Família > Passear > Passeios

Viagens que Inspiram pela Ciência

Ciência com crianças

Portugal é um país repleto da magia da ciência. Como explicá-la às crianças?

A Família Pumpkin adora explorar, conhecer e descobrir, e, por isso, lançou-se à aventura… e à estrada. O desafio teve tanto de inspirador quanto de divertido: 2018 é o Ano Europeu do Património Cultural, e, por isso, cruzámos Portugal na intenção de criar roteiros incríveis para famílias. Querem vir connosco nestas Viagens que Inspiram? A terceira é pela Ciência do nosso país.

“Viagens que Inspiram” tem o apoio Renault Grand Scénic, o automóvel para a família da nova geração. Com 7 lugares, permite alargar a diversão às viagens e ampliar o conceito familiar – no Grand Scénic há espaço para os pais e os filhos, os primos e os avós, e as suas funcionalidades foram pensadas para que todos, dos 8 aos 80 anos, possam aproveitar a viagem – que é a vida – juntos.

Renault Scénic

Viagens que Inspiram

Portugal é um país cheio de cientistas, ao contrário do que muitos possam pensar. Descubram coisas novas e ampliem o conhecimento que têm do Universo e das suas particularidades.

Escolhemos locais que estimulam o interesse e a curiosidade dos mais pequenos e permitam passar um bom tempo em família, com muitas atividades, descobertas e aventura à mistura.

Querem vir connosco nestes passeios que Inspiram os Pequenos Cientistas?

Centro de Ciência Viva do Lousal

Centro Ciência Viva do Lousal

Os Centros de Ciência Viva são conhecidos por explorar a ciência e, simultaneamente, dar conhecimento das suas funcionalidades aos mais pequenos de uma forma simples e divertida. Os espaços são pensados ao pormenor para explorar a curiosidade dos pequeninos e estimular o seu constante desejo por aprender novas coisas.

O Centro de Ciência Viva do Lousal, situado na antiga Mina do Lousal, fica próximo de Grândola e tem imenso para oferecer.

No Museu do Mineiro, podem ver a arqueologia industrial mineira e viajar no tempo com as crianças, e depois podem visitar a Galeria Mineira para imaginar como seria entrar na mina antigamente.

Os mais pequenos vão adorar ser mineiros por um dia e explorar na Mina pr’a gente pequena a magia debaixo da terra entre estas “pedras preciosas”

Vão poder aprender imenso com o Banho da Ciência, local onde os mineiros tomavam banho vão poder fazer experiências e saber mais sobre os minerais escondidos, e perceber um pouco do dia-a-dia dos trabalhadores.

Imaginam tudo o que é necessário para construir um carro? No espaço Sem Terra não há Carochas vão descobrir que recursos metálicos, não-metálicos e hidrocarbonetos, estão presentes nos antigos carros conhecidos como Carochas, um automóvel clássico português e favorito da família Pumpkin.

Vão poder ainda entrar  na Onda da Física, e aprender, através de um conjunto de atividades interativas, a diferença entre ondas mecânicas e ondas eletromagnéticas e descobrir as diferentes radiações (e cores) do espectro eletromagnético.

No final, ainda podem visitar a verdadeira Mina do Lousal e passear pelas galerias, onde antes se extraía minério e que hoje são moradias de pequenos morcegos – uma experiência inesquecível!

Centro de Ciência Viva de Lagos

O Centro de Ciência Viva de Lagos foi inaugurado num antigo solar setecentista de traça pombalina. O equilíbrio da fachada, o jardim, os pátios exteriores e a vista tornam este espaço muito agradável.

Com um espaço bastante abrangente recebe palestras para debater ideias, exposições e ainda diversas atividades para as famílias desfrutarem dos seus meninos entre brincadeiras. O jardim permite correrias e muita excitação ao ar livre, enquanto vão brincando e aprendendo com experiências de física ao livre.

