Família > Agenda Família > Oficinas artísticas

Se os Dias Fossem Maiores – Gulbenkian

SE OS DIAS FOSSEM MAIORES Gulbenkian

Visitas orientadas, visitas para desenhar, oficinas, histórias, performance de poesia e banquete no Jardim Gulbenkian, para todas as idades.

O que fariam se os dias fossem maiores?

Neste dia, que queremos que seja maior, festejamos tudo isto: a vida, a amizade, a poesia, a luz e a natureza.

Com o equinócio da primavera, e porque vivemos na metade norte do planeta, os dias tornam-se maiores, as horas de luz estendem-se, tudo se renova e começa a renascer depois do longo sono invernal.

É um dia em que vamos desenhar juntos, construir livros, fazer serigrafia com a natureza, partilhar um banquete de iguarias saborosas, passear no Jardim e ouvir/declamar poesia que nos traz sons de terras distantes.

Neste dia maior cabem a primavera, o Noruz, o Hanami e muitas outras celebrações deste novo ciclo que agora se inicia. Dia 25 de março apareça para celebrar o início da primavera e os dias maiores.

Para Famílias

Gulbenkian Se os dias fossem maiores - Sementeira

SEMENTEIRA PARA UM MUSEU VERDE – Histórias de musear

  • 10:30 – 11:20; 11:40 – 12:30
  • Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
  • Crianças 2–5 anos
  • Mín. 8 – máx. 15 / 7,5€ (adulto + criança) / familiar adicional (adulto ou criança) 4€

Verde-lima, verde-limão.

Amarelo bem-querer, sol que aquece o coração.

Olha, olha! A natureza a nascer! Que surpresa!

Esta é história de um jardim teimoso à espera de florir num sítio pouco comum. Infiltra-se, caminha, espalha e esconde-se pelo Museu. Gosta de contar, em sussurros, as memórias da gente e da arte que por aqui passa.

Quanto mais sabe e vê, mais rebentos faz crescer, ora aqui, ora acolá, nos recantos do Museu. Mas, afinal, é um jardim ou é um museu?

Conceção e orientação: Catarina Claro, Madalena Marques

TODOS DANÇAM! – Visita dançada inclusiva

  • 10:30 – 11:30
  • Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
  • Crianças + 6 anos
  • Mín. 8 – máx. 16 / 5€ (adulto + criança)

O corpo vê, sente, observa e interpreta. Como uma pequena semente, reage ao ambiente: solta-se, cresce, floresce – espreguiça-se nestes dias que se fazem maiores!

Cores, linhas e formas saem das obras e transformam o nosso movimentar. Pé ante pé, olhar atento e corpo preparado para o movimento.

Uma visita dançada inclusiva, dedicada a famílias com crianças, jovens e adultos com necessidades educativas especiais, que incide na interpretação da obra de arte através de leituras corporais em que os movimentos retirados de cada obra se conjugam, formando uma pequena coreografia de gestos no espaço e no tempo.

Conceção e orientação: Joana Andrade

Gulbenkian Se os dias fossem maiores - Todos Dançam

NA NATUREZA TUDO SE TRANSFORMA – Oficina

  • 15:00 – 17:00
  • Jardim / Edifício sede
  • Crianças 6–12 anos
  • Mín. 8 – máx. 12 / 7,5€ (adulto + criança) / familiar adicional (adulto ou criança) 4€

Da terra alimenta-se a flor, da flor alimenta-se a abelha, da abelha alimenta-se a rã, da rã alimenta-se a truta, da truta alimenta-se a garça, da garça alimenta-se a águia, da águia alimenta-se o abutre, do abutre alimenta-se a terra…

Vamos construir e ilustrar um livro infinito. Um livro que, tal como os ciclos da natureza, nunca acaba.

Conceção e orientação: Ana Pêgo, Vanda Vilela

Esta atividade pode decorrer no interior, se as condições atmosféricas não permitirem a utilização do Jardim.

UM DIA NA VIDA DO JARDIM – Oficina de escrita criativa

  • 15:00 – 17:00
  • Jardim / Edifício Sede
  • Crianças 8–12 anos
  • Mín. 8 – máx. 12 / 7,5€ (adulto + criança) / familiar adicional (adulto ou criança) 4€

A esta hora, enquanto a mãe chapim se prepara para pôr o segundo ovo no ninho, cuidadosamente preparado pelo pai chapim, a primeira flor do único ginkgo deste Jardim acaba de abrir, e a sardanisca está a comer a sua décima sétima refeição do dia – uma mosca gorda. O que se estará a passar neste momento no Jardim? Vamos descobrir? Passeando pelo Jardim, observaremos todos os lugares e cada um dos seus habitantes. Somos viajantes à descoberta.

Nesta caminhada, vamos recolher palavras, sentimentos, imagens, cheiros, sons, espécies vegetais e animais. Descobriremos algumas histórias – umas, reais; outras, quem sabe… –, e colecionaremos cuidadosamente as palavras que melhor ilustrarem as nossas descobertas. Desta vez, recolhemos palavras do Jardim, desenhadas por letras na mão de cada um. Daqui, nascerão as histórias criadas por cada família.

Esta oficina será registada num formato «muito curioso», para acolher esta narrativa inspirada num dia na vida do Jardim. Será que a história pode mudar a cada dia?!

Conceção e orientação: Leonor Pêgo, Vera Sales Baptista 

Gulbenkian se os dias fossem maiores - Vida Jardim

Para crianças, jovens e adultos

IMPRESSÕES DE LUZ E NATUREZA – Oficina de serigrafia

  • 10:00 – 13:00
  • Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
  • + 12 anos
  • Mín. 8 – máx. 18 / 10€

Esta oficina começa com um passeio pela natureza em busca de elementos orgânicos. Podem ser galhos, folhas, pétalas, um punhado de terra, pedrinhas… qualquer matéria onde talvez se esconda um sopro de vento, o canto de um pássaro ou o deslumbre de um raio de sol. Depois de escolhidos os elementos, cada participante irá eternizá-los sobre o papel, numa composição impressa, usando o método indireto de impressão serigráfica. Não se preocupe se não sabe nada de serigrafia nem conhece este método de impressão, porque vamos guiá-lo passo a passo e explicar-lhe, em linguagem acessível, tudo o que precisa de saber. Portanto, para participar nesta oficina, basta ter vontade de criar e de aprender.

Conceção e orientação: Conceição Candeias, Marc Parchow

MANUAL DE ESPÉCIES INVENTADAS – MUSEUM SKETCHING – Visita-oficina de caderno gráfico

  • Exposição As Flores do Imperador. Do Bolbo ao Tapete
  • 11:00 – 13:00
  • Galeria do piso inferior – Coleção do Fundador
  • + 14 anos
  • Mín. 8 – máx. 20 / 5€

As flores sempre foram alvo da nossa atenção e apreciação.

Podemos encontrá-las nas mais diversas representações estéticas ao longo dos tempos, seja em pinturas e decorações de objetos, seja em padrões impressos nos tecidos que usamos nas nossas casas e nas nossas roupas. Foram estudadas e representadas em elaborados desenhos, que encontramos nos manuais de botânica ocidentais, os quais foram depois adquiridos por sultões do Médio Oriente. Desses desenhos, nasceram os mais belos tapetes. Nesta visita-oficina, cruzaremos o desenho científico com a mais pura invenção, recriando espécies imaginárias dentro do mais rigoroso registo gráfico.

Conceção e orientação: Mário Linhares

AVES MÍTICAS – SÍMBOLOS DA VIDA ETERNA – Visita orientada

  • Exposição Do Céu e da Terra. Rituais, cerimónias e costume religiosos à volta do mundo
  • 11:00 – 12:30
  • Museu Calouste Gulbenkian – Coleção do Fundador
  • + 16 anos
  • Mín. 10 – máx. 25 / 5€

Na mitologia grega, a Fénix é um pássaro que, ao morrer, entra em autocombustão, renascendo das suas próprias cinzas. O cristianismo absorverá esta ave mítica enquanto símbolo da ressurreição de Cristo, e para o hermetismo – entre Oriente e Ocidente – esta é uma das imagens da pedra filosofal. No Egito, a ave solar Bennu está ligada ao renascimento cíclico, e é por isto associada a divindades como Hórus ou Ísis e a ciclos como a inundação anual. Na China, Fenghuang é uma ave protetora da imperatriz, fazendo parelha com o Dragão, símbolo do imperador. Semelhantes e diferentes, inspirados uns nos outros, cada um destes símbolos é uma proposta de superação da morte, de renascimento, dando conta da particular riqueza das cosmogonias de cada uma destas civilizações.

Nesta visita, a primeira de um ciclo de um ano, andaremos entre o céu e a terra, seguindo as metamorfoses de uma ave mística, do Egito à Europa medieval, passando pela Grécia, pela Pérsia e pela China.

Conceção e orientação: Raquel Feliciano

CADERNOS DE LUZ E DE SOMBRA – MUSEUM SKETCHING – Visita-oficina de caderno gráfico: 

  • 14:30 – 16:30
  • Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
  • + 14 anos
  • Mín. 8 – máx. 20 / 5€

A luz e a sombra são elementos estruturantes da linguagem do desenho. Constroem formas, relevos, volumes e texturas, dando expressão à realidade. Nesta visita-oficina de caderno gráfico, vamos explorar os elementos «luz» e «sombra» como potenciadores da construção do desenho.

Conceção e orientação: Mário Linhares

Gulbenkian Se os dias fossem maiores - ciclo das aves

A LUZ NOS CICLOS DAS AVES  – Visita orientada

  • 16:30 – 18:00
  • Jardim / Edifício sede
  • + 12 anos
  • Mín. 8 – máx. 22 / 2€

«Março é um mês de começos no hemisfério norte. […] Em muitas espécies, a época de reprodução inicia-se com o estabelecimento de um território pelo macho, que servirá para atrair a fêmea com a qual acasalará. Seguir-se-ão etapas como a edificação do ninho, a postura, a incubação e a eclosão dos ovos; a posterior alimentação dos pintos até à sua emancipação, que culminará no abandono do ninho e na dispersão. Porque tudo isto decorre apenas em algumas semanas, as aves têm de percecionar sinais do ambiente que as rodeia capazes de lhes transmitir mensagens como: “É chegada a hora!” Mas como as aves não conhecem o calendário gregoriano, é pelo aumento do fotoperíodo […] que surge o balanço hormonal responsável pelos comportamentos associados à reprodução.» (in Rabaça, João. E, As Aves dos Jardins Gulbenkian)

Esta atividade visa não só dar a conhecer as espécies de aves mais comuns da avifauna nidificante do Jardim Gulbenkian, mas também mostrar a importância do crescimento dos dias na sua dinâmica anual.

Conceção e orientação: João E. Rabaça

Para todos os públicos

PEQUENOS HERBÁRIOS DE SOMBRAS – Oficina de stencil e pintura ao ar livre

  • 10:30 – 11:00; 11:00 – 11:30; 11:30 – 12:00; 12:00 – 12:30; 14:30 – 15:00; 15:00 – 15:30; 15:30 – 16:00; 16:00 – 16:30; 16:30 – 17:00
  • Pinhal – Jardim
  • + 5 anos
  • Mín. 8 – máx. 20 / 2€

Todas as imagens se fazem de luz e de sombra… e de sombras projetadas, sombras desenhadas, silhuetas recortadas contra a luz, simples contornos. Já pensaste no quanto nos mostra uma sombra ou uma silhueta? A partir das plantas do Jardim e utilizando apenas a luz do sol, um lápis e uma folha de papel, desafiamos-te a criar um pequeno herbário feito das sombras das folhas e flores que nos rodeiam. Vem daí captar silhuetas!

Conceção e orientação: Andreia Dias, Carlos Carrilho, Rita Luiz, Sara Inácio

BANQUETE DE PRIMAVERA – Atividade livre

  • 13:00 – 14:30
  • Jardim
  • Mín. 8 – máx. 40 / Gratuito

Para celebrar o equinócio da primavera e o recomeço de um novo ciclo de renovação e crescimento, convidamo-lo a sentar-se à mesa e a partilhar comida, saberes e histórias. Diferentes culturas assinalam este dia com rituais específicos – como o Noruz e o Hanami –, reunindo amigos e familiares em torno de pratos saborosos, realizando piqueniques na natureza e celebrando a vida. Neste banquete de primavera, gostaríamos de reunir em torno da mesa gente de proveniências diferentes, para um momento de saborosa partilha.

Cada participante deverá trazer comida para partilhar com mais alguém. Requer levantamento de bilhete.

Gulbenkian Se os dias fossem maiores - banquete no jardim

SONS ESTRANGEIROS – POESIAS BABÉLICAS – Performance de poesia

  • 14:30 – 16:30; 16:30 – 18:30
  • Diferentes espaços (galerias do Museu Calouste Gulbenkian)
  • Mín. 5 – máx. 35
  • Entrada livre

O prazer da poesia faz-se de sons, intenções e emoções. A língua original de um poema é um território incrivelmente poderoso; nele se teceram os equilíbrios frágeis entre a palavra e o sentido, entre o ritmo e a intensidade, entre o som e a forma. Neste dia, queremos mergulhar nestes sons originais e revisitar o prazer de escutar sem tradução. Para isso, convidámos gentes de geografias e idiomas diversos e pedimos-lhes que escolhessem poemas da nossa coleção (sim, existem vários!), ou inspirados pela nossa coleção, e que os dissessem no espaço do Museu.

Poemas que nos digam respeito, que falem de nós, de onde vimos e para onde vamos, nas nossas muitas línguas. Trabalhamos durante uma semana nesta construção coletiva, que reúne vozes e vontades em sonoridades diferentes, para redescobrirmos o prazer de escutar, mesmo sem entender (será possível não entender de todo?). Como resultado, povoaremos as galerias do Museu numa espécie de happening. Quer vir partilhar este espaço connosco?

Orientação e encenação: Guilherme Gomes

Informações úteis

Os bilhetes deverão ser previamente comprados/levantados por telefone 217823700, pela internet ou diretamente nas bilheteiras da Fundação Calouste Gulbenkian, e não requerem inscrição prévia.

Comprar agora

Se encontrar alguma incorreção contacte-nos por favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *