Bebés > Mãe no pós parto > Recuperação pós parto

Sexo pós-parto: como retomar a vida íntima

sexo pós-parto - foto de um casal - Foto Toa Heftiba (Unsplash)

Foto: Toa Heftiba (Unsplash)

Depois da gravidez, voltar a ter uma vida sexual ativa nem sempre é fácil para muitas mulheres. Veja o que fazer e como pode mudar esta nova realidade.

Após o processo de transformação que o corpo passa durante a fase da gravidez, chega o pós-parto e para aqueles cujo sexo na gravidez foi um tema complicado, o retomar à normalidade da vida íntima do casal é também um tema complexo e que merece atenção e esclarecimentos.

Sexo pós-parto

Retomar a atividade sexual depois de ter um bebé nem sempre é fácil para as mulheres. Com menos tempo, várias alterações hormonais, pouco descanso e alguma irratibilidade, é normal que haja uma menor pré-disposição para as relações íntimas com o/a seu/sua companheiro/a. Além disso, é uma altura em que surgem muitos medos e receios relacionados também com a recuperação pós-parto.

De acordo com o que a ginecologista e obstetra Sofia Serrano declarou ao Delas.pt, nem todos os companheiros têm facilidade em compreender o cansaço extremo da mulher: “Muitas vezes os maridos não percebem o que a mulher esteve a fazer o dia todo – cuidar do bebé. Há bebés que são difíceis, uns têm cólicas, outros ainda não têm intervalos certos para mamar… E as mães não conseguem descansar o suficiente”.

Quando pode retomar a vida sexual após o parto?

O sexo no período pós-parto tem algumas restrições. Segundo as declarações de Sofia Serrano ao órgão de informação, “o ideal é a mulher só retomar a vida sexual seis semanas após o parto, independentemente do tipo de parto. Nessa altura, deve ser feita uma consulta de revisão pós parto para verificar se está tudo a correr bem com a recuperação e a cicatrização do útero, no caso da cesariana, ou da cicatrização do períneo, quando teve um parto normal”.

É, portanto, aconselhável que antes de reiniciar a sua vida sexual consulte o médico a fim de saber quais as recomendações para o seu caso – não se esqueça que cada mulher é uma mulher e a velocidade de cicatrização e recuperação difere de indivíduo para indivíduo. Tudo isto com um único objetivo: evitar complicações pós-parto, garantindo uma experiência agradável e satisfatória para ambos os membros do casal.

Principal receio do sexo pós-parto

O receio de ter dor é o medo mais comum entre as parturientes.

Quando o parto é normal e no qual ocorre a necessidade de fazer um pequeno corte na região do períneo, é possível que haja uma alteração de sensibilidade “naquela zona, porque fica ali uma cicatriz e a vagina é muito sensível”, refere a obstetra ao site. Mas, logo de seguida, explica que com o tempo essa sensação vai passando”.

Formas de relembrar quão bom e importante é sentir prazer

sexo pós-parto - foto de um casal a beijar-se ao pôr do sol- Foto Unsplash

Sabemos que o sexo é saudável e que faz bem tanto ao corpo quanto à mente, mas, por indicação médica, há mulheres que são desaconselhadas – ou proibidas até -, de o praticar durante a gravidez.

Nesses casos, pode ser ainda mais difícil retomar uma atividade que está, há muito, posta de lado. Trazemos-lhe algumas dicas para que volte a descobrir o prazer.

1. Observe-se e toque-se

Depois dos pontos serem retirados ou absorvidos (existe as duas possibilidades), é importante quebrar tabus – que possa eventualmente ter – e tocar-se, para perceber se sente dor ou desconforto.

Após o parto, o corpo da mulher leva, em média, entre três a quatro semanas a voltar à sua forma inicial, período este chamado de “puerpério”. Findo esse tempo, o corpo da mulher corpo estará, na teoria – podendo não estar ainda na prática, preparado para retomar a rotina sexual.

Quanto mais normal tiver sido o parto, mais rápida será a recuperação. Mas, uma vez mais reforçamos que, como diz a ginecologista da Clínica de Santo António, Marcela Forjaz, à revista Saber Viver“Tudo depende de como a mulher se sente. Desde que não haja desconforto, pode retomar a vida sexual”.

2. Não se esqueça de namorar

sexo pós-parto - foto de um casal - Foto Unsplash

Antes de terem o bebé, eram um casal. Não se esqueçam que a troca de carinho e a preservação do tempo enquanto namorados é muito importante para manter a chama acesa e o amor crescer ainda mais.

O sexo é uma parte importante da relação de um casal, mas não é tudo. Se não houver carinho, amor e compreensão a tarefa de se voltarem a ligar intimamente torna-se mais difícil.

3. Escolha um lubrificante

De acordo com um estudo levado a cabo pela Maternal Health e a Maternal Morbidity, a percentagem de mulheres afetadas pela dor na penetração quase duplica três meses depois do parto, passando de 23% antes do parto para 44% no pós-parto. Uma das responsáveis por isso acontecer é a secura vaginal, provocada pelas hormonas (em especial peça prolactina, hormona que produz o leite materno) e que se verifica tanto no pós, como no pré-parto.

Sofia Serrano confirma as conclusões do estudo irlandês: “Utilizar um lubrificante nas primeiras vezes pode ajudar, porque devido às hormonas e ao período de amamentação, muitas mulheres acabam por ter alguma secura vaginal”.

4. Posições alternadas e diferentes tipos de estimulação

A relação sexual não é apenas composto pela penetração. O toque, as carícias, os carinhos e beijinhos fazem parte. Se em determinadas posições sente dor, por que não explorar outras novas?

Mas não se esqueça que a relação íntima é muito mais do que o ato sexual em si. Existem várias formas de estimulação que irão reaproximá-la do/a seu/sua parceiro/parceira. Explore-as sem tabus e quem sabe não descobrirá uma vida sexual muito mais satisfatória do que antes?

5. Converse com o/a seu/sua parceiro/a

O importante é que a comunicação nunca falhe, pois é a base de qualquer relação. Se expor os seus receios, os problemas, é mais fácil para o outro lado compreender o que se passa consigo e a razão da falta de desejo sexual e poderão discutir em conjunto o que fazer para ultrapassar estes “problemas” temporários.

Estudos e conclusões

sexo pós-parto - foto de um casal apaixonado a trocar carinhos- Foto Unsplash

Todos os receios e a falta de informação sobre o que fazer e como fazer para que a vida sexual do casal volte a ser ativa como antes ou durante a gravidez levam a algumas conclusões do estudo da Maternal Health e da Maternal Morbidity:

  • Se, antes da gravidez, as mulheres afirmavam, na sua maioria (54%), terem relações sexuais uma a duas vezes por semana, o que mudou totalmente um ano depois do nascimento do bebé apenas 44% tinham sexo 1 a 2 vezes por semana, registando-se assim uma descida de 10 pontos percentuais.
  • Além disso, 50% das mulheres entrevistadas declararam estar muito satisfeitas com a sua vida sexual antes da gravidez, mas passado um ano de terem tido bebé, apenas 1 em cada 4 se encontravam satisfeitas.

Num outro estudo semelhante, realizado por uma equipa de investigadores da Austrália, que reuniu cerca de 1.500 mulheres que iam ser mães pela primeira vez, 45% das que realizaram uma cesariana voltaram a ter sexo passadas seis semanas. No entanto, apenas 32% das mulheres que tiveram um parto vaginal normal voltaram a ter relações sexuais após esse período [seis semanas].

Estas investigações têm como principal objetivo mostrar às recém-mamãs que a falta de líbido, secura vaginal e dor na penetração é perfeitamente normal e afeta muitas mais mulheres – e não só – do que aquilo que possam pensar e que há como dar “a volta à questão”.

Um pouco de imaginação e criatividade e a vida sexual vai-se recompondo naturalmente.

Se encontrar alguma incorreção contacte-nos por favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *