Como combater a obesidade infantil pós-pandemia? - Pumpkin.pt

Como combater a obesidade infantil pós-pandemia?

obesidade infantil

Em Portugal, 1 em cada 3 crianças de 6 a 9 anos vive com excesso de peso ou obesidade.

No nosso país verifica-se que uma em cada três crianças (29,6%) tem excesso de peso e 12% obesidade, continuando esta a ser a doença mais prevalente na infância e um importante problema de saúde pública.

Délfia Lopes, da Mun-Si, explica-nos a importância do papel dos pais para combater a obesidade infantil e explica-nos a problemática em torno do estigma associado à doença.

Qual o papel da família e como combater a obesidade infantil?

O ambiente familiar tem uma grande influência no estado nutricional da criança, já que tem um grande impacto no desenvolvimento de comportamentos alimentares saudáveis e de atividade física.

É importante salientar que, os responsáveis pela criança é que determinam as opções disponíveis, portanto é importante garantir que essas escolhas alimentares e essas opções sejam as mais saudáveis. Além disso, devem modelar esse comportamento (saudável) é realmente decisivo.

Estudos que evidenciam o aumento da prevalência de obesidade parental durante o período de confinamento, consideram que agrava o ambiente obesogénico em que as crianças se desenvolvem, já que uma criança de pais obesos tem mais probabilidade de desenvolver obesidade e de se tornar também um adulto obeso.

Estratégias para combater a obesidade infantil

Torna-se assim importante evitar a criação de um promotor de obesidade (ambiente obesogénicos) em casa e incentivar a adesão a um estilo de vida saudável.

Podem combater a obesidade infantil com pequenos passos:

  1. Concentre-se na saúde, não em uma determinada meta de peso. Ensine e modele atitudes saudáveis e positivas em relação à alimentação e atividade física sem enfatizar o peso corporal.
  2. Concentre-se na família. Não separe crianças com excesso de peso. Envolver toda a família e trabalhar para mudar gradualmente hábitos alimentares e de atividade física da família. Sempre que possível partilhem as refeições em família.
  3. Disponibilize uma grande variedade de alimentos saudáveis com base na Roda Mediterrânica.
  4. Incentive as crianças a experimentarem uma variedade de alimentos saudáveis, como vegetais; lembre-se que podem ser necessárias várias tentativas para as crianças aceitarem um novo alimento

Inclui melhores escolhas alimentares, a prática de exercício físico, diminuição de comportamentos sedentários, como a redução das horas passadas a ver televisão ou no computador, e horas sono adequadas à faixa etária.

Obesidade infantil: preconceito, estigma e discriminação

O preconceito de peso, o estigma e a discriminação são temas comuns e que causam danos significativos, principalmente em crianças. A narrativa generalizada que atribui a causa da obesidade principalmente à responsabilidade pessoal reforça muitos estereótipos.

Este estigma faz com que as pessoas com sobrepeso ou obesidade internalizem a sua experiência, contrariando a perda de peso.

A comunicação é a chave, devendo ser positiva e respeitadora, de maneira a criar um ambiente seguro, levando a criança a sentir-se motivada e aberta a mudanças e não ameaçada pelo preconceito do peso. Deve incentivar o autoconhecimento e a estimulação do valor pessoal qualquer que seja o valor do seu peso.

Neste acompanhamento psicológico estão envolvidos os educadores, os pais e a comunidade onde a criança está inserida. A educação e a sensibilização para o combate ao bullying poderá ser potencial através de palestras, programa sociais e espaços de discussão. Estes tipos de ação iram participar no combate ao estigma e preconceito e contribuir para a manutenção da vida saudável, ao nível físico e psicológicos, de toda a população.

Também lhe pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votes, average: 4,00 out of 5)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

<