Família > Lifestyle > Poupar

Que soluções de poupança existem para crianças?

Que soluções de poupança existem para crianças?

Investir no futuro das crianças é essencial para que se possa dar a melhor educação e as oportunidades que elas merecem e que qualquer pai pretende para os seus filhos. Para ter uma poupança consistente, existem várias soluções no mercado com diferentes caraterísticas.

Qualquer pai quer dar aos seus filhos tudo aquilo a que eles têm direito. Por isso mesmo é que muitos casais investem, cada vez mais, em soluções de poupança para os pequeninos. Afinal de contas, são formas fáceis de preparar um terreno sólido para o momento em que atingirem a maioridade. Se é verdade que quanto mais cedo começar melhor, é também um facto que nunca é demasiado tarde para considerar esta opção.

Escolher a melhor solução de poupança é crucial e é nesse primeiro passo que muitos pais se sentem perdidos. Afinal, que serviços financeiros compensam mais: serão as contas à ordem, os depósitos a prazo ou os seguros de capitalização?

Vamos tentar perceber cada um deles para que possa escolher a melhor alternativa se estiver a ponderar esta decisão.

Conta à ordem.

As contas à ordem funcionam para as crianças da mesma forma que para os adultos: trata-se de uma conta onde vai depositando dinheiro, normalmente sem juros associados, o que significa que não trará retorno extra, ao contrário do que acontece com as contas-poupança (cuja maior parte atualmente não está a oferecer juros vantajosos).

Apesar disso, não existem comissões de manutenção associadas a este tipo de conta, o que se revela uma vantagem, e poderá ser reforçada sempre que se quiser. O montante manter-se-á na conta até ao dia em que o seu filho decidir tirar dele proveito.

Depósito a prazo.

Um depósito a prazo (às vezes designado por conta a prazo) é um produto bancário através do qual o cliente deposita um determinado montante e acorda um prazo específico durante o qual se aplicam taxas de juro que permitirão fazer render o dinheiro investido. Por norma, quanto mais longo for o prazo acordado, mais elevadas serão as taxas de juro.

É apenas findo o prazo acordado que se poderá reaver o montante investido, bem como o valor correspondente à rentabilidade.

Mesmo sendo uma opção segura, porque não implica perda do capital investido, hoje em dia os bancos não estão a oferecer taxas de juro muito apelativas. Logo, só com um depósito avultado é que esta modalidade se pode revelar realmente rentável.

Seguros de capitalização.

Com um seguro de capitalização, o montante que colocar de parte será constantemente investido até ao final da vigência do contrato. Isto significa que o seu dinheiro e os juros que acumular desse montante são investidos e reinvestidos todos os anos em ativos diferentes, para que esse valor seja potenciado ao máximo.

Porém, a desvantagem dos seguros de capitalização assenta no facto de representarem um maior risco para os clientes, não sendo tão seguros como, por exemplo, os depósitos a prazo. Não obstante, é inegável que permitem um maior retorno económico e apresentam vantagens fiscais face a outros produtos financeiros, uma vez que a tributação vai diminuindo ao longo do tempo do investimento.

Os seguros de capitalização dividem-se duas modalidades:

  • Entregas Periódicas, em que o cliente deposita mensalmente um dado valor;
  • Entrega Única, que permite apenas um depósito inicial.

Regra geral, com este tipo de poupança não poderá reforçar a sua conta e se pretender resgatar antecipadamente o valor que amealhou, sofrerá penalizações.

Um-dó-li-tá, melhor poupança, qual será?

Escolher a melhor solução de poupança para as abobrinhas não é fácil, uma vez que todas apresentam diferentes vantagens e desvantagens.

Em primeiro lugar, deve sempre analisar os custos que os produtos financeiros têm (comissões a pagar ao banco e impostos), mas também os benefícios que as instituições financeiras oferecem. Para além disso, deverá analisar a sua situação económica para perceber qual deverá ser o montante a investir. Se tiver curiosidade em conhecer exemplos concretos e simulações daquilo que o mercado está a oferecer, consulte aqui.

Em conclusão, os seguros de capitalização são a opção que apresenta uma relação custo-benefício mais apelativa, mas a verdade é que esta trata-se de uma escolha muito pessoal e depende de vários fatores: das suas economias, das suas finanças pessoais e das suas possibilidades em despender mensalmente um determinado montante.

Se encontrar alguma incorreção contacte-nos por favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *