«Depois das férias com as crianças, preciso é de férias das férias!» - Será?

As férias são um excelente momento para usufruir em pleno de tempo com a família e com as crianças. Partilhar interesses, experiências e memórias. São óptimas oportunidades para se usufruir de actividades de interesse da família ou ainda para dar lugar a novas experiências.

Falemos então de férias e actividades em família! E quando falo de férias em família falo de: «meras» férias de praia, com as suas actividades «paralelas» como os desportos náuticos, piscinas, parques temáticos, excursões, etc.; férias de turismo em cidade (com passeios pedonais, visitas a museus e jardins, etc.); campismo; férias de aventura ou outras.

Envolva as crianças

Depois de entre adultos se estudar as opções de férias, envolva as crianças no planeamento. De uma forma adequada à idade, elas podem participar nas escolhas dos locais e actividades e mesmo na preparação da viagem em si. Atribuir tarefas específicas a cada uma das crianças ajuda também a envolvê-las e a «responsabilizá-las» pelo sucesso das férias. 

Todas as idades, aptidões e interesses devem ser considerados quando se escolhem as actividades. Por exemplo, se uma criança pequena vai passar horas numa cadeirinha de bicicleta durante um passeio pela montanha, não nos devemos esquecer de incluir nesse programa alguma actividade para que ela possa «esticar as pernas» e correr livremente durante algum período do dia.

Palavra-chave: «Flexibilidade»

Umas férias planeadas «ao relógio» podem-se transformar num fracasso. As condições meteorológicas alteram-se, a criança está cheia de sono, o banho de mar está tão bom que não apetece sair, etc. Devemos estar sempre abertos a alterações ao plano inicial.

Algumas sugestões práticas:

- Deixem o mundo virtual em casa! Jogos electrónicos, tablets, smartphones e outros gadgets desviam as atenções do verdadeiro propósito das férias (isto também vale para os adultos). Jogos magnéticos, livros e música podem ser uma boa alternativa.

- Planeie pausas durante as viagens. Pode parecer que se «perde» tempo, mas uma paragem e mesmo alguma actividade física a meio da viagem pode tornar o restante percurso mais fácil já que deixa as crianças mais bens dispostas e tranquilas.

- Tenha sempre água e comida disponível. Seja durante as deslocações, seja durante as actividades em que o acesso a esses bens possa ser difícil.

- Quando chegar ao destino permita-se e permita às crianças um período de pausa antes de «mergulhar» nas actividades planeadas.

- Inclua no plano das férias um período diário de descanso (principalmente quando se viaja com crianças pequenas) e assegure-se de que as crianças tenham um tempo de sono restabelecedor. Crianças «bem dormidas» são crianças bem-dispostas, o que deixa, naturalmente, os pais mais bem-dispostos também.

E as questões de saúde?

Durante as férias existe uma natural alteração às rotinas habituais e isso torna-nos, especialmente às crianças, mais vulneráveis a problemas e intercorrências de saúde.

O restante conteúdo deste artigo visa expor algumas considerações a ter em conta quando se vai viajar com a família, com o objectivo principal de passar umas férias sem sobressaltos ou de que estes sejam o menos desestabilizadores possível.

Viajar para o estrangeiro. Comece a «preparar as coisas» com antecedência. Dependendo do local de destino, informe-se se são necessárias medidas preventivas específicas como vacinas ou outras medicações. Nesse caso deve recorrer à «Consulta do Viajante» com pelo menos 4 a 6 semanas de antecedência.

«Jet lag». Algumas das medidas que podem ajudar a minorar este efeito são: começar a adaptar-se ao horário «novo», aos poucos, uns dias antes da partida; descansar bastante no dia anterior à viagem; durante os voos longos, praticar momentos de «actividade física»; beber bastantes líquidos; evitar álcool e bebidas com cafeína; após a chegada, estimular o seu filho a actividades ao ar livre em ambientes bem luminosos durante o dia.

Dores de ouvidos no avião. As alterações de pressão do ar no ouvido durante a descolagem e a aterragem do avião podem provocar dores de ouvidos. Para tentar prevenir que isso aconteça pode estimular a criança a engolir, a bocejar ou, no caso da criança maior, a mascar pastilha elástica. No caso da criança pequena ajuda dar de mamar durante o período de descolagem e aterragem. Pode estar indicada analgesia com paracetamol em casos de dor significativa.

Enjoo de movimento. É muito comum enjoar no barco ou no carro e isso deve-se a um «conflito» entre o olho e o ouvido. O ouvido detecta o movimento, mas o olho que está focado no interior do veículo não. Estes sinais contraditórios que chegam ao cérebro podem causar náuseas, vómitos, palidez e suores frios. Algumas medidas para tentar combater este tipo de enjoo incluem: antes da partida ingerir alimentos de fácil digestão, evitando gorduras (este tipo de enjoos piora de estômago vazio); se iniciar queixas de enjoo ofereça à criança umas bolachas (salgadas); incentive a criança a olhar para fora do veículo para um ponto exterior que se encontre ao longe (no horizonte); mantenha alguma janela ligeiramente aberta para circular ar fresco; aconselhe a criança a manter a cabeça apoiada para reduzir os movimentos da mesma; faça pausas na viagem e, no caso de ela já se encontrar enjoada, pare durante um pouco para apanhar ar e movimentar-se livremente.

Diarreia do viajante. A diarreia e outras alterações gastrointestinais são bastante comuns em viagem e devem-se, primordialmente, à ingestão de água ou alimentos contaminados. Se tem dúvidas relativamente à qualidade da água no seu destino de férias, opte por beber apenas água engarrafada e por a utilizar para fazer o gelo, lavar os dentes e preparar o leite do seu bebé (no caso de impossibilidade ferva bem a água que vai utilizar). Outras medidas preventivas: se dá de mamar não deixe de o fazer; estimule que as crianças mantenham boas práticas de higiene como o lavar das mãos; tenha consigo um gel anti-séptico; assegure-se de que os produtos lácteos que consome sejam pasteurizados; as verduras e fruta devem ser ingeridas bem lavadas, descascadas ou cozinhadas; a carne ou peixe deve estar bem cozinhada (bem passada) e ser ingerida logo após a preparação.

O que devo levar na bagagem?

Não se esqueça de levar consigo o registo médico relativo às crianças, principalmente se elas sofrerem de alguma doença crónica. Da mesma forma, deve fazer-se acompanhar de toda a medicação habitual da criança (p.ex. inaladores, insulina, etc.) em quantidade suficiente para toda a duração do período de férias uma vez que pode não ter acesso fácil/rápido a medicamentos que necessitam de prescrição médica.

Considere levar consigo:

- Antipirético/analgésico (p.ex. paracetamol)

- Anti-inflamatório (p.ex. ibuprofeno)

- Anti-histamínicos/anti-alérgicos

- Pequeno kit de primeiros-socorros (para limpeza e tratamento de pequenos ferimentos)

- Soro de re-hidratação oral (próprio para prevenir desidratação no caso de diarreia ou gastroenterite aguda)

- Protector solar

- Repelente de insectos

A lista acima pode variar em função do destino, duração da viagem e vulnerabilidade médica do local de destino e, por esse motivo, deve-se aconselhar com o seu médico (ou durante a consulta do viajante nos casos em que esta esteja indicada) sobre o que deverá levar.

Não esquecer as questões de segurança

Quando vamos de férias, todas as regras e medidas de segurança que usamos no nosso dia-a-dia durante o ano não devem ser esquecidas. Diria até que essa preocupação deve ser reforçada.

Assim sendo, sublinho:

Cuidados com o sol (tanto mais importantes quanto mais próximo do equador ou maior altitude). Evite a exposição solar nas ditas «horas piores»; use protector solar de factor elevado (preferencialmente 50) renovando ao longo do dia; considere levar equipamento próprio para protecção solar como boné, guarda-sol, óculos de sol, etc.

Segurança na água. Certifique-se de que o equipamento para segurança em meios aquáticos cumpre as normas em vigor e se esse se encontra em boas condições de preservação. Na dúvida de que o seu destino de férias disponha desse tipo de material é preferível levá-lo consigo. É importante reforçar que, seja qual for o equipamento de segurança aquática que o seu filho utilize, nenhum substitui inteiramente a necessidade de vigilância constante da criança quando ela se encontra num ambiente que inclua água.

Segurança em actividades desportivas e de lazer (desportos «radicais» e de aventura, por exemplo). Da mesma forma que no item anterior, certifique-se de que vai dispor dos utensílios de protecção física específicos para cada actividade com risco de impacto (capacetes, luvas, joelheiras, protecção de dentes, arnês, calçado apropriado, etc.).

Segurança rodoviária. As regras de segurança no transporte rodoviário da criança devem manter-se durante as férias. Na dúvida, considere a hipótese de levar o seu sistema de retenção para crianças (cadeirinha) consigo para o seu local de destino.

Tudo preparado? Agora pode relaxar e desfrutar das férias. No final, espera-se que o cansaço desses dias seja apenas, como se costuma dizer, cansaço «dos bons».

Este artigo, escrito pela Pediatra Márcia Ferreira, foi-nos gentilmente cedido pela knok.