Família > Sãos e salvos > Saúde infantil

Triste, irritado ou deprimido? Como sinalizar depressão em crianças e jovens

Triste, irritado deprimido? Como sinalizar depressão criancas jovens

A depressão em crianças e jovens é uma realidade. A Oficina de Psicologia ensina-o a identificar se o seu filho está triste, irritado ou deprimido. 

Falar-se em depressão na infância e adolescência é algo relativamente recente, uma vez que a depressão infantil, apenas nas últimas décadas têm sido objeto de maior atenção por parte dos profissionais de saúde.

Durante muitos anos, e possivelmente, ainda nos dias de hoje, pode assumir-se que a depressão foi “negligenciada” quando associada a crianças e jovens.

Tal facto, pode ser explicado, por um lado, porque os primeiros estudos relativos às perturbações depressivas incidiram especialmente na população adulta. Por outro lado, porque na infância e adolescência, os sintomas manifestam-se de forma ligeiramente diferente.

Ainda que a depressão (independentemente da idade), se refira a uma patologia caraterizada pela presença de uma alteração do humor e perda de interesse, existe um conjunto de sintomas que nas crianças, parece manifestar-se de forma “camuflada”, o que por vezes pode dificultar o diagnóstico inicial.

É comum, na prática clínica, por exemplo, os pais chegarem à consulta com a criança apresentando como principal queixa, as birras, o choro frequente e os comportamentos pouco ajustados à sua idade, e quando vamos a avaliar, percebemos que aqueles comportamentos traduzem uma depressão.

E quais as razões que podem levar uma criança ou adolescente a deprimirem? São muito variadas as razões que nos levam a identificar se uma criança ou um adolescente, poderá estar deprimida (o).

Em alguns casos, pode estar relacionado com sentimentos de rejeição ou abandono, noutros, por estarem expostos a críticas constantes (na escola, em casa, em contextos onde interagem diariamente); por situações relacionadas com o bullying; perda de algum familiar significativo; má integração escolar e ainda por pais ou outros cuidadores estarem deprimidos.

A depressão tende a expressa-se de forma diferente ao longo do desenvolvimento.

Alguns dos sintomas manifestados na infância e adolescência, são diferentes daqueles que se observam em adultos, isto porque, as crianças tendem a apresentar maior dificuldade em comunicar de forma verbal aquilo que estão a sentir ou a pensar, o que em alguns casos, se traduz em comportamentos mais externalizantes.

 

Mas como podemos identificar se a criança ou adolescente esta deprimida (o)?

Primeiramente, é importante esclarecer que existe um conjunto de sintomas que podem variar e manifestar-se de modo diferente, em função da etapa de desenvolvimento onde a criança ou adolescente se encontra.

Assim, de uma forma breve poderemos assinalar alguns indicadores, que poderão ser fundamentais para o diagnóstico de depressão e adolescência.

Nas crianças mais pequenas (até por volta dos 5 anos), é comum observar-se:

  • Alterações de humor (maior irritabilidade e frustração);
  • Problemas no sono (presença de pesadelos recorrentes);

  • Queixas somáticas (dores de barriga, náuseas, dores de cabeça);

  • Choro intenso (aparentemente pode parecer não existir até uma razão para o choro naquele momento);

  • Atraso no desenvolvimento

  • Retraimento social e em alguns momentos ansiedade de separação

  • Problemas ao nível da alimentação – recusa em comer, falta de apetite.

Em crianças que se encontram em idade escolar, especialmente entre os 6 e os 14 anos, alguns dos indicadores que a criança poderá estar deprimida são essencialmente:

  • Humor disfórico;

  • Maior isolamento e afastamento do grupo de pares;

  • Sentimentos de culpa;

  • Dificuldades na alimentação e sono (hipersónia ou insónia);

  • Irritabilidade, maior hostilidade e desobediência;

  • Agitação ou Inibição Psicomotora;

  • Menor persistência nas tarefas individuais e (ou) em grupo, tanto em contexto escolar, como em casa, denotando-se uma recusa na execução de tarefas que anteriormente eram desempenhas com bom grado;

Na adolescência mais tardia (14-18), as manifestações são essencialmente iguais aquelas acima descritas (ao nível do humor, isolamento, dificuldades ao nível do sono, etc.), mas pode ainda ser habitual, o adolescente deprimido apresentar:

  • Dificuldades ao nível do desempenho escolar;

  • Ausência de prazer nos vários contextos de interação (escola, desporto, grupos de jovens);

  • Presença de comportamentos de auto mutilação e ideação suicida.

Sabia que a Oficina de Psicologia tem uma equipa especializada na saúde mental das crianças e jovens pronta para vos receber, esclarecer todas as vossas questões e realizar um apoio adequado e ajustado às vossas necessidades, caso seja necessário?

Atualmente, sabe-se que quadros de depressão em idade precoce, podem comprometer gravemente a vida das crianças e adolescentes, causando um sofrimento que é muitas vezes vivenciado de forma solitária.

Estudos recentes, indicam ainda que a depressão infantil, aumenta o risco de desenvolver-se quadros depressivos na idade adulta, pelo que se torna cada vez mais importante identificarmos comportamentos que possam indicar a presença de uma depressão, para que precocemente se consiga intervir de uma forma eficaz, proporcionando-se um desenvolvimento saudável.

 

Cecília Santos

Psicóloga Clínica

Oficina de Psicologia