Família > Comer > Comer bem

Não há gelados, bolos nem açúcar para ninguém!

Não há gelados, bolos nem acúcar ninguém

American Heart Association (Associação Americana do Coração) anunciou que as crianças não devem consumir mais do que seis colheres de chá de açúcar por dia, o que equivale a aproxidamente 100 calorias – um iogurte com sabor, por exemplo, é capaz de ultrapassar este valor. A má notícia, para as crianças, é precisamente esta: 6 colheres de chá de açúcar equivalem a menos de 1/3 do açúcar que ingerem actualmente.

O relatório publicado pela Associação sublinha ainda que crianças com menos de 2 anos não devem consumir qualquer fonte de açúcar processado. Já foi provado em estudos anteriores que o açúcar tem propriedades viciantes, situação agravada em crianças pequenas cujas pupilas gustativas estão ainda a ser educadas, para as preferências e rejeições futuras, pelos alimentos que ingerem nesta idade. Dadas essas propriedades viciantes, o açúcar é, por vezes, considerado uma droga, na medida em que também gera vício, ao ativar o sistema de recompensa do cérebro quando ingerido.

A mensagem é, por isso, bastante clara: É urgente cortar nos doces. Mas não só. Muitos dos produtos aparentemente saudáveis que damos aos nossos bebés, como as papas instantâneas, contém altos níveis de açúcar. A maioria dos produtos destinados a crianças é especialmente açucarada e muitos pais desconhecem a quantidade de açúcar, e de sal, presente nos produtos de consumo diário. Ensinar os pais a ler rótulos de informação nutricional e educá-los no sentido de ajudar as crianças a formar hábitos alimentares saudáveis que os acompanharão por toda a vida, é, por tudo isto, cada vez mais necessário. 

Estas recomendações da American Heart Association vêm associadas à crise na saúde americana, com os níveis de obesidade a atingirem valores históricos, mas também com um aumento de doenças como a hipertensão, problemas cardiovasculares, cancros e cáries dentárias. Ainda que estes dados sejam referentes aos Estados Unidos da América, é perfeitamente possível fazer o paralelo com a situação portuguesa. 

Em maio de 2015 a SIC transmitiu uma Grande Reportagem, intitulada “Somos o que Comemos”, que dava conta de vários sinais alarmantes: doenças como diabetes, hipertensão, colesterol elevado e obesidade – antes associadas a adultos e idosos – são cada vez mais frequentes nas consultas de pediatria. Actualmente, 60% da população portuguesa tem peso a mais: 2 milhões de portugueses sofrem de obesidade e mais de 4 milhões são pré-obesos.

Nesta reportagem transmitada pela SIC, médicos, nutricionistas, investigadores, professores, pais e filhos mostram como está nas mãos de cada cidadão prevenir a doença e melhorar a sua própria saúde. Júlia Galhardo, pediatra responsável pelas consultas de obesidade no Hospital de Dona Estefânia, afirma mesmo que permitir o abuso de açúcar em idades tão precoces é equivalente a “maus tratos” infantis. Também o ilustre cientista Robert Lustig afirmou em tempos que o açúcar é o veneno dos tempos modernos, possuindo efeitos cuja nocividade só é comparável aos do tabaco e outras drogas. 

Pode ver ou rever esta Grande Reportagem no portal da SIC Notícias.