Dentro do edifício encontram exposições interativas que nos mostram como a ciência foi importante no período dos Descobrimentos e ensinam, de forma simples, conceitos de física que foram a base dos instrumentos de navegação da altura.

Entre atividades diversificadas, a aventura do saber, dos porquês e das respostas, é permitido aos meninos brincarem com robôs e drones controlados através de tablets, estimulando assim a coordenação motora, a sua destreza e o seu conhecimento.

Além disso, a programação do Centro inclui ainda observações astronómicas e oficinas experimentais, adequadas para a faixa etária dos participantes. Mexer é, no Centro de Ciência Viva de Lagos, a palavra-chave.

 

Centro de Ciência Viva Aveiro

Centro Ciência Viva Aveiro

Instalado no edifício da antiga Companhia Aveirense de Moagens, o Centro de Aveiro tem várias exposições interativas com temas diversos e atividades para miúdos e graúdos aprenderem a brincar.

Na exposições, Mãos à Obra, as crianças fazem mesmo isso: pôr mãos à obra e brincar com as leis da ótica através do manuseamento de um Labirinto Ótico, observar as diferenças de temperatura do corpo humano com uma Câmara Térmica e, até escrever mensagens em Código Morse. Saímos de lá com os cabelos em pé de tanto que aprendemos – podem ver no vídeo que foi mesmo assim!

Há ainda uma exposição sobre luz que convida a uma viagem ao mundo dos hologramas, na qual pais e filhos são levados a explorar a ciência que está por trás das imagens 3D, percebendo assim como se criam afinal estas figuras que parecem pessoas reais.

No Centro de Ciência Viva de Aveiro também na cozinha se aprende e não é sobre como cozinhar, mas sim sobre as transformações químicas pelos quais os alimentos passam enquanto estão a ser cozinhados. Parece que a química, a física e a ciência estão mesmo em todo o lado, não é?

Podem ainda programar um robô para fazer várias coisas, entre os quais seguir uma determinada linha, pintar ou, até mesmo, chutar uma bola. Parece divertido, não é? E é mesmo!

 

Galeria da Biodiversidade do Porto

Galeria da Biodiversidade do Porto

A Galeria da Biodiversidade, que também faz parte da rede de Centros de Ciência Viva está situada num dos locais mais emblemáticos do Porto, na Casa Andresen, no Jardim Botânico do Porto. Só a visita aos jardins já valia a pena, mas a Galeria é imperdível.

Neste local a arte cruza-se com a biologia e a história natural do planeta, estimulando assim miúdos e graúdos a novas experiências sensoriais. O edifício é lindo e as instalações encaixam perfeitamente no espaço, onde se destaca o enorme esqueleto de uma baleia azul.

Através das suas instalações, a Galeria mostra aos pais e aos mais pequenos a importância da riqueza da diversidade existente no planeta Terra, através de diferentes perspectivas – do seu valor estético até à importância desta para a saúde e para a alimentação.

Na Galeria pode descobrir também onde se reflete esta diversidade, das plantas aos animais e, em especial, da espécie humana.

Uma das obras que impressionou a Família Pumpkin foi o placar onde a biodiversidade se espelha nas fotografias que realçam os rostos de pessoas de todo o mundo, revelando uma enorme quantidade de raças e cruzamento genético que resultam em homens e mulheres com traços muito peculiares. É caso para dizer, “a diversidade do mundo é mesmo extraordinária”!

Galeria da Biodiversidade

Podemos ainda dizer que, na Galeria da Biodiversidade do Porto, é possível perceber que a salvaguarda da biodiversidade é essencial, sendo  esta uma mensagem que os mais pequenos levam para a vida.

Pavilhão do Conhecimento

Pavilhão do Conhecimento

O Pavilhão dos Conhecimento é um dos locais de eleição das famílias para explorar a ciência com os seus pequenos, com várias exposições interativas temporárias e permanentes.

Por exemplo, a oficina Dóing tem atividades onde pode aprender sobre mecânica, eletrónica, modelação 3D, programação e robótica, sempre com o objetivo de por mãos à obra. Assim, aprendem como a ciência, a arte e a tecnologia andam sempre juntas.

No laboratório, as crianças são convidadas a vestir a bata de cientista por um dia e fazer experiências como um verdadeiro profissional. Têm também o cantinho da Ciência, no qual os meninos encarnam uma personagem e vivem de acordo com a figura escolhida.

Além disso, têm até Setembro a exposição “Angry Birds”, no qual as fisgas gigantes e grandes (mas mesmo muito grandes), estruturas de slides e de escalada proporcionam um dia cheio de ação e de aventura.

A atividade “Explora” consiste em levar os meninos para o espaço exterior do Pavilhão e em explorar o que há na fauna, recolhendo amostras de folhas e outras coisas para depois observarem e verem os seus constituintes.

No Pavilhão do Conhecimento, podem ainda encontrar o cantinho “Brincar Ciência”, onde os pequenos cientistas entre os 3 e os 6 anos podem brincar explorando as leis da física.

Com estes e tantos outros espaços, não faltará, com certeza, diversão, aventura e aprendizagem.

 

MAAT

MAAT

No Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) encontramos a Central Tejo, um exemplar único do património histórico, industrial e arquitetónico da primeira metade do século XX. É uma Central Térmica onde se produzia eletricidade a partir do carvão e que alimentava a cidade de Lisboa.

A visita às instalações é impressionante, porque se encontra a maquinaria original e uns bonecos que emitam os operadores que lá trabalhavam na altura em que Central Térmica ainda estava aberta e funcional.

Subindo para as plataformas, é possível entrar numa fornalha para ver como era por dentro, e, pressionando num botão, pode até ouvir “mais pressão na fornalha”, concedendo uma grande realidade ao que se vive nesta visita.

Descendo as escadas, existem dois pisos, um térreo e outro um andar abaixo. No nível inferior pode observar os trabalhadores (os modelos) a recolher as escórias de carvão. Dessa forma, fica com uma boa ideia do que era trabalhar numa central nessa altura, tal como a família Pumpkin.

Nesta exposição, como não podia deixar de ser, também se aprende como se produz e distribui a eletricidade – têm até um modelo com as redes de distribuição das centrais até às cidades.

Numa outra área, já fora da Central, vai descobrir mais sobre a eletricidade através de experiências giras e simples que os miúdos adoram – de tal forma que o problema vai ser convencê-los a saírem de lá!

O MAAT organiza visitas guiadas e oficinas de ciência durante todo o ano. Aproveitem para aprenderem ainda mais.

 

Centro de Ciência Viva de Guimarães

Centro Ciência Viva Guimarães

Apelidada de Cidade-Berço de Portugal, Guimarães conta também com um Centro Ciência Viva a não perder.

Localizado na antiga Fábrica de Curtumes Âncora, o Centro proporciona às famílias manhãs ou tardes divertidas num espaço interativo onde se divulga a ciência e se incentiva os miúdos a questionarem-se e encontrarem respostas científicas e tecnológicas para as suas (muitas) perguntas. Será através dessas respostas que irão alcançar o conhecimento!

No Centro descobre mais sobre a acústica – as crianças gritaram de alegria. Percebe melhor a física das pontes – e toda a família conseguiu passar uma ponte sem a deitar abaixo. Podem brincar com robôs e até jogar à bola com eles.

Aprendemos a reciclar plástico e porque é que é tão importante proteger o ambiente.

No fim, ainda podem dar uma volta ao universo e conhecer melhor o sistema solar. A Família Pumpkin saiu com a cabeça nas estrelas e com vontade de voltar.

Por todo o país podem encontrar estes espaços e outros Centros Ciência Viva. Estes garantem horas de diversão e aprendizagem para toda a família, desde os mais pequenos aos mais crescidos, que vão relembrar e aprender imenso também!

Já viram as outras viagens que fizemos, pela História e Monumentos de Portugal e pela Arte?

Famílias que Inspiram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *