Mitos da Amamentação: Conheça-os! - Pumpkin.pt

Mitos da Amamentação que não passam disso mesmo, mitos!

mitos da amamentação - Unsplash

Após o nascimento, muitas são as pessoas que tentam vender as suas ideias/histórias/experiências como factos incontestáveis, sendo daí que surgem os mitos da amamentação. Aqui desvendamos alguns dos muitos que assolam a cabeça das recém-mamãs.

Durante a gravidez e o aleitamento materno muitas são as histórias e ideias que nos tentam vender como certas e absolutamente inquestionáveis. Daqui nascem os Mitos.

A Pumpkin fez um levantamento dos mitos de amamentação mais frequentes, aos quais respondemos no artigo, justificando cada um deles através da ajuda de um especialista.

Mitos da Amamentação

1. O bebé deve ser amamentado de 3 em 3 horas.

mitos da amamentação - Foto Pexels

“Não há intervalo para mamar. Isso é uma regra importada da regra do biberão. Os bebés que bebem leite de fórmula bebem a mesma quantidade todos os dias e a todas as mamadas.” Com o bebé que bebe leite materno não é bem assim, porque o leite se modifica de mamada para mamada, durante a mamada, ao longo do dia e ao longo dos meses.

Ou seja, como diz a consultora de lactação Graça Gonçalves, apenas o bebé que nasceu já “com a capacidade de saber o que precisa é que vai saber dizer-nos exatamente quando, a que horas e a quantidade” de leite que necessita.

2. Uma mulher com o peito pequeno, não produz leite suficiente.

A capacidade de amamentar não depende do tamanho do peito. A produção de leite tem origem nas glândulas mamárias, que quase sempre produzem leite em quantidade suficiente, independentemente se a mãe tem um peito pequeno ou grande.

Segundo a pediatra Graça Gonçalves, o leite tem a ver com a glândula mamária e o tamanho da mama tem a ver com a gordura que está à sua volta. Se tiver muita gordura é capaz de ter um peito maior, mas não quer dizer que seja melhor produtora de leite materno.

3. “O meu leite é fraco”.

mitos da amamentação -shutterstock_301455563

A neonatologista Ana Melo explica que:

Não existe leite fraco. É verdade que, às vezes, os bebés podem não aumentar tanto de peso”, o que não é necessariamente mau, porque um dos maiores benefícios do aleitamento materno um do aleitamento materno é a prevenção da obesidade.”

Contudo, o leite da mãe tem todas as qualidades necessárias para nutrir. Este é mais do que um alimento, é uma nutrição. É ajudar aquela criança a desenvolver-se.

“É a primeira vacina natural, porque também transmite alguns fatores imunológicos que protegem estes bebés, sobretudo nos primeiros anos de vida, de algumas doenças, alergias, infeções e obesidade.”

4. O leite materno acaba.

mitos de amamentação Badarsk Pixabay

De acordo com a neonatologista, o leite não acaba.

“Se continuarmos a dar de mamar, ele vai continuar a produzir. Se o bebé continuar a mamar, nós continuamos a produzir enquanto eles fizerem essa estimulação.”

Ou seja:

Enquanto a mãe der de mamar, é como se tivesse uma “fábrica” inteira a funcionar dentro da mulher e não apenas um “ simples depósito” – à medida que o bebé vai estimulando o peito da mãe, esta vai produzindo leite para as necessidades do pequeno. Logo, o leite não acaba.

5. Quando o bebé fica muito tempo a mamar, faz lesões nos mamilos.

mitos da amamentação - foto Mama Natural

A pega bem feita faz com que o ato de amamentar não magoe a mãe. Se a pega está muito superficial e faz fricção apenas no mamilo existem, segundo Graça Gonçalves, tem duas consequências graves: dar cabo dos mamilos da mãe;

Quando dói quer dizer que algo que não está a correr bem. Há então que procurar ajuda junto de entidades de apoio à amamentação, à linha SOS Amamentação ou até mesmo junto do seu médico, para que lhe deem dicas de como amamentar, as diferentes posições e como o bebé deve fazer a pega correta.

5. Se o bebé quer mamar muitas vezes é porque o leite da mulher não o satisfaz.

mitos da amamentação - Brytny3 Unsplash

O bebé pode ter que comer de duas em duas horas, “uma situação perfeitamente normal”, atesta a pediatra e consultora de lactação Graça Gonçalves.

No entanto, os bebés também choram por outros motivos. Não o fazem apenas quando têm fome. Sendo o choro a sua forma de comunicar connosco, as crianças choram para pedir atenção, quando têm sono, quando querem colo, quando querem comer, quando têm cocó e por muitos outros motivos.

Além disso, “quando eles pedem muita mama, muitas vezes é porque querem o conforto e o miminho da mãe”, esclarece.

Portanto, este mito não passa mesmo de um mito. O bebé pode querer leitinho, miminho ou só colinho e uma das formas de o conseguir é chegando à mama!

6. Quando a mãe está doente ou a tomar alguma medicação deve parar de amamentar.

mitos da amamentação - unsplash -pina messina

De acordo com a especialista em aleitamento materno, a maioria das doenças das mães e dos fármacos por elas utilizados não contraindicam a amamentação.

Avança ainda que existe um site – e-lactancia – no qual as mães podem ver se a doença ou o fármaco que estão a tomar é impeditivo para dar de mamar.

7. A amamentação deve durar, no máximo até aos dois anos.

mitos da amamentação - Unsplash Thiago Cerqueira

A amamentação deve durar enquanto for harmonioso para a mãe e para o bebé, e também para a família. É claro que à medida que os meses e anos vão passando, e à medida que se vão introduzindo novos alimentos, o bebé não irá pedir leite com tanta frequência.

A OMS defende que os bebés devam ser alimentados com leite materno até aos dois anos, sendo recomendado que a sua alimentação seja exclusivamente feita do leite da sua mãe até completar seis meses de vida. No entanto, há várias evidências sobre o valor do leite humano depois dos dois anos de vida da criança. Além de manter o vínculo mãe-filho, o leite contém quantidades importantes de vitaminas, sais minerais, nutrientes e proteínas, continuando a proteger e prevenir o foco de algumas doenças e infeções.

Segundo dados divulgados pela Unicef, no segundo ano de vida da criança 500 ml de leite materno saciam 95% das necessidades de vitamina C, 45% das de vitamina A, 38% das de proteína e 31% do total de energia que a criança precisa no seu dia a dia.

Nunca se esqueça: nem tudo o que ouve é verdade, e idade nem sempre é sinónimo de “conhecimento certo e inquestionável”! Consulte um especialista se estiver com dúvidas!

Dicas:

  • No entanto, podem surgir vários problemas, entre eles a Mastite – saiba tudo sobre o tema ao clicar na palavra;
  • Conheça aqui a composição e os benefícios do leite materno;
  • Veja ainda o artigo “Amamentação: Tudo o que precisa de saber”;
  • Por último, desfrute deste momento com o seu pequeno e não se isole. Se tiver dúvidas ou questões, peça ajuda!

Este artigo foi útil para si?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *