Comhece a técnica do copinho? E sabe em que situações deve utiliza-la? Esclareça todas as suas dúvidas sobre esta técnica neste artigo do Centro Pré e Pós Parto.

A técnica do “copinho” consiste num método seguro de alimentar o bebé, evitando a introdução precoce de tetinas.

Quando utilizar esta técnica?

  • O bebé tem dificuldades de adaptação à mama;

  • Mãe e filho têm que estar separados temporariamente;

  • O bebé necessita de um suplemento alimentar;

  • Mãe com mamilos gretados mas que deseja amamentar.

O biberão é o método mais comum de suplementação, porém existem evidências científicas que mostram que a sua utilização interfere significativamente na amamentação, pois as tetinas podem ter um impacto negativo no desenvolvimento do comportamento de sucção do lactente. A exposição à utilização de tetinas e de mamilos artificiais diminui o tempo de aleitamento materno e do contacto mãe-bebé.

Como a sucção em tetinas pode interferir na habilidade dos bebés de adaptação à mama, estas devem ser evitadas, e devem preferir-se métodos alternativos para a oferta complementar de leite (leite artificial ou leite materno previamente extraído).

A utilização de copinhos é descrita como uma forma segura, simples, prática e barata de alimentar os bebés até que eles consigam satisfazer todas as suas necessidades calóricas directamente da mama.

O aleitamento materno continua a ser o método de alimentação mais adequado para lactentes, porém o uso do copo é recomendável nos momentos de impossibilidade da amamentação, pois a musculatura activa em ambos os métodos (masseter, temporal e bucinador) é a mesma com a vantagem de não provocar a "confusão dos mamilos” (nipple confusion) no recém-nascido.

Porquê utilizar esta técnica?

  • Não interfere com a adaptação e sucção na mama;

  • O bebé controla a ingestão de leite;

  • Estimula os movimentos correctos do maxilar e língua, favorecendo o posicionamento correcto para a amamentação;

  • Proporciona, às crianças, experiências sensoriais como o paladar, textura e cheiro dos alimentos, ao contrário do que acontece com o biberão;

  • Estimula a produção de saliva e lipases linguais resultando numa digestão mais eficiente;

  • Diminui o risco de infecções, nomeadamente gastroenterites, em relação ao biberão, pois o copo é mais fácil de lavar e, geralmente, o leite é armazenado durante menos tempo.

As vantagens da alimentação por copinho são: o bebé determina o seu próprio consumo, quer em termos de tempo quer de quantidade; despende pouca energia; estimula o desenvolvimento e a coordenação dos reflexos de sucção e deglutição; estimula a secreção da saliva e das lipases da língua, tornando a digestão do leite materno mais eficiente e é um método fácil de administração de leite.

Os movimentos da língua e da mandíbula realizados durante a utilização do copinho são similares aos movimentos necessários para o sucesso da amamentação, e seu uso desenvolve os músculos responsáveis por esses movimentos.

As desvantagens são: o recém-nascido costuma desperdiçar algum leite; pode ser que pela facilidade substitua a amamentação natural; e o cuidador pode despejar o leite directamente na boca da criança, ficando esta susceptível a engasgos e aspirações.

Como utilizar a técnica do “copinho”?

  • Lavar as mãos;

  • O bebé deve estar calmo e acordado;

  • Envolver o bebé com uma manta ou lençol, de modo a que este não derrame o leite com os braços;

  • Manter o bebé sentado ou semi-sentado, ao colo, o mais erguido possível;

  • Utilizar um copo pequeno de plástico ou vidro, com bordos redondos; Colocar leite materno ou artificial no copo, até metade ou 2/3 da sua capacidade;

  • Colocar a borda do copo nos cantos do lábio superior e pousar com suavidade no lábio inferior, com a língua dentro do copo (alguns bebés preferem colocar a língua por baixo da borda do copo);

  • Inclinar o copo para que o leite apenas toque nos lábios do bebé, mantendo nesta posição mesmo quando a criança descansa. A estimulação sensorial é, geralmente, seguida de actividade visível da língua;
  • Deixar que o bebé lamba o leite com movimentos da língua e dos lábios;

  • O leite deve ser oferecido lentamente, com pausas, para facilitar a deglutição, devendo o bebé impor o ritmo da alimentação;

  • Evitar ao máximo o extravasamento do leite, visto que provoca desconforto para o bebé, além de prejudicar a ingestão hídrica e calórica, bem como o ganho ponderal.

Marília Pereira - Enfermeira Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia


Centro Pré e Pós-Parto