Bebés > Crescimento do bebé > Desenvolvimento do bebé

Desfralde, o segundo passo!

Desfralde, segundo passo

Preparados para o segundo passo do desfralde? Vera Dias Pereira, do blog ‘As Viagens dos Vs‘ dá-nos as 11 dicas essenciais para concluir com sucesso este passo tão importante para os mais pequenos.

Não sabem se estão prontos? Conheçam o primeiro passo.

Voltando ao tema desfralde e, depois de ter iniciado (a sério) este processo, há cerca de um mês, penso (eu disse somente penso) que o pior já passou. Digo o pior, porque ainda não me mentalizei para passar à fase seguinte: tirar a fralda à noite.

Depois de uma fase conturbada, onde dava por mim a lavar cuecas onde quer que fosse (porque o grande problema sempre foi o cocó e não tanto o xixi), durante a qual eu desesperava muitas vezes, o Vicente, neste momento, já pede para ir à casa de banho 95% das vezes. Obviamente que se estiver distraído (e eu também) lá acontece um descuido ou outro.

E o que é que mudou neste últimos dias? O que é que eu fiz de diferente? Na verdade, nada. Apenas houve um dia em que o Vicente começou a chamar-me porque queria fazer cocó.

Escusado será dizer que, foi a alegria geral por aqui. E só quem tem filhos, percebe a importância que um momento destes representa nas vidas de todos. No entanto, e cá entre nós, com os dias de calor, optei por pô-lo a andar sem cuecas, assim de certeza que ia acabar por se sentir desconfortável, acabando por pedir para ir à casa-de-banho.

Na minha opinião, o grande segredo para que tudo isto corra bem, é, sem dúvida, esperar pelo momento certo e aceitar que cada criança tem o seu. 

Nós não devemos cair na tentação de rotular as coisas ou de comparar o nosso filho com os outros, porque se há crianças que estão preparadas para tirar as fraldas logo por volta do primeiro ano de idade, com outra isso pode acontecer apenas depois dos 3 anos.

Por isso, vamos relaxar, esperar os sinais (podem relembrar quais são eles aqui) e depois avançar, sem pressas nem pressões! Começar a fazê-lo antes do tempo, não só torna o processo mais longo, como também pode tornar-se mais desgastante e stressante para todos.

Mas, para além disso, devemos ter a consciência que este processo é, por norma, mais fácil e mais rápido nas meninas e que no primeiro filho demora muito mais, quando comparado com uma criança que já tenham irmãos.

Contudo, bem sei, que nos sentimos mais confortáveis em “partir para o desconhecido”, quando lemos sobre o assunto e quando conhecemos as eventuais técnicas que podemos adoptar para nos ajudar a, pelo menos, sentirmo-nos mais seguros e transmitir essa mesma segurança ao nosso filho. Por isso, partilho com vocês algumas das dicas que eu própria li e que vos podem ser igualmente úteis. Ora vejam:

1. Deixá-lo aprender pela imitação.

Se ainda não o faz, deixem-no ir com vocês sempre que vão à casa-de-banho (com o pai e com a mãe). É uma boa forma da criança aprender as diferenças e de como deve ser usada a sanita.

Esta é peanuts por aqui, pois são raras as vezes que consigo ir à casa de banho sozinha, desde que o Vicente nasceu e quando vou, sou obrigada a deixar a porta aberta.

2. Ter o equipamento certo.

Há quem opte pelo penico e há quem prefira o redutor. Aqui o que importa é perceber o que os deixa mais confortáveis e seguros. O penico pode ser o mais recomendado de início, porque ele consegue ter os pés assentes no chão, o que lhe permite fazer força.

Os redutores são mais práticos e higiénicos, porque não tem que se lavar a seguir e com um banquinho também se revolve a questão da distância dos pés ao chão.

O Vicente sempre preferiu ir directamente à sanita, talvez porque na escola tenha começado a ir com os mais crescidos à casa de banho e usar as sanitas pequeninas.

3. Deixá-los acostumarem-se com o penico/redutor.

Devemos mostrar-lhe que o penico e/ou o redutor é dele e explicar-lhe para que servem. Deixá-lo sentar-se lá, até mesmo com roupa, nas primeiras vezes, apenas para se acostumar.

Podem também levar um boneco, que ele gostem, que faça xixi com ele.

Se ele oferecer resitência ou não quiser, nunca forçar. Isso é dos nossos maiores erros.

4. Comprar as cuecas especiais.

Deixem-no escolher as que mais gosta. Por aqui, os bonecos e os carros resultaram que foi uma maravilha.

5. Criar uma estratégia.

Por exemplo, pensar se querem tirar a fralda de uma vez só ou, se pelo contrário, o vão fazer de forma gradual.

Devem pensar nas consequências e vantagens de cada uma delas e qual será mais fácil de implementar na vossa rotina. Tirar de uma só vez agiliza o processo, no entanto, devemos estar preparadas para a probabilidade de ocorrer um maior número de incidentes. Já fazê-lo gradualmente pode ser mais demorado, mas encaixar-se melhor nas rotinas e compromissos (viagens de carro, passeios, escola…).

6. Andar com o menos roupa possível.

E nisso o bom tempo ajuda muito. Para nós, é um descanso, porque não se lava tanta roupa e ele não se sente tão desconfortável por ter a roupa molhada.

7. Facilitar as coisas.

Deixá-lo usar roupa prática, que seja fácil de subir e descer e cuecas mais largas. Deixar a porta da casa-de-banho aberta, com o banco junto a sanita ou o penico acessível. 

8. Controlar a nossa frustração.

Este processo por acabar por demorar mais tempo do que aquele que nos pensamos e/ou gostaríamos que demorasse e, mesmo as crianças que aprendem rápido, podem ter pequenos deslizes. Isso tudo é natural e nós devemos saber relativizar e não deixar que ele se sintam mal.

9. Divirtam-se!

Sim, devemos tornar as coisas divertidas, leves e naturais. Usem a vossa criatividade, associando, por exemplo, uma história aquele momento, deixando-o puxar o autoclismo (o Vicente adora dizer adeus ao xixi e ao cocó e a seguir puxar o autoclismo), podem ainda fazer um quadro com autocolantes, como uma espécie de prémio ou distraí-lo com livros. Vale tudo 🙂

10. Saber quando é o momento certo para tirar a fralda à noite.

Começar a pensar nisso quando as coisas de dia já estiverem a correr mesmo, mas mesmo bem. E, de seguida, começar a observar como está a fralda assim que acorda, se começar a estar seca, então é uma boa altura para avançar. 

11. Fazer uma grande festa quando as fraldas forem definitivamente embora!!!! YAY!!!! YAY!!!!

 As Viagens dos Vs