Bebés > Alimentação do bebé > Amamentação

Leite materno: composição, benefícios e tipos de leite

Leite materno

Foto: marciomartinsro/Flickr

O leite materno é o primeiro alimento da criança, que, compreendendo os nutrientes mais importantes para que o seu desenvolvimento, irá permitir que a criança cresça saudável e forte.

O leite materno é constituído por vários nutrientes essenciais para o desenvolvimento do bebé, sendo por isso importante que seja o primeiro alimento do bebé.

Conheça a sua composição, os seus benefícios e as diferentes fases do leite materno.

Leite Materno

Composição do leite materno

O leite materno inclui nutrientes básicos essenciais, tais como hidratos de carbono, proteínas, gordura e muita água para hidratar o bebé.

leite materno

Aqui vos deixamos uma lista de alguns dos constituintes do “leite da mamã”:

  • Incontáveis números de células vivas, nas quais se incluem os glóbulos brancos, responsáveis por reforçar o sistema imunitário e as células estaminais (que podem ajudar no desenvolvimento e regeneração dos órgãos);
  • Muitas proteínas que ajudam o bebé a crescer e a desenvolver-se, ativando o seu sistema imunitário e desenvolvendo e protegendo os neurónios do seu pequenino cérebro;
  • Essas proteínas do leite materno que falámos são compostas por aminoácidos – alguns, os nucleotídeos, têm uma maior produção durante a noite, facto que os cientistas acreditam estar ligado ao aparecimento do sono na criança;
  • Mais de duas centenas de açúcares complexos, denominados oligossacarídeos, que atuam como prebióticos (ingredientes alimentares que induzem o crescimento ou a atividade de microrganismos benéficos no corpo). Estes alimentam o intestino do seu bebé com “bactérias boas”, impedem que as infeções entrem na corrente sanguínea e diminuem assim o risco de inflamação cerebral.
  • Mais de 40 enzimas. As enzimas são catalisadores que aceleram as reações químicas no corpo, cuja tarefa é a de facilitar a digestão e o sistema imunitário do bebé, além de o ajudar a absorver ferro.
  • Têm variados fatores de crescimento que sustentam o desenvolvimento saudável da criança, cujo efeito é visível em muitas partes do seu corpo – como os intestinos, os vasos sanguíneos, o sistema nervoso e as glândulas, que segregam hormonas.
  • Inúmeras hormonas – que enviam mensagens entre os tecidos e os órgãos para garantir que estes trabalham de forma adequada. Algumas ajudam a regular o apetite e os padrões de sono do bebé.
  • Vitaminas e minerais – nutrientes que sustentam o crescimento saudável e o funcionamento dos órgãos, além de ajudarem na formação dos dentes e dos ossos do seu bebé.
  • Anticorpos, também conhecidos como imunoglobinas. Existem cinco formas básicas de anticorpos e todas podem ser encontradas no seu leite. Protegem o seu bebé de doenças e infeções, neutralizando bactérias e vírus.
  • Ácidos gordos de cadeia longa. Com um papel crucial no desenvolvimento do sistema nervoso do bebé, ajudam ainda no desenvolvimento do cérebro e da visão.
  • Cerca de 1400 microRNAs (pequena molécula de RNA – um ácido nucleico), que tem vindo a ser objeto de estudo devido à sua aparente ação de regulação da expressão genética. Estes ácidos ajudam a prevenir ou a parar o desenvolvimento de algumas doenças, mantêm o sistema imunitário do bebé equilibrado e desempenham um papel na remodelação da mama.

Ainda que esta seja já uma lista longa, estes são apenas alguns dos nutrientes importantes que constam do leite materno.

À medida que o bebé vai crescendo e as suas necessidades se vão alterando, os níveis/quantidades destes nutrientes podem sofrer alterações.

Benefícios do leite materno

Benefícios para o bebé:

leite materno - benefícios para o bebé1. Favorece o desenvolvimento respiratório, a mastigação, a fala e a sua estrutura dentária.

Sandra Lucas, enfermeira especialista em saúde infantil e pediátrica, explica em entrevista à revista Prevenir que“as crianças alimentadas pelo biberão não desenvolvem tão bem estas capacidades”, uma vez que o bebé não faz tanto esforço para sugar o leite. Contudo, “já na amamentação, o bebé coloca em funcionamento um grande número de músculos faciais”.

2. Estimula o contacto com vários sabores, acabando por preparar o bebé para a introdução de novos alimentos sólidos (geralmente, a partir dos 6 meses de idade).

A enfermeira esclarece a razão disto acontecer:

“Uma vez que o leite materno resulta da alimentação da mãe, o bebé, ao ingeri-lo, tem à sua disposição todos os sabores com que a mãe contactou. Mais tarde, com a introdução dos novos alimentos, o bebé já vai estar familiarizado com alguns dos sabores.”

3. É mais bem digerido pelo organismo do bebé.

Graças às suas propriedades, é de mais fácil digestão e melhora o funcionamento intestinal.

4. Requer o contacto físico entre a mãe e o bebé.

Assim sendo, contruibui para que se crie uma ligação mais forte entre a mãe e o seu bebé, o chamado vínculo afetivo.

5. Previne a obesidade.

Vários são os estudos científicos internacionais que comprovam que o risco de obesidade em jovens adolescentes e na idade adulta é bastante menor nos que foram alimentados com leite materno. Além disso, previne a doença de Crohn, doenças cardiovasculares e doença celíaca.

6. É mais proteico.

Comparativamente aos leites artificiais, o leite materno tem maiores quantidades de proteínas, como a lactoferina e imunoglobulinas, o que ajuda a proteger o bebé das infeções gastrointestinais, respiratórias e urinárias.

7. Reforça as defesas imunitárias da cria humana.

Protege o bebé contra outras infeções, uma vez que a mãe transmite anticorpos através do seu leite – como aliás, já mencionámos acima.

Além de todos estes benefícios, Armando Fernandes, pediatra de Neurodesenvolvimento do Centro Pediátrico de Telheiras, inúmera outros benefícios que o leite materno tem sobre a criança:

  • uma melhor resposta a vacinação;
  • uma recuperação mais rápida quando se encontram doentes;
  • menos problemas ortodônticos (dentários) e fonoaudiológicos (de fala e audição) – fatores usualmente associados ao uso do biberão;
  • reduz a incidência e a gravidade das doenças infeciosas e alérgicas;
  • diminui o risco de morte súbita.

Benefícios para a mãe:

leite materno - benefícios para a ma~e

1. Reduz a incidência de sofrer de depressão pós-parto.

2. Ajuda na recuperação da silhueta pós-parto.

Este é um “fator animador” e muito importante para a bem-estar e autoestima da mulher, afirmou Sandra Lucas à revista Prevenir.

“A amamentação representa, em média, um gasto calórico de 600 calorias por dia”.

3. Reduz a possibilidade da mãe sofrer hemorragias pós-parto, cancro da mama e dos ovários.

De acordo com vários estudos, a amamentação reduz as hemorragias pós-parto, assim como o risco de desenvolver cancro da mama e dos ovários. A osteoporose e as fraturas da anca veem também as suas probabilidades diminuídas se a mãe amamentar o seu pequeno com leite materno.

4. O leite materno está sempre disponível e tem a temperatura certa para o bebé.

“Não implica custos e anda sempre connosco”, declara a enfermeira, acrescentando que, desta forma,“as mães não têm que estar preocupadas com o transporte constante de acessórios, como biberões ou esterilizadores, para alimentar o seu bebé”, nem tão pouco com o facto do leite estar demasiado quente ou frio – o que acontece com o leite artificial.

5. Ajuda o útero a recuperar o seu tamanho normal, através das contrações uterinas que sente quando dá de mamar.

Fases do leite materno

leite materno - fases do leite materno

O leite materno não tem a mesma composição durante o processo de crescimento do bebé, até porque – como já dissemos antes – ele vai crescendo e as suas necessidades vão mudando. Logo, o leite tem que se adaptar ao desenvolvimento e às necessidades da criança, passando assim, também ele, por um processo de transição.

1ª fase: Colostro

O primeiro leite que os seios de uma mulher produzem após o nascimento do bebé chama-se colostro. Caracteriza-se pela sua composição espessa e pegajosa, de cor amarelada, e que é uma espécie de vacina para proteger o bebé que acabou de sair da sua “pequena casinha” e veio conhecer o mundo cá fora.

É um leite muito importante e rico, porque é o primeiro e, consequentemente, o que o terá que proteger contra os “maus e os vilões” (entenda-se por isto, protegê-lo das infeções e de doenças).

2ª fase: Leite de transição

Depois do colostro, 3 ou 4 dias após dar à luz, a mulher irá ter a subida do leite (explicaremos noutro artigo como se dá todo o processo), o processo de transformação do colostro no leite maduro. Nesta segunda fase, a mulher produz bastante mais leite, sendo este mais cremoso e com um maior teor de gordura, calorias e lactose.

O processo de transição ocorre entre o 5º e  14º dia pós-parto (é variável um ou dois dias, dependendo do corpo da mulher e da velocidade de adaptação do seu corpo à chegada de mais um “comilão”) e irá sentir o peito dorido e bastante cheio.

Parece que é a altura de produzir mais leitinho para que o seu pequeno cresça forte e saudável!

3ª fase: Leite maduro

Quando o bebé assinalar um mês de idade, o leite materno já estará totalmente maduro. É, nesta 3ª e última fase, que o leite é rico em proteínas, açúcar, vitaminas, mineiras, hormonas, fatores de crescimento, enzimas e células vivas. “E para quê?”, perguntam-se as mamãs. Para proporcionar um bom crescimento e correto desenvolvimento do seu bebé.

É a partir desta altura que as quantidades nutricionais dos nutrientes do leite materno estabilizam. Mas, atenção – a composição do leite ainda se pode alterar, modificando-se para permitir um crescimento saudável do seu bebé.

Dicas:

  • Para amamentar, aconselhamos uma almofada de amamentação, porque deixa o bebé e a mãe mais confortável, permitindo que aproveitem o momento com descontração;
  • Desfrute deste momento com o seu pequeno e não se isole. Se tiver dúvidas ou questões, peça ajuda!

 

Veja outros artigos importantes sobre a amamentação:

O colostro é o primeiro tipo de leite produzido pela recém-mamã e será este que irá proporcionar um melhor desenvolvimento do seu bebé.

Para uma boa amamentação, uma almofada de amamentação é meio caminho andado para que esta tarefa.

A amamentação nem sempre é fácil, mas existem locais nos quais pode procurar ajuda caso esteja a enfrentar algumas dificuldades neste processo complexo. No artigo, apresentamo-vos a SOS Amamentação.

Se está a ter dificuldades ou se tem algumas dúvidas em relação à amamentação, saiba que existem várias associações ou entidades a que pode recorrer. No artigo, falamos-lhe de algumas.

A Pumpkin foi ao encontro da especialista em Amamentação para perceber os medos, os dilemas e o que devem as mães fazer perante as dificuldades na alimentação do seu bebé.

Se encontrar alguma incorreção contacte-nos por favor.