Mas o nosso lema continua verdadeiro. “Apoiar uma mulher é apoiar uma família, uma comunidade, um país”.

Vários estudos de impacto realizados com base nos projetos implementados em vários países do mundo, nomeadamente em países em desenvolvimento, provam isso mesmo.

As mulheres com níveis de escolaridade mais elevados têm menos filhos e menos gravidezes não planeadas, maior probabilidade de casar mais tarde e de contribuir para o crescimento económico dos seus países. Tomam decisões informadas também em matéria da sua saúde e direitos sexuais e reprodutivos. Mas, globalmente, 130 milhões
de raparigas estão fora da escola e 63% dos adultos iletrados são mulheres. É preciso investir mais.

Como sobrevive uma associação? Onde encontram investimentos, apoios, parceiros e a equipa certa? Implica muita burocracia?

A Corações Com Coroa é feita de muitas vontades, individuais e coletivas. O trabalho da associação resulta do empenho das pessoas que a fundaram, dos seus órgãos sociais, da entrega dos nossos voluntários, mas sobretudo da generosidade dos sócios e das empresas que ao longo do tempo se foram juntando a nós, como patrocinadores e parceiros.

Desde 2017, contamos também com as receitas do CCC Café. Não dependemos de financiamentos públicos, enfrentamos as burocracias que lei exige, as nossas contas são públicas, somos uma instituição absolutamente transparente.

Qual a importância das associações no tecido humano e económico de uma sociedade?

As associações permitem unir vontades e podem ser um meio para criar um mundo melhor, com um “tecido humano” muito mais forte, simultaneamente mais resistente e gerador de solidariedade e empatia. Economicamente, têm o seu lugar próprio.

Não devem substituir-se ao Estado, embora possam ser financiadas ou agir em parceria. Como é o caso do nosso projeto artístico-pedagógico CCC Vai à Escola, por exemplo, que foi validado pela Direção-Geral da Educação (2016) e financiado pela Secretaria de Estado da Cidadania e Igualdade.

A maioria dos nossos projetos depende de patrocinadores e parceiros empresariais. Por exemplo, o nosso projeto CCC Café, é um projeto social que dá emprego a três pessoas e cujas vendas das refeições revertem na íntegra para os ordenados e as atividades da associação.

A pandemia de COVID-19 colocou-vos novos desafios? Como os têm ultrapassado?

A pandemia veio criar novos desafios a todos e a todas, e a Corações Com Coroa não foi exceção. Além dos constrangimentos do teletrabalho, tivemos de suspender o programa “CCC Vai à Escola” e, depois de algum tempo em take away, optámos também por encerrar temporariamente o CCC Café, até à reabertura das esplanadas,
anunciada para 5 de abril de 2021. Nunca, porém, baixámos os braços.

ccc café

Em março de 2020, decidimos manter a cozinha a funcionar para entrega de refeições ligeiras e snacks aos profissionais e auxiliares de saúde de hospitais de Lisboa, num projeto que acabou por se transformar num apoio alimentar semanal, o “CCC Café Colabora Comunidade”, para responder às necessidades surgidas entre as mulheres e famílias que frequentam o atendimento biopsicossocial da Associação.

Como é que os portugueses podem contribuir para esta causa, fazendo-a de todos nós?

Pelas suas características, a maioria das iniciativas regulares da Corações Com Coroa envolve uma pequena equipa fixa de profissionais [email protected] e só pontualmente contamos com a colaboração de voluntá[email protected] para tarefas específicas. Por isso, por regra, pedimos quem pretende fazer voluntariado que se inscreva de forma a poder
constar da nossa base de dados.

Existem, no entanto, diversas outras formas de apoiar a CCC, nomeadamente tornando-se só[email protected] da CCC ou adquirindo um dos pendentes “flying seeds”, assinados pela designer de joias Luísa Rosas.

Os portugueses podem também fazer-nos um donativo, através de transferência bancária para o IBAN: 0035 0716 00000 825 930 34. Ou ainda, em alternativa, optar por um patrocínio, associando-se a um dos nossos projetos, descritos no nosso site.

Também lhe pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

<