Depressão na Infância - Pumpkin.pt

Depressão na Infância

Depressão Infância

Será que as crianças podem ter depressões? Como podemos perceber se os nossos filhos sofrem de depressão? A Psicóloga Alexandra Barros esclarece esta e outras questões sobre a depressão na infância, que é na verdade mais frequente do que podemos imaginar.

Durante muitos anos discutiu-se a aplicação de diagnósticos dos adultos na infância. A depressão foi alvo de grande discussão, apesar de hoje ser amplamente reconhecida (e frequente) a incidência desta problemática nas crianças e nos adolescentes. 

Apesar da especificidade das manifestações, a depressão na infância partilha o afeto perturbado, o sentimento de perda e as consequências devastadoras que se verificam nos adultos. O impacto tende a ser generalizado, ao nível do bem-estar físico, do funcionamento cognitivo, do estado emocional e do comportamento.

Coloca-se a hipótese de depressão ou outra perturbação do humor quando existe um humor depressivo persistente ou uma quase incapacidade de retirar prazer dos reforços e das recompensas habituais.

Considera-se persistente um período de pelo menos duas semanas, que represente uma alteração do funcionamento anterior.

Nas crianças, os sintomas de depressão aparecem muitas vezes disfarçados de insucesso escolar, inibição ou isolamento social, ou através de manifestações mais subtis como a baixa auto-estima e auto-confiança. Pelo contrário, pode verificar-se um aumento da agressividade e da atividade motora (muitas vezes confundida com a hiperatividade).

Em crianças mais pequenas, pode haver uma exacerbação da ansiedade de separação ou do medo dos estranhos, bem como alterações do comportamento.

Crianças mais velhas, habitualmente mais sociáveis, podem passar a demonstrar maior inibição ou evitamento social.

São ainda frequentes alterações do sono e/ou da alimentação, bem como queixas somáticas persistentes (vómitos, dores de barriga ou cabeça).

Tendo em conta o mito (e talvez a esperança) de que a infância é um período de inocência e êxtase, os sinais de alerta são muitas vezes desvalorizados ou encarados como uma fase que vai passar. Esta negação pode levar a um sentimento, por parte da criança, de que ninguém a compreende e/ou acredita na sua tristeza, acentuando a vivência de desamparo.

A angústia inibe o sentimento de competência, a capacidade de auto-controlo e a diversão espontânea, pelo que a criança vê diminuída a sua predisposição para relacionar-se, para brincar e para aprender. É quase como se pensasse “Não vou ser capaz, porquê esforçar-me?”.

Pais e professores, sem conhecimento destes sinais de alerta, tendem a considerar a criança como pouco esforçada, desatenta, preguiçosa, birrenta e algumas vezes a castigá-la, acentuando mais o sentimento de incapacidade e a baixa auto-estima.

Ao contrário do adulto, a criança tem dificuldade em expressar-se pela palavra, sendo mais capaz de o fazer pelo comportamento, daí a importância de estarmos atentos a estes sinais de alerta.

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *