Regresso às aulas com os pés assentes no chão e a cabeça longe da lua - Pumpkin.pt

Regresso às aulas com os pés assentes no chão e a cabeça longe da lua

regresso às aulas focado

Falar de Regresso às Aulas é, para algumas famílias, antecipação de algumas dores de cabeça e ao mesmo tempo o assumir de novos compromissos para não se cair “nos mesmos erros” do ano anterior. 

“Neste ano letivo não quero recados sobre faltas de atenção.”, dizem alguns pais. “Neste ano, vou concentrar-me mais nas aulas.”, prometem os filhos.

Inês Afonso Marques, Psicóloga Clínica e Coordenadora da equipa infanto-juvenil da Oficina de Psicologia, partilha estratégias para potenciar o foco das abobrinhas neste ano letivo. 


Mas porque é que parece que os miúdos andam sempre de cabeça no ar?

A quantidade de nova informação, proveniente de várias fontes, a que as crianças têm acesso diariamente e a também quantidade e variabilidade de estímulos distratores que as crianças têm em seu redor propicia o viver dos dias com a cabeça no ar e no meio de correrias. Com o avanço da ciência e da tecnologia o conhecimento evolui a uma velocidade enorme e o acesso a novas informações faz-se de forma rápida e facilitada. As crianças de há 20 anos não se distraiam com o barulho do trânsito, o som dos aviões (porque era de facto um tráfego menor), um estojo cheio de canetas de todas as formas e cores (a oferta hoje é maior do que nunca), com a televisão, o telemóvel e o mundo à distância de um click

Não será generalizável a todas as famílias nem a todas as escolas, mas a nossa sociedade é uma sociedade de ritmo acelerado, onde os estímulos proliferam, onde a pressão para se ser mais e melhor num grande número de coisas existe, pelo que os pais serão os principais guias para a criança.

Crianças aceleradas são crianças tendencialmente mais ansiosas. Ora se a ansiedade domina o seu corpo e os seus pensamentos, será mais difícil focarem a atenção.

Comparando o cérebro a uma janela de um browser de internet com muitas janelas abertas em simultâneo (tenho o trabalho de ciências para entregar amanha, não me posso atrasar para o judo, tenho que responder à mensagem do João, não me posso esquecer de fazer a cama e estender a roupa que a mãe pediu, “E agora o que vou dizer à Ana que acabou com o namorado?”, “Porque é que a Rita agora não fala comigo?”, “Será que se tiver boas notas posso ir passar férias com os meus amigos?”…), a dispersão pode ser enorme e, portanto, a capacidade de foco diminui.

Os pais podem ajudar a treinar o músculo da atenção, no dia a dia?

Enquanto pais podemos dar importantes contributos para a capacidade de desacelerar e para a capacidade de manter o foco. Em jeito de brincadeira diria que, para começar, os pais podem definir os despertadores para 15 minutos mais cedo, para que o início de dia das crianças não comece com correrias e stress, para não se chegar atrasado (digo isto porque é uma queixa de muitos pais em consulta e que se resolve com esta pequena diferença no despertador).

Depois, é fundamental não nos esquecermos que os adultos são modelos para as crianças. Como é que gere as suas solicitações quotidianas? Faz o jantar, responde a emails de trabalho, dobra roupa, brinca com o bebé e ajuda o mais crescido a fazer os TPC, enquanto a televisão está ligada num canal de notícias? Ou consegue gerir o tempo de forma mais eficiente? Como encontra momentos de pausa, de maior consciência no momento presente, no decorrer da azáfama? Senta-se 5 minutos quando chega a casa a relaxar e simplesmente não fazer nada a não ser ganhar consciência da respiração, do corpo, em contacto com a cadeira? E inicia depois outro tipo de atividades, evitando ser como um “polvo” com vários braços a trabalhar simultaneamente em áreas diferentes? Ou mantém um ritmo TGV até ir dormir?

Não é suposto exigir-se a uma criança que seja reflexiva, ponderada, que esteja quieta o tempo todo e que seja um primor no capítulo do planeamento e organização. As áreas cerebrais envolvidas na capacidade de regulação emocional, autocontrolo e planeamento motor, só se desenvolvem já perto da idade adulta! O crescimento é a oportunidade para se irem treinando competências, desenvolvendo músculos (incluindo o da atenção) sem que se exija a mestria em crianças pequenas.

Uma criança que se concentra é uma criança mais feliz?

Estar concentrado é estar mais consciente da experiência que se está a ter – seja uma leitura, uma aula, um passeio, uma refeição, um abraço… Havendo maior contacto com a experiência há maior possibilidade de se regularem de forma mais consciente comportamentos e emoções. E isso pode ser um dos múltiplos fatores associados ao bem-estar.

Ensine ao seu filho que a sua mente é como um cachorrinho brincalhão

Já reparou que a sua mente é como um cachorrinho brincalhão? Está concentrado numa determinada tarefa e, de repente, pufff! A mente correu para outro local, tal como o cachorrinho percorre agitadamente o espaço, saindo do seu campo de visão.

Explique ao seu filho que a sua cabeça (os seus pensamentos) é como esse pequeno cãozinho: é curiosa, gosta de explorar e nem sempre quer seguir as orientações que lhe damos. Muito semelhante a quando dizemos ao cachorro “senta” e ele desata a correr atrás de uma borboleta. Explique ao seu filho que zangar-se com o cachorrinho apenas o assustaria, porque ele ainda está a treinar a ser obediente. Ele não faz por mal. Ele quer apenas descobrir o que o rodeia. Tal e qual o que a nossa mente faz.

Então, sugira ao seu filho que sempre que ele repara que os seus pensamento fugiram para longe – como quando está a ver um filme no cinema e subitamente “desliga” do ecrã e fica a pensar na loja que quer visitar em seguida ou na amiga a quem quer telefonar a contar as últimas novidades – se imagine a reconduzi-los gentilmente para “aqui” tal como se estive a puxar a trela do cachorrinho brincalhão para junto de si.

Que o regresso às aulas seja feito com tranquilidade e que marque o início de muitas descobertas em relação ao “eu” e ao mundo.

Tudo sobre o Regresso às Aulas:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Ainda não tem votos)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *