ENVOLVE-TE com o Bairro dos Museus para Escolas - Pumpkin.pt

ENVOLVE-TE a partir de casa com o Bairro dos Museus

Evento gratuito!
Desafios a Partir de Casa Bairro dos Museus

O Bairro dos Museus lança vários desafios que podem fazer no formato teleaula com os vossos alunos! Estão preparados?

Nesta fase de recolhimento o programa cultural e educativo do Bairro dos Museus irá continuar, mas desta vez à distância com a rubrica “ENVOLVE-TE a partir de casa”.

Enquanto não nos voltarmos a encontrar nos espaços culturais e naturais do Bairro, há um conjunto de desafios que podem ser feitos em formato de teleaula.

Desafios do Bairro dos Museus:

Os próximos desafios que vão encontrar convidam-vos a conhecer melhor a coleção da Fundação D. Luís I, instalada no Centro Cultural de Cascais. A partir de algumas obras aqui destacadas, são lançadas propostas criativas de exploração visual e plástica, desafios simples ao alcance de qualquer [email protected]!

Além desta coleção, os desafios vão ainda tirar partido da história do espaço cultural, o antigo Convento de Nossa Senhora da Piedade, que se reinventou ao longo dos séculos e que agora leva os visitantes a percorrerem diversas exposições temporárias de arte contemporânea.

Desafio 1

Tantas cores nesta pintura de Victor Costa! Como é que algumas linhas se mantiveram tão direitinhas no meio da confusão? Inspirem-se na exposiçao!

Experimentem encher de cor(es) uma zona de um papel grosso ou cartão, depois tapar com uma fita-cola, pôr mais cores por cima dela e voltar a tirar a fita-cola…

A fita cola de papel é melhor, mas qualquer uma serve se primeiro as colarmos noutro sítio para perderem alguma da sua força (pode ser uma almofada).

Não se esqueçam que a própria fita-cola já colorida pode ser integrada no vosso caos geométrico!

Desafio 2

A artista Manuela Castro Martins inspirou-se nas rosáceas de vitral que existem em muitas igrejas e catedrais para fazer as suas rosáceas de vidro fundido.

As peças verdes são todas iguais, mas foram dispostas de maneira diferente para criar padrões e ritmos diferentes.

Explorem a simetria e o ritmo numa rosácea feita com as colheres que têm em casa, ou com tiras de plasticina.

Se o fizerem com papel celofane e cola, até podem pendurar numa janela.

Desafio 3

O artista Filipe Rocha da Silva pintou uma rua com árvores e edifícios de uma cidade movimentada e depois cobriu tudo com muitas figuras humanas muito pequeninas… e depois voltou a sobrepor mais uma pequenina mas grande multidão desta cidade.

Desenhem a vista da vossa rua só com cores mais claras. Depois registem tudo o que acontecer na vossa rua ao longo destes dias com miniaturas feitas com cores mais escuras: vão acrescentando por cima do desenho inicial mesmo que não tenha sido naquele sítio (e mesmo que nunca tenham visto o cão que ladra daquela maneira).

As coisas que se repetirem, são desenhadas por cima do respetivo primeiro registo.

Tudo conta: o carteiro, o autocarro, a chuva… E podem ter uma folha para cada janela.

Desafio 4

Esta obra de Noé Sendas já enganou, e até assustou, muitas pessoas que não estavam à espera de encontrar duas “pessoas” sentadas no escuro a meio da exposição ACERVO – Coleção da Fundação D. Luís I.

Conseguem criar em casa uma figura tão realista que engane alguém?

Um dos truques é tapar tudo o que é mais difícil de imitar: pés dentro de sapatos, mãos nos bolsos ou com luvas e cara tapada por uma peruca ou um chapéu.

Desafio 5

As figuras brancas desta pintura de Justino Alves fazem muitos visitantes pensar que construção sairia daqui se estas “peças” se encaixassem umas nas outras.

E que tal experimentarem isso mesmo, criando uma escultura em papel?

Basta desenharem estas formas em restos de cartolina ou até no interior de uma caixa de cereais (que podem pintar), recortá-las, fazer um pequeno corte em cada uma delas e decidir qual juntar com qual, corte com corte.

Lembrem-se que, para ser uma escultura, deve ter três dimensões: comprimento, largura e altura.

Desafio 6

Sugerimos que, inspirados nesta obra de Emília Nadal, investiguem com cuidado uma romã/ noz/ planta/ flor aí de casa.

Registem, sem pressa, tudo o que observarem com os olhos e as mãos – textura, peso, temperatura, cores e tons, zonas de luz e sombra.

Todos esses elementos podem ser postos num desenho feito com um só lápis, ou outro riscador, experimentando linhas feitas com suavidade ou mais pressão, mais afastadas, juntas ou até sobrepostas.

Com 4 desenhos feitos, é altura de os organizar numa composição que procure representar a passagem do tempo – a vida silenciosa do que escolheram desenhar.

Desafio 7

Através da representação do corpo, Sérgio Pombo explora a ideia do múltiplo sempre diferente. Que é como quem diz, a repetição sem nunca repetir.

Para explorarem esta ideia, a partir de um único desenho da figura humana, recortado para servir de molde a outros tantos iguais, criem um livro-corpo, repetindo as formas das páginas mas não o que nelas desenham, pintam, colam, escrevem ou cosem.

Esse livro pode mostrar o que guardam dentro. No final, basta unir todas as folhas dando um nó com um pouco de linha em dois ou três pontos furados com uma agulha (mas devem experimentar abrir e fechar antes de apertar).

Os Parques e Jardins do Bairro dos Museus também não quiseram ficar de fora e deixam-vos com mais uns super desafios!

Sempre na relação com o Património Cultural e Natural do Bairro dos Museus, queremos que continuem ligados à Natureza e à Arte de forma criativa e lúdica, desta vez a partir de casa.

Vão surgir desafios relacionados com o tema da Paisagem. As propostas levam até casa a paisagem do Bairro dos Museus e desafiam-vos a observarem a vossa paisagem através das janelas de casa.

Desafio 8

Partilhamos a última fotografia que o Serviço Cultural e Educativo do Bairro dos Museus, pelos Parques e Jardins, registou antes do isolamento social.

Destacamos as flores brancas e rosas da Prunus cerasifera var. pissardii no Parque Marechal Carmona.

Desafio entre Paisagens “Da minha janela vejo”: publiquem a última fotografia da Natureza que tiraram com o telemóvel antes deste isolamento (não vale batotas).

Identifiquem o local e uma palavra que essa imagem vos faça lembrar.

Desafio 9

Conta-se que esta Oliveira (Olea europaea L.) chegou do Alqueva, aquando a construção da sua barragem, transportada num camião com outros exemplares de Árvores, directamente para o Parque Marechal Carmona.

Quem já reparou na sua forma curiosa?

Vista de vários lados pode fazer lembrar tanta coisa… há crianças que já viram um dragão, outras uma velhinha e esta fotografia o que vos faz lembrar? A sua abertura pode ser uma janela, o que vemos do através dela?

Desafio 1:
Abram as janelas da vossa casa; elas vão ser nossas aliadas para garantir o contacto com o lado de fora. Sintam o ar fresco entrar, a temperatura e a luz que oscilam ao longo do dia. Que natureza conseguem ver do lado de fora? Quantas plantas e/ou árvores vêm na rua, nas casas dos vizinhos ou mesmo no jardim/terraço/varanda da vossa casa? Registem (com desenhos simples, com escrita ou fotografias) tudo o que os vossos olhos alcançam que seja natural (e aproveitem para refletir sobre o que é a natureza, e o que é natural).

Desafio 2:
Experimentem agora observar a paisagem por 1 minuto. Fechem os olhos e tentem desenhar de memória tudo o que viram. Tentem recuperar todos os detalhes. Abram os olhos e vejam a paisagem novamente. O que faltou nos vossos desenhos?

Desafio 10

Quem já foi ao Parque Marechal Carmona não se esquece da presença dos seus habituais habitantes que vivem “à solta” neste parque do Bairro dos Museus.

Já pensaram que estes continuam no seu habitat natural, agora isolados da presença humana e provavelmente a estranharem a nossa ausência?

Desafio/ jogo em família: Que animal sou eu? 

Vão precisar de algumas imagens de animais que gostem (do tamanho de um postal), podem ser cartas de algum jogo que tenham em casa; podem também criar as vossas próprias cartas com recortes de revista, fotografias ou desenhos.

Com uma mola da roupa, prende-se uma imagem de um animal nas costas de um participante; o objetivo é adivinhar qual o animal que se tem nas costas: o participante deve fazer perguntas aos restantes familiares (às quais as respostas só podem ser “sim” ou “não”) na expectativa de recolher o máximo de pistas até identificar o animal que lhe foi atribuído.

Os próximos desafios que vão encontrar convidam-vos a descobrir desde o trabalho de Paula Rego, a exposição “Desenhar, Encenar, Pintar”, passando pela coleção da Casa das Histórias Paula Rego, até à génese do edifício da autoria de Eduardo Souto de Moura.

A partir de algumas obras aqui destacadas, são lançados desafios simples ao alcance de qualquer [email protected], que podem ir desde o ato de (re)contar histórias entre família (mesmo à distância!), alguns desafios de desenhos a partir de outros de Paula Rego, ou pequenas encenações de lugares imaginários (com o que estiver ao vosso alcance em casa) à semelhança do que a pintora recria no seu ateliê em Londres.

Desafio 11

Cortina 

Convidamos à criação de pequenos teatros dentro do vosso espaço.

Material:

  • Máscara – 1
  • Boneco – 1
  • Peça de roupa – 1
  • Peça de mobiliário – 1
  • 1 elemento à vossa escolha

Com esse material criem os vossos próprios cenários e contem-nos uma história. Se quiserem, assim como faz a Paula, que constrói para desenhar, desenhem o vosso teatro – história.

Desafio 12

Qual o estilo(s) das heroínas de Paula? 

O que define um herói ou uma heroína? Quem são e o que os identifica? Marina Warner refere que Paula Rego encheu a Casa das Histórias com as suas heroínas.

Mas afinal quem são elas e qual o seu estilo? Como se caracteriza ou define a sua maneira de ser e de estar?

Deixem-nos palavras que revelem o estilo destas heroínas!

Desafio 13

1, 2, ?

Como continua este desenho? Princípio, meio e fim…

1, 2, ?

Como continua este desenho? Princípio, meio e fim…

A Paula Rego muitas vezes surpreende com o desfecho que dá aos seus trabalhos, reconhecimento e surpresa muitas vezes caminham juntos!

No site do museu encontram um conjunto de imagens (no setor da “Coleção” à pintura/ desenhos) que podem imprimir nas vossas casas e continuar das formas mais improváveis ou prováveis que quiserem.

Desafio 14

Conta-me uma história…

Ao longo destes dez anos um dos momentos que mais marcou o programa do museu foi o “Conta-me Histórias”. Hoje, e neste formato à distância, devolvemos o desafio aos nossos públicos para serem verdadeiros contadores.

Paula Rego costuma dizer-nos que os seus quadros são histórias que nos conta. As histórias são também a sua principal fonte de criação artística, histórias com as quais cresceu, e que eram contadas pelo pai e pela tia-avó Ludgera. Histórias que marcam momentos únicos de união, de brincadeira, de criação, e de partilha.

Nesta altura em que nos vemos afastados de quem mais gostamos, pensem numa história que gostem e partilhem-na com os vossos netos, sobrinhos, filhos, pais, avós, ou amigos.

Deem largas à imaginação e partilhem-na em vídeo com o Bairro dos Museus!

O Bairro dos Museus fica à espera de ver as vossas criações que daí vão surgir! Por isso, continuam igualmente disponíveis para vos acompanhar nestas atividades, através dos nossos emails: 

Preparados? Podem sempre planear uma atividade por dia e, assim, têm 14 dias na agenda preenchidos 🙂

Vamos a isso? Partilhem connosco também!

Também vos pode interessar:

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *