Gravidez > Saúde > Sintomas da gravidez

Sexo na gravidez: sim ou não?

Sexo na gravidez: sim ou não?

É seguro ter relações sexuais durante a gravidez? Faz mal ao bebé? Este é um dos assuntos que a grávida e o marido mais evitam falar com o médico, e por isso, a Sofia Serrano, médica ginecologista e autora do blog Café, Canela e Chocolate, decidiu deixar aqui algumas dicas sobre o assunto.

A verdade é que o desejo da mulher grávida é muito variável.

Ou seja, há grávidas que durante a gravidez nem podem ouvir falar em sexo (porque não apetece e pronto), há aquelas que se sentem mais motivadas que nunca, e há as que referem que estão exactamente na mesma, como eram antes de engravidar (em relação ao desejo).

Ter relações sexuais não faz mal ao bebé – se estivermos a falar de uma gravidez normal.

O bebé está protegido pela bolsa amniótica e pelo útero, e o colo do útero está fechado. E porque há maridos que pensam que a relação sexual vai “magoar” o feto, é importante falar disto com o casal.

O orgasmo feminino vai causar contracções e estas podem ser mais notórias mais para o fim da gravidez – mas são contracções indolores e transitórias.

Acreditava-se também que ter relações podia ajudar a grávida a entrar em trabalho de parto – mas um estudo recente veio mostrar que este factor não é muito relevante (nem para entrar em trabalho de parto antes de tempo, nem para as grávidas de termo).

A gravidez pode ser uma óptima oportunidade para explorar – principalmente novas posições, porque à medida que a barriga cresce, algumas podem ser menos confortáveis.

Há no entanto algumas situações em que as relações sexuais não são aconselhadas, nomeadamente se houver perdas de sangue ou se a bolsa romper.

As relações sexuais fazem parte da vida de um casal saudável e na gravidez, o bem-estar entre os dois deve ser cultivado – dentro em breve, vai haver um período de muitas noites em claro por outros motivos!

Para outras questões relacionadas com a gravidez, leia Dias de uma Princesa Grávida, o livro que Sofia Serrano escreveu juntamente com Catarina Beato – da comida ao desejo sexual, da primeira ecografia ao exercício físico, dos mitos ao esclarecimento, este é um relato, tão útil como emocionante e íntimo, da viagem mais incrível da existência – aquela que dura nove meses e muda a vida de uma mulher para sempre.