Gravidez > Engravidar > Fertilidade

Espermograma: o que é e para que serve?

espermograma

Um dos exames mais importantes para descobrir a causa da infertilidade masculina.

Hoje em dia, com o adiar da maternidade e paternidade, cada vez mais os casais se deparam com problemas de fertilidade e acabam por recorrer a tratamentos de infertilidade. No entanto, antes disso é importante que se desloquem ao médico a fim de detetar a causa da sua infertilidade – o que pode ser feito recorrendo a exames específicos, tal como o Espermograma.

Espermograma

O que é?

O espermograma é um exame que, através da análise do sémen do homem (coletada pelo próprio após a masturbação, de acordo com as orientações da Organização Mundial de Saúde), serve para analisar o estado da próstata e os espermatozoides.

Esta “análise de sémen” tem como propósito recolher dados que permitam saber se os espermatozoides são viáveis para engravidar ou não. Além disso, analisa também a saúde da próstata.

Por segurança, normalmente são realizados três espermogramas, com intervalo de uma ou suas semanas, de forma a obter resultados conclusivos e fidedignos.

É importante ainda referir que o espermograma não é um exame invasivo e não causa dor.

Razões para fazer o espermograma

O espermograma é indicado quando casais estão a tentar engravidar há cerca de 1 ano de forma natural e não conseguem. Com a contagem e análise morfológica do esperma é possível que fique a saber a provável razão de infertilidade.

Através da análise laboratorial do sémen (fluído que contém espermatozoides, açúcar e proteínas e que é libertado pelo homem através da ejaculação), o espermograma mede:

  • O volume de sémen;
  • A concentração de espermatozoides;
  • A liquefação do sémen, ou seja, a capacidade de este se tornar líquido;
  • O número de espermatozoides;
  • O tamanho e formato dos espermatozoides;
  • A velocidade dos espermatozoides;
  • O movimento dos espermatozoides.

O exame tem como finalidade descobrir se existe alguma razão física, genética ou imunológica que possa ser a origem da infertilidade masculina.

Procedimento

Em primeiro lugar há que colher uma amostra do líquido seminal (parte do sémen sem espermatozoides) para ser, posteriormente, analisada em laboratório. Apesar de poder ser feita em casa, a colheita deve ser realizada no laboratório, sendo que a amostra deve ser armazenada num recipiente esterilizado.

A colheita pode ser feita através de:

  1. Masturbação (sem lubrificante): a amostra de líquido seminal é despejada no recipiente.

  2. Coito interrompido: quando o homem retira o pénis do(a) parceiro(a) momentos antes da ejaculação e despeja a amostra de líquido seminal no recipiente.

  3. Preservativo especial: é um preservativo que não contém espermicida nem lubrificantes, o que pode interferir nos resultados do exame.

Depois, a amostra deve ser levada para o laboratório para que se possa estudar e tirar conclusões.

Orientações

Para obter uma boa amostra é necessário:

  • Evitar qualquer forma de ejaculação de dois a cinco dias antes da coleta;
  • Lavar as mãos e o pénis com água e sabão e limpá-los bem;
  • Passar o antissético fornecido pelo laboratório no pénis e na sua ponta, secando de seguida com gaze para evitar qualquer interferência no resultado do exame;
  • Não usar nenhum tipo de lubrificante.

Fatores que podem influenciar o resultado do exame

Os resultados do teste podem não ser conclusivos caso:

  • O paciente use medicamentos (deve sempre comunicar ao seu médico se tomar medicação);
  • O homem tenha, nos últimos tempo, ingerido muita cafeína, álcool ou drogas;
  • A amostra fique muito fria, pois a motilidade dos espermatozoides (a medida da capacidade de movimentação do espermatozoide), pode ser prejudicada;
  • A amostra fique muito quente, pois a contagem de espermatozoides pode diminuir devido à morte das células;
  • O paciente tenha sido exposto a radiação ou químicos, como pesticidas e espermicidas;
  • A amostra do líquido seminal esteja incompleta (o que acontece mais vezes mais do que se pensa, quando se opta por uma coleta que não seja por via masturbação);
  • O paciente não tenha ejaculado por muitos dias, o que pode causar uma variação muito grande no volume do líquido seminal coletado;
  • O paciente faça o teste doente ou stressado.

Veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *