Quais os tipos de vinculação e como influenciam a vida do bebé? - Pumpkin.pt

Quais os tipos de vinculação e como influenciam a vida do bebé?

tipos de vinculação

Sabiam que o comportamento dos bebés – perante os adultos cuidadores e as situações do dia a dia – reflete desde sempre os seus sentimentos?

Os bebés não falam, mas expressam-se desde o primeiro dia de vida através das suas reações. Absorvem tudo aquilo que vivem a partir do momento em que abandonam o útero da mãe, embora por vezes não nos apercebamos disso pela sua incapacidade de se manifestarem. Por isso é que os tipos de vinculação estabelecidos com um recém-nascido são tão importantes.

A qualidade afetiva e as experiências do bebé influenciam de modo inquestionável o seu desenvolvimento físico e emocional, e moldam desde logo muitas das suas relações, formas de pensamento, capacidade de aprendizagem e comportamento ao longo da vida.

Ou seja, as expectativas que o bebé desenvolve em relação aos cuidadores (modo operativo interno), em situações emocionalmente significativas e tendo como base a repetição de respostas, vão definir em muito a forma como a criança se colocará no mundo perante si e os outros.

Os comportamentos de sinalização do bebé – como o choro, o sorriso, o olhar – vão orientar os cuidadores na sua relação com a abobrinha. Estes comportamentos, sendo diferentes de e para com cada pessoa, podem ajudar a perceber alguns desajustes de abordagem ou, em casos extremos, abusos ou perigos.

Por isso, promover uma vinculação segura entre os pais, os cuidadores principais (avós, tios, educadores) e o bebé é fundamental para o saudável desenvolvimento da saúde mental da criança, no presente e no futuro.

Não é segredo que crianças amadas são crianças mais felizes, mas como é que isto se verifica cientificamente?

Tipos de vinculação: vinculação segura

Na vinculação segura, o cuidador responde às necessidades da criança de modo carinhoso e seguro, reage sempre às manifestações da criança, oferecendo-lhe colo, consolo, comida, está disponível física e emocionalmente para a interação com o bebé, mima-o e é um porto seguro.

Nestas condições, a criança reage positivamente à presença e aproximação deste adulto, acalma-se com a sua presença e colo, e procura proximidade física com esta pessoa.

Ao crescer num ambiente amoroso, a criança desenvolve um modo operativo interno confiante: sente-se seguro no seu mundo, acredita e confia nos outros, e tem uma noção positiva do seu valor – sente-se digno de ser amado, respeitado.

Tipos de vinculação: vinculação insegura-evitante

Na vinculação insegura-evitante, o cuidador mostra tendência a ser indiferente ao bebé. Como está por hábito indisponível, não responde ou rejeita as chamadas de atenção da criança, o bebé passa a atual dentro dos mesmos moldes: não reage com tristeza à separação, não reage com alegria ao reencontro e passa progressivamente a rejeitar proximidade física com o adulto.

Ao crescer num ambiente com este tipo de vinculação predominante, a criança desenvolve um modo operativo interno inseguro e voltado para agradar o outro: sente-se rejeitado e por isso com a responsabilidade de se proteger desde muito cedo. Externamente, oculta as suas necessidades, comporta-se de acordo com as expectativas de terceiros e cuida dos demais, tudo para ser amado.

Tipos de vinculação: vinculação insegura-ambivalente

Na vinculação insegura-ambivalente, o cuidador tem tendência a ser imprevisível e inconstante, o que causa uma grande ansiedade ao bebé, que fica perturbado ou inquieto quando está, e quando não está, com o adulto.

Como não sabe o que esperar, ao crescer com uma vinculação insegura-ambivalente constante, a criança vai enfrentar a vida de forma desconfiado, nunca confiando a 100% em ninguém.

Tipos de vinculação: vinculação insegura-desorganizada

Na vinculação insegura-desorganizada, o cuidador é gravemente negligente ou, em situações extremas, abusivo. As suas respostas são por norma agressivas, agitadas, ansiosas.

A criança manifesta desde muito cedo uma personalidade também ela insegura e potencialmente agressiva: afasta-se do cuidador, esconde-se dos outros, manifesta muito medo e resistência a estar com o adulto.

Evidentemente, ao crescer num ambiente com vinculação insegura-desorganizada, o bebé vai tornar-se uma criança extremamente vulnerável, com sentimentos de culpa e de rejeição acentuados, não tendo noção do seu valor enquanto ser humano e desenvolvendo uma auto-estima muito baixa.

Também vos pode interessar: 

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *