Diz sempre a verdade, meu querido!

Diz sempre verdade, meu querido

São muitas as frases a que recorremos para incentivar os nossos filhos a ser pessoas honestas. Tentamos que cresçam e construam relações fortes e seguras, onde exista confiança e abertura para partilhar fragilidades, sem que seja necessária a mentira. Falamos, conversamos, explicamos que “não é bonito”, que “é uma coisa que os prejudica”, que “traz consequências”…

Mas, ainda assim e mesmo que de vez em quando… lá nos mentem a nós, na escola, a um amigo ou outro

E porque é que isso acontece?

É importante termos noção do impacto que as nossas respostas têm no comportamento dos nossos filhos. Não só o que lhes vamos dizendo mas o modo como actuamos em cada situação.

Não vale a pena culpabilizarmo-nos pelos seus actos porque estes devem-se a múltiplos factores, que no caso da mentira poderão ser:

-Evitamento de castigos/punições (“Não fui eu que parti o vidro, foi o mano”)

-Obter vantagens (“Estou com dores de garganta, não posso ir à escola hoje”)

-Incapacidade de lidar com as suas próprias inseguranças ou medos (“Está um bicho no meu quarto, hoje tenho de dormir no dos pais”)

-Auto-afirmação (“Eu não tive nenhuma negativa este período”)

Mas, devemos sim, estar conscientes de que as crianças aprendem o código moral que lhes transmitimos em família e que é possível no dia-a-dia ir prevenindo a mentira e apelando à verdade.

Antes de mais importa identificar se o que a criança está a dizer é mesmo mentira. Poderá tratar-se de uma reprodução errada… Muitas vezes o simples facto de ter percebido mal o que alguém disse e o transmitir dá origem a distorções da informação inicial. Ou poderá ser apenas fruto da fértil imaginação que tem já que o seu mundo simbólico está em constante desenvolvimento e por vezes há dificuldade em separá-lo da realidade.

A mentira está geralmente associada a intencionalidade. A criança mente tendo noção de que o que está a dizer não é verdadeiro. E fá-lo, tal como já foi referido, por diversas motivações.

Então e o que poderemos fazer para desmotivar a mentira?

Comecemos por aceitar os nossos filhos tal como são, transmitindo-lhes admiração e orgulho. Ensinemo-los a gostarem de si próprios e a não terem receio de se expor, mesmo quando os seus gostos, interesses ou hábitos sejam diferentes dos do vizinho do lado.

Dar o exemplo é extremamente importante. Nunca pedirmos aos nossos filhos que mintam! – “Diz que tens 10 anos para não pagares bilhete”. Estaremos a validar este comportamento e a aumentar a probabilidade de a criança o repetir. Nem lhes mentirmos a eles: “Para a semana vamos comer um gelado”, quando não temos intenção de o fazer.

Mostrar-lhes que há situações em que não é necessário mentir, tais como agradecer simplesmente um presente que não se gostou, sem ter que acrescentar mais nada.

Reforçar positivamente a coragem da criança em admitir que falhou, quando é algo que é especialmente difícil, valorizando situações em que ele é honesto.

Ir corrigindo quando percebemos que há engano – ao contarem uma história com pormenores que sabemos que não correspondem à realidade.

Sempre que possível ajudarmo-los a “consertar” o que inventaram. Se acusaram injustamente um colega, incentivarmos a que no dia seguinte admitam e minimizem o dano causado.

Evitar rótulos ou generalizações – mentir é diferente de ser mentiroso. Estaremos a colocar uma pressão negativa na criança, inibindo-o de tentar proceder de maneira diferente.

Não vale a pena entrar em ratoeiras: “Foste tu quem atirou a bola na sala e partiu aquele prato?” quando sabemos perfeitamente que sim. Em vez de criar oportunidade à mentira, será mais útil mostrarmo-nos compreensivos e disponíveis para ouvir o que aconteceu e apelando a comportamentos alternativos.

Fomentar na criança a responsabilidade pelos seus actos. Ensiná-la a avaliar consequências em situações específicas.

 

Este texto foi escrito por Mariana Santos Paiva, Psicóloga Clínica da Oficina de Psicologia.

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Ainda não tem votos)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *