Família > Crescer > Aprender

Festa de ano novo – Crónica de Catarina Beato

Festa ano novo - Crónica Catarina Beato

Com o final das férias chega o regresso à rotina. Este regresso é sempre uma altura de grandes emoções para toda a família, nem sempre é fácil, mas chegou a altura de dizer adeus ao descanso, e dar as boas-vindas ao dia a dia de trabalho.

A jornalista e blogger Catarina Beato presenteou-nos com um artigo lindíssimo que fala sobre “regressos”, e ainda nos deixa algumas dicas para voltar à rotina sem stress.  

Podem encontrar este e outros textos inspirados no blog Dias de uma Princesa e nas suas crónicas no Dinheiro Vivo, e no livro Dias de uma Princesa.

 

“Festa de ano novo

Regressamos de férias e esperamos pelo primeiro dia de escola. A “passagem de ano” são estes dias. Entre a nostalgia do que passou e o entusiasmo do que há de vir.

Custa-nos voltar à cidade, dizer adeus à casa de férias, à areia nos pés, aos mergulhos no mar, e aos passeios à noite sem hora de deitar. Resta-nos encontrar, nesta passagem de ano, razões para fazer a festa e muito fogo de artifício.

Cá por casa, despedimo-nos das rotinas quando fazemos a mala para as férias. Arrumamos os armários, separamos o que já não serve e o que não voltaremos a usar, levamos os restos da despensa e do frigorífico. No regresso espera-nos uma casa vazia e limpa. Como uma agenda nova, cheia de dias em branco para encher de recordações deliciosas.

Na nossa festa de ano novo vamos às compras: primeiro o supermercado, com direito a escolha livre de uns quantos doces (uma espécie de suborno para conseguir levar o meu filho mais velho connosco), depois compramos a roupa que faz falta (esta parte é mais uma festa para mim, apesar da roupa ser para eles), passeamos nas papelarias para comprar o material escolar e trazemos os livros para casa. Este ano, compramos também o primeiro bibe do mais novo, e foi uma emoção.

Compras feitas. Festa em preparação.

O relógio reaparece, tem que estar preparado para contarmos as doze badaladas. A estratégia é simples: todos os dias antecipamos em quinze minutos a hora de deitar. Regressamos, muito devagarinho, aos horários de Setembro. Acordamos quinze minutos mais cedo, habituamo-nos às meias e aos sapatos (festa de reveillon exige vestuário de cerimónia). Subtilmente, vou pedindo ao meu filho mais velho que me leia uns textos em inglês, e faço umas perguntas de gramática  e matemática no meio de uma viagem de carro mais demorada.

Setembro é a nossa passagem de ano. Com direito a muito mais que doze passas: temos direito a todos os desejos do mundo. Até ao próximo Verão.

 

Ideias

– Fazer as grandes arrumações antes de ir de férias (por muito que custe);

– Deixar a casa limpa e arrumada antes de fechar a porta rumo ao descanso, ou começar os dias de descanso em casa (repito, custa mas compensa). Se puder (economicamente falando) contrate uma empregada de confiança para fazer uma limpeza grande enquanto está fora.

– As compras para o novo ano lectivo são uma festa e devem ser tratadas como tal. As crianças devem ter noções de poupança e saber qual o orçamento mas, mesmo que seja para comprar dez cadernos de capa preta (são os que usamos), canetas de marca branca, e a mochila mais barata, tem que ser um momento divertido.

– Adapte os horários devagar. Quinze minutos todos os dias (ou mais se o período de adaptação for curto). À hora de deitar esqueça as recordações das férias e conversem sobre as saudades dos colegas da escola, sobre as coisas novas que vão aprender, sobre as brincadeiras no recreio.

– É o momento para fazer uma lista de desejos (ou objectivos, na língua dos adultos): horas de deitar, tempo permitido no computador ou televisão, e outros compromissos. Estabeleçam também as coisas boas: filmes que estão por ver, lugares onde gostavam de ir….

– Se calhar, para garantir que não existe qualquer hipótese de depressão pós-férias: escrevam a carta ao Pai Natal (serve para quem ainda acredita e para quem nunca acreditou). Nada como criar um ponto luminoso no futuro. De preferência, criar muitos.”

Crónica de Catarina Beato