Família > Fazer com os miúdos > Livros

“O meu Cão e Eu”: o livro que vai ensinar o seu filho a cuidar do animal de estimação!

"O meu Cão Eu": livro vai ensinar filho cuidar animal estimacão

Todos os miúdos adoravam ter um animal de estimação, mas por norma não têm consciência de que é preciso dedicar tempo e muito amor ao novo membro da família. O livro “O meu cão e eu” é um ótimo apoio para que miúdos e graúdos tomem esta decisão de uma forma responsável. 

Quantas vezes os vossos filhos já vos pediram para ter um cão, sem terem noção do que isso implica? E quantos de nós já cederam, acabando por cair em cima de nós todo o trabalho que o cão dá? Para quem ainda está renitente, mostrem este texto aos vossos filhos.

Estás preparado para ter um cão? Tens de ter a certeza!

Adoptar um cão é arranjar um amigo para a vida. Ele vai ser o companheiro mais leal, compreensivo e dedicado que alguma vez terás, o melhor parceiro de aventuras. Ele vai gostar de ti acima de todas as coisas, dar-te as boas vindas quando chegas a casa, seguir-te até ao fim do mundo e perdoar-te todos os dias maus e rezingões, lamber-te as lágrimas e ficar quieto ao teu colo quando apenas precisares de um abraço.

Ele passa a ser mais um elemento da tua família, que partilha as vossas rotinas e deve ser incluído nelas – os passeios, exercício, dar de comer, pentear o pêlo e levá-lo ao médico – são todos os cuidados que tens de ter com ele.  Por vezes também se portam mal, fazem disparates ou estão mal dispostos – e nessas alturas também temos de ter paciência (tal como ele tem para nós) e perder tempo a educá-lo, corrigi-lo e perdoá-lo – é um ser vivo, em constante crescimento e aprendizagem, também tem direito a ter dias menos bons!

E é natural que fique doente de vez em quando e que envelheça: deves fazer tudo ao teu alcance para que fique melhor e esteja o mais confortável possível em todas as fases da sua vida.

E é preciso não esquecer: ele precisa que cuidemos dele!

Fornecer-lhe uma alimentação equilibrada, acesso aos melhores cuidados de saúde, exercício e brincadeira (connosco e com outros animais) na forma e quantidade apropriada, disponibilizar-lhe as instalações adequadas para que possa descansar, são apenas alguns dos factores que contribuem para seja um cão feliz.

Reúne a tua família e responde a estas 3 perguntas:

1. Temos tempo?

Os cães são animais sociais e altamente dependentes, carentes de atenção e de estímulos. Se o vosso estilo de vida implica passarem pouco tempo em casa, fazendo com que passe muitas horas sozinho, então um cão pode não ser o animal de estimação ideal.

Se, por outro lado, procuram uma desculpa para passarem mais tempo no exterior, a fazer atividades ao ar livre, como exercício, corrida e piqueniques, então o companheiro canino e o seus passeios diários é o complemento ideal para a vossa rotina de vida saudável! É preciso contarem com, pelo menos, 3 passeios diários (de 15-30 minutos) e ainda cerca de 1-2 horas/dia para brincar com ele, dar-lhe mimos e limpar algumas coisas como o sítio onde ele dorme e onde come, por exemplo.

2. Temos espaço?

Se vivem num apartamento, deverão confirmar primeiro se o condomínio permite a ter um animal de estimação (embora esta proibição não seja muito comum em Portugal). Se têm espaço exterior, a que ele terá acesso, convém certificarem-se de que não há coisas ou plantas a que tenha acesso, que possa estragar ou que lhe possam fazer mal.

Depois, têm que adequar o espaço que existe ao tamanho e nível de atividade dele. Por exemplo: não faz muito sentido (e é mesmo uma receita para o desastre!), terem um cão tão grande e pesado como um São Bernardo num apartamento pequeno, ou um Border collie com o qual não podem correr cerca de 5-10 km todos os dias…

E não esquecer: mesmo um cão que tenha jardim ou quintal deve passear todos os dias, para gastar energias e fortalecer a relação com os donos!

3. Podemos suportar esta despesa?

As despesas com um cão são geralmente proporcionais ao tamanho deste – comida, medicamentos, banhos, etc, serão tanto mais dispendiosos quanto maior for o cão.

Quanto aos cuidados de saúde, as maiores despesas tendem a ocorrer no primeiro ano de vida (as primeiras vacinas, colocação do microchip, esterilização/castração), entrando depois num período mais calmo durante a chamada idade adulta (excepto se acontecer algum imprevisto) e voltando depois a aumentar quando o vosso companheiro envelhece, pois nessas idades é mais provável que fique doente.

É importante avaliarem se conseguem assegurar o bem-estar e felicidade dele durante TODA a vida.

Se responderam que sim a todas as perguntas, PARABÉNS! Estão preparados para ter um cão!