Filosofia para crianças: uma brincadeira muito séria! - Pumpkin.pt

Filosofia para crianças: uma brincadeira muito séria!

Filosofia para crianças

Joana Rita Sousa, autora do projeto Filocriatividade, partilha connosco como se trabalha a Filosofia para crianças, os seus benefícios e desafios.

Kant no jardim de infância? A filosofia para crianças pode começar logo aí.

A grande maioria das pessoas tem o seu primeiro contacto com a Filosofia no ensino secundário, com 15 ou 16 anos. O projecto de Joana Rita Sousa (filocriatividade), filósofa e mestre em filosofia para crianças, apoia-se na ideia veiculada por M. Lipman e Ann Sharp, entre outros autores que se seguiram, de que o pensamento crítico pode ser trabalhado muito antes disso, logo no jardim de infância. 

A filosofia para crianças (que também pode denominar-se de filosofia com crianças) trabalha também o pensamento criativo e o pensamento colaborativo. Afinal, a proposta passa por pensarmos em conjunto, uns com os outros. Numa oficina de filosofia para crianças provocam-se momentos de interrogação, de construção de pensamento a partir das ideias de outra pessoa, de reformulação de hipóteses, de sugestão de ideias novas,
entre outros.

As crianças estão no mundo e têm algo a dizer sobre o mundo que as rodeia. O espaço e o tempo de diálogo que a filosofia lhes abre permite-lhes ver as suas ideias a acontecer, bem como posicionar-se sobre as coisas:

  • concordo?
  • não concordo?
  • porquê?
  • será que há outra forma de dizer as minhas ideias?
  • podemos pensar a partir da ideia de alguém que não é meu amigo?

Posso concordar com alguém que não é meu amigo?

Dizer que não concordamos com aquela pessoa que não é nossa amiga é típico nos grupos de crianças. O Pedro diz que concorda com a Margarida pelo facto de serem amigos. E que não concorda com o Rafael, pois não são amigos.

Ora, quando aprofundamos as ideias do Pedro e do Rafael verificamos que a ideia é muito parecida, senão mesmo igual, mas dita por outras palavras. Não é estranho que o Pedro diga o mesmo que o Rafael mas diga que não concorda com ele? 

Podemos apelidar que esta situação é um pouco tonta, todavia é algo que nos acompanha na vida, nos mais diversos âmbitos (pessoal, académico, profissional). Quantas vezes evitamos mergulhar e analisar as ideias e ficamos apenas pela simpatia ou antipatia que temos perante quem está a falar?

A filosofia dá-nos ferramentas para analisar, criar, recriar pensamento, a partir das minhas ideias e das ideias dos outros – mesmo daqueles que não são meus amigos.  Este trabalho de pensar as ideias, de as explorar, de as pôr à prova, de as recriar – e até de as abandonar quando já não são válidas – esse é um contributo da filosofia para a nossa sociedade actual. 

Que tipo de perguntas fazem os mais pequenos?

É muito curioso ver que há interrogações que nos acompanham ao longo das diferentes fases da vida. Ilustro com um exemplo: a finitude. Este é um problema filosófico que nos acompanha ao longo da vida, ainda que a colocação da pergunta seja diferente.

Vou partilhar exemplos que já presenciei: no jardim de infância uma criança perguntou “A mãe disse que o avô morreu. Para onde foi o meu avô?”. Numa oficina de filosofia online, uma criança de 11 anos diz que a pergunta que mais a incomoda é “O que é que acontece quando morremos?”. Recentemente, no #ClubeDePerguntas, uma pessoa adulta perguntou “Por que é que não sou imortal?”. Há perguntas que nos inquietam ao longo da vida e que é colocada de formas diferentes.

As oficinas de filosofia são difíceis?

Sim, as oficinas de filosofia são difíceis, pois exigem um trabalho que não é natural: parar para escutar e para pensar. Somos obrigados a parar o pensamento para que seja possível, de certa forma, olhar para o que estamos a dizer.

Por outro lado, as oficinas de filosofia são lúdicas. Na minha prática é comum transformar o exercício filosófico num jogo e desta forma criar uma base ou provocação para o pensar. É permitido o espanto e a exploração de ideias, arriscando pensar aquilo que ouvimos e nos faz dizer, com os olhos muito abertos: “nunca tinha pensado nisso”.

“Pensei coisas que achava que eram complicadas e agora fomos mais a fundo nessas ideias.” (V., 11 anos)

Nem todas as crianças gostam de sopa – o mesmo acontece com a filosofia

Filosofia e colheres de sopa

Desde 2008 que ando pelo mundo fora a filosofar com a criançada e a partilhar com pais, educadores e professores aquilo que são as práticas da filosofia para / com crianças. A par da teoria – fundamental para que se possa perceber o que é, como acontece, porque é que acontece – partilho a minha experiência de trabalho com as crianças e os jovens.

Gosto de responder às perguntas e dúvidas que me colocam utilizando exemplos. Em tempos, um conhecido perguntou-me: “então Joana, como corre o projecto? As crianças gostam?” Respondi: “o projecto vai correndo e nem todas as crianças gostam. Assim como nem todas gostam de sopa. Nós continuamos a incluir a sopa na sua alimentação, pois consideramos que é importante para elas.”

Podemos aqui debater se devemos mesmo obrigar todas as crianças a comer sopa só pelo facto de ser consensual que a sopa faz bem. Creio que se o momento da sopa se revelar num momento traumático para a criança, talvez seja melhor dar-lhe uma configuração divertida ou até apresentar-lhe os mesmos ingredientes, sob outra forma. O que considero importante é que a criança tenha a oportunidade para provar a sopa. Depois, até pode não gostar ou ficar fã. Só vamos saber se lhe dermos sopa a provar.

A filosofia é uma seca. “Mas”.

Em tempos, numa reunião numa escola onde trabalhei, um pai dizia-me “O meu filho não gosta das suas aulas, acha que a filosofia é uma seca.” E eu sorri para o pai e disse: “Sim, eu sei, o seu filho já me disse isso.”

Procuro encontrar e criar estratégias para chegar a cada uma das crianças, mas tenho consciência de que umas actividades irão agradar mais a uns do que a outros. Quando eu tinha a idade das crianças com quem me cruzo no também não gostava de expressão plástica. Nem por isso deixava de tentar fazer o meu melhor – é que mais tarde, na vida, isso acontece muito: fazermos coisas das quais não gostamos, que são uma seca. “No limite, estamos a preparar o seu filho para a vida – o que me diz?” – respondi ao pai, devolvendo a pergunta.

Nessa mesma reunião houve uma mãe que pediu a palavra e disse “Eu não sei se os pais todos aqui presentes já repararam, mas o facto de haver filosofia na nossa escola, no 1º ciclo, é uma mudança de paradigma.  Finalmente temos um espaço para explorar perguntas, em vez de estar só a ser premiado pela resposta certa e penalizado pela errada. Aqui eles podem experimentar o pensamento e até errar, sem que isso seja dramático. E pronto, nem todos gostam. Não vou obrigar a minha filha a gostar, mostro-lhe apenas que é importante para ela experimentar isto.”

Provar a sopa é importante para os miúdos – e para os graúdos.

“Só mais uma colher”

Sobre as minhas aulas de expressão plástica: confesso que tenho cá por casa livros para colorir e continuar a treinar e que uma das minhas oficinas de filosofia chamava-se “colorir fora dos traços”. Valeram-me as colheres de sopa que ingeri, mesmo sem gostar muito.

(A autora não escreve segundo o AO90).

A autora, Joana Rita Sousa, autora do projeto Filocriatividade, deixa-nos o convite para visitar o seu blog onde partilha actividades e recursos que podem ajudar a criar momentos de diálogo em casa ou na escola. 

“Recentemente partilhei uma proposta para pensar a escola e a liberdade.

Há outros recursos disponíveis, como o #kitdedialogoFILOCRI ou o baralho Eu penso, eu escolho Editado pela The Happy Gang.

Ao subscrever a newsletter filocriatividade pode receber no seu e-mail outras sugestões de diálogo e de exploração da filosofia para / com crianças e jovens.”

Fiquem também a conhecer a Agenda #filocriatividade 2022 / 2023

🗓 19 de Novembro 2022

  • 🧠 Oficina para famílias: Um museu do futuro (presencial)
  • /crianças dos 6 aos 11 anos
  • Biblioteca Municipal António Botto (Abrantes)
  • 11h às 12h – inscrições: [email protected]

🗓 24 e 25 de Novembro 2022

  • 🧠 Oficinas: o poder do diálogo (presenciais)
  • / para turmas do 1.º ciclo
  • Bibliotecas Municipais de Cascais 
    10h30/11h30 – inscrições AQUI


🗓 10 de Dezembro 2022

  • 🧠  oficina do Platão – O sentido da vida das moscas (online) 
  • para crianças dos 7 aos 12 anos
  • 15h30 às 16h30 – inscrições AQUI
  • 🧠  oficina philoTEEN – O sentido da vida (online) 
  • para jovens dos 13 aos 17 anos
  • 17h30 às 18h30 – inscrições AQUI

🗓 11 de Março 2023

  • 🧠   oficina de filosofia para famílias: Podemos fazer tudo aquilo que queremos? (presencial)
    ACERT – Tondela
  • 11h/12h – informações AQUI

Também lhe pode interessar:

2 comentários em “Filosofia para crianças: uma brincadeira muito séria!

  1. Vicente Paglione Novembro 22, 2020

    Pois sim, a filosofia tira fora de nós, adultos, o menino que não sabia responder às muitas perguntas da realidade que o circundava. Então, devemos lembrar um pouco mais vezes que cada pergunta que desistimos de fazer é uma oportunidade perdida.

    1. Dani Gonçalves - Equipa Pumpkin Novembro 23, 2020

      Reflexão muito interessante, Vicente! Cada pergunta é sem dúvida um sem fim de possibilidades.
      Que continuemos sempre a perguntar!
      Obrigada pela partilha 🙂

      Saudações abobrinhas!

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votes, average: 4,33 out of 5)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

<