Família > Sãos e salvos > Saúde infantil

Constipações – o que é e como se pode tratar

Constipacões - é como se pode tratar

Constipações, Corizas e Resfriados, são nomes comuns para as Rinofaringites, que afetam com frequência crianças e adultos, sobretudo no Inverno. O Dr. Armando Fernandes ajuda a saber mais sobre esta doença, e a saber o que fazer em caso de contágio.

A rinofaringite é a doença mais comum entre as crianças, podendo ser causada por mais de 200 tipos de vírus.

A sua frequência aumenta à medida que a criança contacta com outras crianças, particularmente em ambientes fechados (especialmente: infantários, escolas, centros comerciais, etc.). São também mais frequente durante o Inverno.

Abaixo dos 5 anos de idade, as crianças podem ter entre cinco a seis a oito resfriados por ano.

Período de incubação: 2-5 dias

Manifestações clínicas

  • Febre (geralmente < 39 ºC), 
  • obstrução e/ou congestão nasal, 
  • corrimento nasal aquoso, 
  • diminuição do apetite, 
  • irritabilidade, 
  • dificuldade em dormir, etc. 
  • Em lactentes pequenos pode haver agravamento das cólicas e do bolçar.
  • Por vezes, pode surgir: dor de garganta, dor de cabeça, olhos vermelhos, rouquidão, tosse, etc.

Período de contágio: Desde o início do corrimento nasal até ao desaparecimento da febre

Evolução

A maioria das constipações melhora em 3-5 dias.

Complicações

Em cerca de 5% das crianças constipadas podem surgir complicações, designadamente:

  • conjuntivite purulenta, 
  • adenoidite aguda, 
  • otite média aguda (principalmente em crianças pequenas), 
  • rinossinusite aguda 
  • e/ou infecção respiratória baixa (“bronquiolite”, pneumonia, etc.), etc.

Tratamento

Na criança mais jovem, use soro fisiológico, água do mar “esterilizada” com jacto muito suave (Nasomar® Lactente, Unimer® Pediatric Isotonic, etc.) ou ácido hialurónico (Wet® Spray Nasal) para reduzir a congestão nasal; posteriormente, pode aspirar o corrimento nasal com Narhinel Aspirador® Nasal ou Libenar® Aspirador Nasal*

Na criança mais velha, além dos anteriores podem utilizar-se descongestionantes nasais (como Neo-Sinefrina®, Vibrocil®, Nasorhinathiol®, etc.) durante 3-5 dias.

Medicamentos para a febre, como paracetamol (Ben-U-Ron®, Panasorbe®, etc).

Ofereça líquidos frequentemente à criança, preferencialmente água.

Não force a criança a comer alimentos sólidos

Os antibióticos não são necessários e só devem ser utilizados em caso de complicações bacterianas (por ex. adenoidite, otite, sinusite, pneumonia, etc.) e com prescrição pediátrica.

Prevenção

  • Higiene adequada das mãos
  • Evitar espirrar ou tossir para cima dos outros (uso de máscara, etc.) (o ideal é ficar em casa!)
  • Evitar os grandes aglomerados populacionais, principalmente em locais fechados (estabelecimentos de ensino, centros comerciais, etc.)
  • Bom arejamento das instalações

Peça ajuda pediátrica se:

1 – Dificuldade respiratória importante**

2 – Irritabilidade ou apatia marcadas

3 – Otalgia (dor de ouvido), otorreia (saída de secreções mucopurulentas ou mucosanguinolentas pelo canal auditivo externo), etc.

4 – Dor no peito

5– Odinofagia (“dor de garganta”) com ou sem pontos brancos nas amígdalas

6 – Nenhuma melhoria ou febre persistindo mais de 72 horas

7 – Criança com menos de três meses de idade

8 – Corrimento nasal amarelado ou esverdeado

9 – Corrimento nasal aquoso persistindo mais de 7-10 dias

Última actualização em 26-12-2012.

 

Atenção:

A informação aqui apresentada é geral e de carácter informativo, sendo necessários uma avaliação e um plano de actuação concreto e adequado às características e às necessidades específicas de cada criança/jovem, pelo que o autor não se responsabiliza por quaisquer danos provocados por má prática, por erros de interpretação, de diagnóstico, de cálculo, de prescrição ou quaisquer outros.

PARA MAIS ESCLARECIMENTOS CONTACTE O PEDIATRA ASSISTENTE DO SEU FILHO OU CONTACTE A LINHA SAÚDE 24, ATRAVÉS DO NÚMERO 808 24 24 24.

Informações gentilmente cedidas pelo Dr. Armando Fernandes, médico pediatra, assistente hospitalar do Hospital de Santa Maria e Assistente convidado da Faculdade de Medicina de Lisboa.