Família > Crescer > Desenvolvimento

Oh, mãe! Eu não quero vestir esta roupa!

Oh, mãe Eu não quero vestir esta roupa

É com certeza uma frase ouvida em muitas casas!

A partir dos 3, 4 anos as crianças começam a expressar mais visivelmente a sua própria vontade e podem fazê-lo de variadas formas. Muitas manifestam-no ao vestir-se, antes de irem para a escola, recusando-se a usar o que estava já pensado e levando a que as manhãs se tornem momentos de verdadeiro stress para os pais!

“Devo deixar que ele vá vestido como quiser?”, “Zango-me e contrario?”, “Fico ao pé dele até que se acalme?” são algumas perguntas que pairam na nossa cabeça durante as birras.

Ora bem, não há propriamente UMA resposta, até porque cada criança é única e mesmo entre irmãos há estratégias que funcionam num e não noutro. Mas aqui fica um conjunto de ideias e dicas que poderá facilitar a forma como lidamos com eles nessas alturas ou na antecipação destas:

  • Deixar a roupa preparada de véspera: dá-nos mais tempo para poder conversar com eles, mostrar-lhes o que temos pensado e até permitir que dêem palpites. É importante ir-lhes pedindo feedback de forma a percebermos com que peças se sentem melhor, quais é que têm mais significado para eles, promovendo o seu auto-conhecimento.
  • Dar a escolher entre duas ou três opções: não os limitarmos a uma escolha nossa definitiva e autoritária mas darmos oportunidade a que decidam entre hipóteses que consideramos adequadas.
  • Conversar: é sempre útil ir explicando a diferença das roupas conforme a estação do ano em que nos encontramos, o momento e situação onde é utilizada. Mesmo os mais pequenos vão começando a perceber que no inverno se usa meias ou que no verão não é preciso camisola. Ajuda se dividirmos por gavetas e lhes pedirmos que colaborem.
  • Negociar: em vez de usarmos a chantagem e os ameaçarmos com uma determinada penalização poderemos optar pelo contrário. Combinar com eles um dia em que podem livremente ser eles a escolher, por exemplo no fim-de- semana; ou vestirem o seu fato de carnaval preferido mal cheguem a casa.
  • Evitar gritos e insultos: em nenhuma ocasião é bom para a criança que nos descontrolemos. E muitas vezes não é fácil em situações de stress. É importante que tentemos manter a calma, de forma a não intensificar o que se está a passar.
  • Mostrar um detalhe engraçado na roupa: todas as crianças gostam de “novidade”. Apontarmos algo mesmo que nos pareça o mais insignificante possível e recorrermos ao sentido de humor, tal como um botão que tem um defeito ou uma gola com um certo formato.
  • Utilizar a comparação: se em muitos casos esta poderá não ser adequada, noutros tem um efeito positivo. As crianças mais pequenas gostam de se vestir de maneira igual, comparando aquilo que têm e não têm com os outros. Mostrar que determinada peça de roupa é igual à do amigo poderá incentivá-lo a querer levar para a escola.

 

Este texto, escrito por Mariana Santos Paiva, Psicóloga Clínica, foi-nos gentilmente cedido pela Oficina de Psicologia.