Comer a placenta traz benefícios à saúde? - Pumpkin.pt

Comer a placenta traz benefícios à saúde?

comer a placenta

A moda foi lançada por algumas figuras públicas, mas existe alguma prova científica de que comer a placenta é benéfico para a mãe e para o bebé?

Dizem que sabe a fígado. Que repõe os níveis de ferro perdidos pela mulher durante a gestação e o parto. Que melhora a disposição. Que combate a depressão pós-parto. Que pode ser consumida em cápsulas, em batidos ou até cortando-a em pedaços e mastigando. A grande questão que se coloca é: comer a placenta traz de facto algum benefício à mãe (ou ao bebé)?

O que é a placenta?

A placenta é um órgão formado durante a gestação e que promove entre a mãe e o feto, garantindo as condições ideais para o desenvolvimento do bebé.

Este órgão presente na classe dos mamíferos vivíparos – como nós! – tem como função facilitar a troca de substâncias (oxigénio, nutrientes, gases e secreções) na gravidez, assumindo temporariamente as funções de órgãos como os pulmões, o intestino, o rim e o fígado.

Normalmente, a placenta está fixada na parede superior do útero até ao nascimento do bebé.

A origem do hábito de comer a placenta

A placenta é um dos subprodutos do parto e, na maioria dos casos, é descartada após o nascimento do bebé.

No entanto, é um órgão reverenciado em muitas culturas e, nos últimos anos, foram várias as notícias que davam conta de uma nova moda: a de algumas famosas que, após darem à luz, decidiram consumir a sua placenta.

Kim Kardashian e Hilary Duff são algumas das personalidades que já ingeriram a placenta por acreditarem que previne a depressão pós-parto. No entanto, as opiniões fundamentadas e científicas divergem em relação aos riscos associados.

Há vantagens em comer a placenta?

Os benefícios da placentofagia, precisamente o ato de consumir a placenta, ainda não são sustentados por estudos coletivos, estando baseados em alegações individuais.

Segundo a revista Saúde, a pesquisadora Sharon Young, da Nevada University, realizou uma experiência com um grupo de voluntárias, na qual metade das participantes recebeu suplementos feitos a partir da sua placenta desidratada, enquanto a outra metade ingeriu cápsulas de carne vermelha desidratada.

As conclusões foram duas e não trouxeram grandes respostas ao debate: se é verdade que os comprimidos feitos a partir da placenta humana continham cerca de sete vezes mais ferro do que as de origem animal, também o é que a absorção do mineral por parte dos dois grupos não teve uma diferença significativa.

Ou seja, de um lado temos os estudos, inconclusivos, e do outro, o depoimento de mulheres que decidiram abraçar a prática, e que relatam experiências positivas. Não havendo contra-indicações conhecidas, é acima de tudo uma escolha individual – ainda que faça sentido conversar com o médico assistente para ouvir as suas recomendações.

Uma coisa é certa: de forma a evitar riscos desnecessários, já que se discute a possibilidade de a placenta conter bactérias e vírus, o seu consumo não deve acontecer sem cozedura prévia.

Também vos pode interessar: 

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *